Tradicional Samba da Feirinha no Mercado das Tulhas pode acabar

Um espaço cultural dos mais tradicionais no coração de São Luís pode acabar. O Samba da Feirinha, no mercado das Tulhas, está ameaçado por uma atuação do presidente da Associação dos Feirantes e Trabalhadores no Comércio da Praia Grande, Ubiracy Sampaio e do Batalhão de Polícia Militar de Turismo (BPTur).

O Samba da Feirinha é uma tradição de aproximadamente 20 anos na Feirinha da Praia Grande. A atividade que ocorre aos sábados, já sofreu adequações, terminando rigorosamente às 18h por um acordo que havia sido celebrado com a secretaria de Meio Ambiente e não utiliza microfones para não afetar o patrimônio histórico.

Por meio de nota, o coronel Honório Filho, comandante do BPTur, afirmou que o ambiente “funciona de forma desordenada e sem as mínimas condições de segurança há décadas. […] Nenhum dos bares tem licença de funcionamento, nenhum dos restaurantes possui extintores de incêndio”.

O comandante afirmou que antes da fiscalização mais constante, houve uma reunião na qual um representante do BPTur, o Delegado de Costumes, um representante do Corpo de Bombeiros, os feirantes e a Diretoria da Casa das Tulhas se fizeram presentes e nessa reunião ficou acertado que passaria a ser cobrado o fechamento do ambiente segundo o horário estipulado no Estatuto próprio daquele lugar, além da implantação de medidas de segurança, assim como a proibição de venda de bebidas a menores de idade e pessoas embriagadas, como determina a Lei e, para tal, a fiscalização seria intensificada no referido local. “Nesse sentido, a ação do BPTur não é arbitrária e sim legal e legítima”.

É louvável que se faça um ordenamento e que até para a comodidade de turistas e ludovicenses, se  sinta a presença da polícia. Aliás, o trabalho que o BPTur vem promovendo no Centro Histórico é digno de aplausos. A segurança na região melhorou muito nos últimos anos.

Porém, o samba da feirinha é um patrimônio cultural. É a cara do Centro Histórico. Não é um “show” ou evento. Em vários sites especializados em turismo, muitos turistas que visitam a capital maranhense citam o Samba da Feirinha como um ótimo programa raiz para quem vem à cidade.

Então, é preciso mais diálogo para que se façam adequações necessárias quanto a extintor de incêndio, reforço para coibir  consumo de bebidas alcoólicas por menores e segurança. Mas o fim do Samba da Feirinha é o fim de mais um pedaço de vida do Centro Histórico aos finais de semana.

1 pensou em “Tradicional Samba da Feirinha no Mercado das Tulhas pode acabar

  1. Para algumas pessoas, diálogo parece coisa da antiga, e essas pessoas que, eventualmente, ocupam cargos na administração pública parecem não dar a mínima atenção para a questão da negociação, ou seja, ouvir, conversar, pensar junto. E aí as decisões geralmente vêm de cima pra baixo, muitas vezes em prejuízo de quem só quer construir. Cultura e arte são o coração de qualquer centro histórico em qualquer parte do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *