‘Réveillon de Todos’ inicia programação com praça lotada e muito samba

Com a Praça Nauro Machado lotada e uma emocionante homenagem ao samba, a festa do ‘Réveillon de Todos’ teve início nesta sexta-feira (30), e segue com programações neste sábado (31) e domingo (1º). Pela estimativa da Polícia Militar, cerca de seis mil pessoas acompanharam a festa, que contou com a participação de sambistas locais e nacionais.
Para o governador Flávio Dino a programação do réveillon é mais uma programação preparada pelo Governo do Maranhão e que reflete a política de valorização dos artistas maranhenses e de ocupação dos espaços públicos da cidade. “Essa é a nossa visão principal de ocupação dos espaços públicos, uma política cultural ampla, que contempla os vários estilos, gêneros, expressões da cultura do Maranhão e do Brasil”, ressaltou o governador.
“Estamos mais uma vez valorizando os espaços públicos da cidade e com essa programação encerramos um trabalho de muita valorização da cultura maranhense em diversos momentos ao longo do ano, e o resultado é esse, a população sempre prestigiando as nossas programações”, disse o secretário de Estado da Cultura e Turismo, Diego Galdino.
A noite começou animada com a participação do DJ Jards Macaco tocando o melhor do samba de breque, estilo musical derivado do samba e muito popular. Era notório que Macaco sabia como empolgar o público, mantendo-os em uma vibração constante e levando-os, sobretudo, a dançarem como se estivessem em um salão de samba de gafieira. Sempre que o DJ entrava em ação, as paredes ao lado da praça ganhavam as cores e brilhos do videomapping, com mensagens positivas para o novo ano.
Em seguida, o grupo “Vamu di Samba” fez uma apresentação memorável, tocando seus grandes sucessos e comemorando, no palco, seus 20 anos de carreira ao lado da cantora Rose Maranhão.
A noite ainda guardava um show de apoteose para o samba maranhense. O show ‘Samba de Terreiro’, com a abertura da talentosa cantora Lena Machado, brindou os espectadores com grandes apresentações dos artistas Josias Sobrinho, Patativa, Joãozinho Ribeiro, Fernanda Garcia e um dos precursores da história cultural do samba em São Luís, Zé Pivó.
Zé Pivó, o mestre, como é chamado pelos artistas mais jovens, percebe a extensão da bagagem do samba como sendo seu principal trunfo e comenta sobre a emoção de cantar na primeira noite de homenagem aos 100 anos do samba. “Eu sou sambista, fico muito emocionado de tocar com tanta gente jovem. Eu nasci no bairro João Paulo e o samba feito no Maranhão nasceu lá no meu bairro, quando eu era mais jovem e lembro de ter ingressado na Turma da Mangueira (escola de samba mais antiga da capital do Maranhão). Portanto, é muita bagagem para um estilo musical tão bem difundido no mundo e que só cresceu desde sua criação. O Samba é um ritmo genuinamente brasileiro”, destacou.
Na plateia, assistindo às apresentações, estavam as irmãs Lucilene e Luciane Amorim que elogiaram a estrutura do evento. “O evento está muito bom, organizado, o som está maravilhoso e nos sentimos seguras aqui na Praia Grande”, afirmou.
Além das irmãs Amorim, a professora Clarice, que veio da cidade de Balsas, junto com sua família para ver o grande espetáculo que é o Réveillon, credita a diversidade de atrações na programação do evento como sendo um dos fatores principais de terem escolhido a ilha do amor como roteiro para o final de ano. “Estamos gostando muito. Viemos ver o grande show da noite também, o (show) da cantora Leci Brandão”, esclarece a professora.
Leci, que entregou ao público um show fiel às suas raízes e extremamente compatível com o tamanho do sucesso de sua carreira, enfatizou o quanto se sente pertencente a cidade de São Luís e acentuou o carinho do público ao recebê-la na cidade. “Aqui eu me sinto em casa. Eu amo esse carinho do povo maranhense. Todos acenando para mim com a mão só demonstra que eles sabem que eu não sou celebridade, eu sou comunidade”, e defende a importância do samba para a cultura nacional. “O samba tem que ser mais valorizado no país, não só por ser a música da alegria, mas também porque o samba agrega, une, o samba é o Brasil”, finalizou.
E a programação de celebração do centenário do Samba continua neste último dia de 2016, com destaque para o grande show da virada do ano, com Jorge Aragão, que se apresenta no prolongamento da Avenida Litorânea, próximo ao Rio Pimenta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *