Prefeitura dobrou número de salas de recurso para atendimento a estudantes

Identificado com altas habilidades, Victor Gabriel Rios é atendido na sala de recurso da U.E.B. Luís Serra

A Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), reforçou o atendimento a estudantes com deficiência com a implantação de 39 novas salas de recurso ao longo da atual gestão. No início de 2013, a rede municipal de ensino dispunha de 77 salas de recurso. Hoje, são 116 – um aumento de mais de 50% em dois anos.

As salas de recurso multifuncionais são espaços construídos e mantidos pela Prefeitura de São Luís para receber, no contraturno escolar, crianças e adolescentes com deficiência, transtornos globais de desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação. Elas possibilitam atendimento educacional especializado e atendimento individual para, a partir do conhecimento das necessidades específicas de cada aluno, promover o estímulo adequado das áreas necessárias e potencializar o aprendizado. Atualmente, a Prefeitura de São Luís atende a 730 estudantes nesses espaços.

O secretário municipal de Educação, Geraldo Castro Sobrinho, destacou o trabalho desenvolvido nas salas de recurso e o empenho do prefeito Edivaldo em assegurar uma educação inclusiva a todos os estudantes matriculados na rede escolar de São Luís. “Temos promovido a otimização dos atendimentos na área de Educação Especial, bem como aumentado progressivamente a oferta de cursos e oportunidades de formação na área. O competente e dedicado trabalho desenvolvido pelos educadores que atuam nas salas de recurso é mais um passo em direção à nossa meta, que é a de melhorar cada vez mais a qualidade da educação oferecida pela rede municipal de ensino de São Luís”, disse Geraldo Castro.

A ampliação no número de salas de recurso veio a partir de uma parceria com o governo federal, por intermédio do Ministério da Educação. Com a parceria, foram adquiridos kits de informática, cada um com dois notebooks e uma impressora; e kits de material pedagógico, com jogos de memória, alfabeto móvel, tapete alfabético, dominó em Libras e em números, esquema corporal e kit de lupas. A Prefeitura de São Luís, por sua vez, reforçou o quadro de professores das salas com a contratação de novos profissionais mediante processo seletivo simplificado, disponibilizou oportunidades de formação continuada e proporcionou espaço adequado nas escolas para a implantação das salas.

ALTAS HABILIDADES

Victor Gabriel Marques Rios, 6 anos, estuda na Unidade de Educação Básica (U.E.B.) Bernardina Spíndola, no Centro. Identificado com altas habilidades aos três anos de idade, ele é atendido na sala de recurso da U.E.B. Luís Serra, próxima à sua residência. Agora, ele se prepara para iniciar um novo desafio: aprovado em 1º lugar no seletivo de uma prestigiada escola particular de São Luís, o garoto recebeu uma bolsa de estudos integral.

Vera Lúcia Marques Barbosa, mãe de Victor Gabriel, diz que o trabalho desenvolvido nas salas de recurso foi fundamental para o desenvolvimento integral do estudante, que aprendeu a ler sozinho, com dois anos e dois meses, mas tinha dificuldades com a escrita, coordenação motora e socialização. “Depois que o Victor começou a frequentar esse espaço, ele desenvolveu a escrita, o relacionamento com os colegas e até começou a organizar melhor seus horários para brincar e estudar”, comentou a mãe. Foi da professora da sala de recursos a ideia de inscrever o filho em um processo seletivo de escola particular. “Eu disse não várias vezes e foi a professora da sala de recursos que me convenceu. Nunca imaginei que alguém da minha família teria uma oportunidade como esta”, disse.

“Quando ele chegou aqui, aos três anos, o vi certa vez parado de frente para um cartaz no pátio e parecia que estava lendo, mas não dei muita atenção. Até que a professora dele, nos primeiros dias de aula, nos chamou para dizer que tinha um aluno que já sabia ler”, contou Ruth Pereira Rocha, coordenadora pedagógica da escola.

A matéria que Victor mais gosta de estudar é matemática. “Eu já sei ler, então o que eu mais gosto de fazer agora é brincar com os números”, diz o garoto. Ele diz que vai sentir falta dos colegas da U.E.B. Bernardina Spíndola, mas conta que já visitou a nova escola e gostou muito do ambiente e do parquinho, por causa do escorregador. “Quero fazer muitos amigos, estudar e brincar muito na nova escola”, discorre Victor Gabriel – de grande potencial e de muitos talentos.

SAIBA MAIS

A implantação das salas de recursos passou a ser obrigatória a partir de 2008, quando foi aprovada a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Atualmente, todos os sete núcleos geográficos em que está dividida a rede municipal de ensino possuem escolas equipadas e com salas de recursos em funcionamento. A Superintendência da Área de Educação Especial (SAEE) da Semed possui uma equipe técnica de aproximadamente 50 profissionais que atuam nas escolas para viabilizar ações que priorizem o atendimento às crianças e adolescentes com necessidades educacionais especiais, bem como orientação e acompanhamento das famílias desses alunos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *