Casa do prefeito do município mais pobre do Brasil com armas, jóias e boa quantidade em dinheiro

Edvan Costa, prefeito de Marajá do Sena preso durante ação contra agiotagem

Edvan Costa, prefeito de Marajá do Sena preso durante ação contra agiotagem

Marajá do Sena é a cidade mais pobre do Brasil, com o pior desempenho no Índice de Desenvolvimento Humano Municipal. Mais precisamente a 403km da capital, São Luís, o município carrega o título de cidade mais pobre do país, com uma renda per capita mensal de R$ 96,25.

Justamente este recanto da miséria do Brasil, é comandado pelo prefeito Edvan Costa, preso nesta terça-feira (5) em mais uma operação de combate à agiotagem. As investigações foram reabertas no governo Flávio Dino. Na residência do prefeito Edvan Costa, os policiais apreenderam uma pistola 380, um revólver calibre 38 e várias munições, além de jóias e dinheiro. Ele vai ser autuado em flagrante delito pelo crime de posse ilegal de arma de fogo.

Na Operação também foram presos o prefeito de Bacuri, Richard Nixon Monteiro dos Santos; o ex-prefeito de Marajá do Sena, Perachi Roberto Moraes; o contador da Prefeitura de Marajá do Sena, José Epitácio Muniz Silva, o Cafeteira; e Josival Cavalcanti da Silva, o Pacovan, apontado como agiota nas investigações. O ex-prefeito de Zé Doca Raimundo Nonato Sampaio, conhecido como “Natinho”, está foragido.

Cúpula da segurança fala sobre operação contra a prática da agiotagem no Maranhão.

Delegado-geral, Augusto Barros, fala sobre operação contra a prática da agiotagem no Maranhão.

Ao todo, 42 prefeituras estão sendo investigadas. Centenas de empresas estão envolvidas no esquema fraudulento de desvio de verbas no estado. De acordo com as investigações, só uma empresa desviou mais de R$ 46 milhões dos cofres públicos. Centenas de cheques foram apreendidos, totalizando valores exorbitantes. A fraude ultrapassa facilmente o valor de R$ 100 milhões.

“A operação tem por objetivo contribuir positivamente para o aprimoramento da democracia e cidadania em nosso estado, por meio da repressão de práticas criminosas na gestão pública”, enfatizou o delegado-geral, Augusto Barros, afirmando que ações de combate à agiotagem não irão retrair.

Ao todo, foram cumpridos 20 mandados, sendo cinco de prisão temporária, 12 de busca e apreensão e três de condução coercitiva. Também foram apreendidos veículos de luxo, computadores e vários cheques.

4 pensou em “Casa do prefeito do município mais pobre do Brasil com armas, jóias e boa quantidade em dinheiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *