Juíza sobrinha de Sarney beneficiava executivo condenado por crimes financeiros

Juiza Andreia Sarney

A juíza Andreia Silva Sarney Costa Moruzzi, sobrinha do oligarca José Sarney, vinha aliviando a barra de um ex-executivo da Sadia condenado por crimes financeiros.

Substituta da 1ª Vara Criminal Federal de São Paulo, Andreia Sarney por reiteradas vezes autorizou Luiz Gonzaga Murat Junior a realizar viagens de lazer à Europa.

O problema é que Murat é ex-diretor de Finanças e Relações com Investidores da Sadia e foi sentenciado pela prática de “insider trading”, delito que consiste no uso de informações privilegiadas para obtenção de lucros no mercado de ativos. Além de multa de R$ 350 mil, Murad foi condenado a manter-se afastado de cargos empresariais e obrigado a prestar 920 horas de serviços comunitários.

No entanto, como informa o jornal O Estado de São Paulo, as decisões arbitrárias de Andreia Sarney já estavam na mira do Ministério Público Federal. Tanto que nessa quarta-feira (3) o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) impediu que Murat realizasse viagem marcada para França, Espanha e Áustria.

Histórico

Andreia Sarney Moruzzi é filha da desembargadora estadual Nelma Sarney e de Ronald Sarney, irmão de José Sarney. Em 2016, o nome de Andreia Sarney circulou na imprensa nacional por ela ter determinado a prisão e a inclusão do ex-delegado e ex-deputado Protógenes Queiroz na lista vermelha da Interpol. A sentença foi revogada porque o TRF-3 considerou a decisão da sobrinha de Sarney como prematura.

2 pensou em “Juíza sobrinha de Sarney beneficiava executivo condenado por crimes financeiros

  1. CRUZ credo…onde tem SARNEYS……tem satanás……um VÍRUS pior que o EBOLA……..cruz credo xô satanás…….se acham a FAMIGLIA IMPERIAL do MARANHÃO…. Eternamente IMPUNES…..cruz credo……. xô satanás para o inferno…… inferno….. SARNEYS que NOJO e VERGONHA……cruz credo DÁ VONTADE de VOMITAR…………

  2. Matéria completamente tendenciosa! Eu trabalho na Vara onde a Dra. Andréia atua e sua decisão acerca da viagem do Sr. Luiz Gonzaga foi feita com base em critérios diretos e objetivos, tendo ele sido tratado da mesma forma como todos os outros apenados na Vara! Ela concedeu a autorização de viagem, pois ele estava cumprindo a pena regularmente, prestando serviços à comunidade, pagando a multa em dia e iria compensar as horas de afastamento após o retorno. Só porque o réu é famoso, deve ser tratado com mais rigor do que os outros? AH, FAÇA-ME O FAVOR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *