Decisão do judiciário sobre caso da empresa Risa pode ser punição para trabalhadores mais pobres

O Blog expôs aqui na semana passada a situação da empresa de Balsas Risa S/A, que gera mais de 1.000 empregos diretos, e sofre a possibilidade de ruir diante de uma disputa judicial entre o dono da empresa e a ex-mulher. O julgamento e seus efeitos para esses trabalhadores pode ser devastador, ainda mais diante do cenário de crise e desemprego no país e em nosso estado.

Leia também: Disputa judicial em grande empresa de Balsas ameaça mais de 1.000 empregos

Ocorre que a ex-mulher do dono da empresa, Salete Terezinha Gewehr, que já recebe 45% do lucro e vive bem com todos os direitos garantidos, tenta mais ainda na Justiça. Ela quer também a casa em que o casal vivia. José Antônio alega que o imóvel serve como moradia do presidente da empresa, para que ele fique mais próximo do dia a dia da fazenda e do campo experimental.

A disputa judicial tem atrapalhado os negócios da empresa. A instabilidade fez com que a empresa deixe de plantar 35 mil hectares nessa safra, porque alguns clientes antigos resolveram cancelar os pedidos de produção por se sentirem inseguros com a atual indefinição administrativa. O que impedirá a geração de 400 novos empregos.

Vale ressaltar que o direito de Salete está assegurado e já é de uma rentabilidade muito boa. Mas a continuidade do litígio ameaça empregos de gente que ganha somente o suficiente para sua subsistência. Espera-se que o judiciário maranhense sopese os efeitos da decisão para terceiros e o que é justo diante deste imbróglio.

O julgamento será no próximo dia 28.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *