Jefferson Portela desiste de candidatura em 2018

O Secretário de Segurança do Estado, Jefferson Portela, anunciou por meio de sua página no Facebook, nesta manhã de quarta-feira (7), que desistiu oficialmente de ser candidato a deputado federal em 2018. Portela não explicou os motivos que o levaram a desistir da disputa, disse apernas que não será candidato na eleição do ano que vem.

Portela surpreendeu ao anunciar que continuará apenas “combatendo o crime  em todas as suas formas”. Ele trabalha a pré-candidatura há mais de um ano.

“Comunico a todos que não serei candidato a quaisquer cargos nas eleições de 2018. Continuarei, como estive nos últimos 19 anos, combatendo o crime em todas as suas formas. Deixo aqui meus agradecimentos aos que manifestaram apoio, mas seguirei com o trabalho na SSP/MA. Que Deus ilumine a quarta feira de todos nós”, declarou.

Andrea diz que Ricardo será candidato a cargo majoritário: “governador ou senador”

A deputada Andrea Murad falou sobre a entrada de Roseana Sarney na disputa pelo governo do estado. A entrada murchou a pré-candidatura do pai, Ricardo Murad, ao governo do Estado. Andrea diz agora que Ricardo pode ser candidato a Senador, mas isto jogaria mais lenha na fogueira dos pré-candidatos do grupo Sarney.

Andrea disse que não existe briga pelo fato de Ricardo se lançar pré-candidato e Roseana também. O que poderia evidenciar uma estratégia de ter muitos candidatos para levar a disputa para o segundo turno. “Muito bom a candidatura da ex-governadora. Ela tem todas as condições de disputar. Quanto mais candidatos, melhor para conseguirmos tirar o governador Flávio Dino do governo. O eleitor tem mais opções de voto”.

Apesar disto, a deputada não mostrou convicção da candidatura do pai ao governo e abriu o leque para ser candidato também a Senador. “Ele será candidato a majoritário. Será candidato a governador ou a senador. Ainda pode ser ao governo, mas quer dizer que ele está rompido com a governadora Roseana. Uma coisa não tem nada a ver com a outra”, sentenciou.

Candidata a federal pelo PRP

Andrea Murad confirmou que será candidata mesmo a deputada federal e disse que aguarda a janela partidária para seguir o pai no PRP. A confirmação aumenta a especulação de que Ricardo pode não seguir a candidatura majoritária como afirma Andrea e ser mesmo candidato a deputado estadual.

Lideranças que apoiam Weverton para o Senado se reúnem em Imperatriz

Weverton tem feito grandes atos de pré-campanha

Lideranças políticas de todo o estado voltam a se reunir no sábado, 23, em Imperatriz em apoio à pré-candidatura do deputado Weverton Rocha ao Senado em 2018. O encontro acontecerá às 16h, na loja maçônica Lauro Tupinambá, no bairro Bacuri.

Em Imperatriz os apoiadores de Weverton se reúnem pela sexta vez. “O movimento tem crescido e todos os dias recebemos a declaração de apoio de novos prefeitos e novas lideranças”, afirma Erlânio Xavier, prefeito de Igarapé Grande e um dos organizadores do encontro.

O primeiro evento aconteceu em dezembro de 2016, em Santa Inês, na casa da prefeita eleita Vianey Bringel, reuniu algumas lideranças e foi a semente de um projeto de reuniões que passaram a acontecer a cada dois meses, em Codó, Barra do Corda, Balsas e Pedreiras, com um número crescente de presenças de deputados federais e estaduais, prefeitos, vereadores e lideranças locais.

“Estamos em um projeto coletivo de construção de uma pré-candidatura que representa os anseios e as aspirações de todos”, explica Weverton Rocha. “Nosso objetivo é rodar o Maranhão, ouvir as pessoas e, a partir da necessidade de todos, formar um conceito de atuação representativa do nosso estado”, conclui.

Pesquisa da Difusora AM exclui nome de Eliziane para o Senado

Líder em todos os levantamentos que foi incluída, Eliziane é excluída da Escutec

Blog Marrapá – A rádio Difusora AM encomendou pesquisa eleitoral ao Instituto Escutec para analisar o cenário político de governador e senador em 2018. Apesar de liderar todas as pesquisas realizadas para o Senado e confirmar sua pré-candidatura, a deputada Eliziane Gama (PPS) foi ignorada pela emissora de Edinho Lobão (PMDB).

No Senado, os nomes incluídos foram: Sarney Filho (PV), Edison Lobão (PMDB), o próprio Edinho (PMDB), José Reinaldo Tavares (PSB), Waldir Maranhão (PTdoB) e Weverton Rocha (PDT).

Gama hoje é a favorita para ser eleita em 2018, caso seja confirmada como candidata. Além de possuir a menor rejeição e ser prioridade do seu partido (PPS), conta a favor da parlamentar a coerência em seu mandato. Aliada do governador Flávio Dino (PCdoB), está na disputa para integrar a chapa comunista em uma das duas vagas disponíveis ao Senado. Justamente o seu desempenho em pesquisas eleitorais anteriores a credenciaram. Mesmo assim, a Difusora optou por excluir Eliziane.

Para avaliação na disputa ao Palácio dos Leões foram incluídos: Flávio Dino (PCdoB), Roseana Sarney (PMDB) e Roberto Rocha (PSB). Outra mancada da emissora ao não verificar o nome de Mauro Jorge (Podemos), pré-candidata ao governo do Maranhão. A ex-prefeita de Lago da Pedra é nome certo na disputa eleitoral do próximo ano.

Ao ignorar Eliziane e Maura, o levantamento da Difusora perde sentido. Por estratégia ou erro, o fato é que a rádio cometeu enorme equivoco.

Presidente nacional do PPS endossa candidatura de Eliziane ao Senado na chapa de Dino

“É muito cedo. Mas vamos analisar e respeitar as realidades locais”. Assim o presidente nacional do PPS, Roberto Freire, definiu o posicionamento do partido para as eleições do ano que vem nos estados, inclusive no Maranhão.

Em conversa com o titular do Blog, Freire reforçou que o partido tem posta a pré-candidatura de Eliziane ao Senado, sendo este o projeto no Estado. “Nós estamos esperando decisões do sistema político eleitoral. Mas o que há, é uma candidatura ao Senado, que é da Eliziane Gama”, definiu com segurança.

O presidente foi questionado sobre a aliança com o governador Flávio Dino do PCdoB, já que no âmbito nacional, PPS e PCdoB são ideologicamente distantes. “O partido tem como definição política ouvir muito os seus diretórios estaduais. Nada estranha esta aliança com o governador Flávio Dino porque a gente já o apoiou. Houve o apoio do PPS aí no Maranhão mesmo com a divergência a nível nacional. Isso quem vai decidir é o povo daí [PPS maranhense] e há uma tendência do partido respeitar os estados nas suas definições políticas”, sentenciou.

Assim, Eliziane segue firme como pré-candidata ao Senado, tendo aval da direção nacional da legenda para ser candidata ao lado do governador Flávio Dino.

Lula será recebido por Flávio Dino no Palácio dia 3 de setembro

O ex-presidente Lula estará no Maranhão entre os dias 3 e 4 de setembro como parte da caravana pelo Nordeste. A viagem do ex-presidente pela região começa na próxima semana (17 de agosto) em Salvador-BA, percorrendo os nove estados.

Na capital maranhense, Lula será recebido pelo governador Flávio Dino no Palácio dos Leões dia 3 de setembro onde será oferecido um jantar. O presidente estadual do PT, Augusto Lobato, articulou a agenda entre o governador e o ex-presidente.

O petista também conhecerá o Porto do Itaqui, a Casa Ninar na praia de São Marcos, inaugurada no mês passado e referência no Brasil no tratamento a crianças com problemas neurológicos, e fará um ato público no Centro de São Luís.

Senado: pré-candidatura de Eliziane começa a ganhar força política

A pré-candidatura ao Senado da deputada federal Eliziane Gama (PPS), que já tem força de densidade eleitoral demonstrada nas pesquisas já divulgadas, começa agora a ganhar corpo também no meio político.

Eliziane esteve nesta terça-feira (1º) reunida com os prefeitos Romildo, de Tutóia, e Dr Cristino, de Araioses. O encontro foi promovido pelo secretário adjunto de Articulação Política, Ednaldo Neves.

Ednaldo é um membro importante do PCdoB e forte pré-candidato a deputado estadual. A manifestação de simpatia à pré-candidata a senadora do PPS dá um indicativo de reforço no meio político. O impulso que Eliziane precisava.

Parado no tempo, Clã Sarney não conseguiu construir novas lideranças

Mais do mesmo: Chapa do Clã Sarney sairá dos mesmos nomes que sempre estiveram nos principais cargos. O resultado o maranhense já sabe…

O anúncio de Edison Lobão de que irá buscar a reeleição, transforma a provável chapa do Clã Sarney em uma feira de antiguidades constituído das figuras arcaicas que sempre disputaram as eleições pela legenda. Mesmo com 50 anos de poder (com raros intervalos), o Clã não foge da mesmice da velha guarda dos Sarneys e Lobãos. Sequer as novas gerações das famílias conseguem espaço.

Edison Lobão anunciou que irá mesmo ser candidato à reeleição. Caso eleito, Lobão começará o mandato com 82 anos e encerrará com 90 anos. Um mandato que hoje já é insípido, imaginem para um quase nonagenário.

O deputado federal Sarney Filho diz que não abre mão da candidatura ao senado, embora saiba que é muito complicado uma chapa familiar com ele candidato a Senador e Roseana candidata a governador. Pela segunda vez como ministro do Meio Ambiente sem nenhum benefício para o Maranhão, Sarney é deputado federal há muitos anos e também foi coordenador da bancada maranhense por muito tempo, sempre com a marca de uma bancada dispersa e com o Maranhão perdendo todos os seus interesses no Congresso.

João Alberto finge que não se importa muito em ser escanteado. Mas o velho Carcará não venderá barato uma abdicação de candidatura, já que tem a prioridade de ser candidato à reeleição. Caso Roseana não seja candidata, o nome mais provável para assumir uma candidatura ao governo pelo Clã é de João Alberto. Caso contrário, não pode ser descartado o Carcará como candidato a Senador e quem ficaria fora seria Sarney Filho para evitar a chapa familiar.

Por fim, a provável candidatura de Roseana ao governo é o retrato claro de que o grupo não conseguiu evoluir e apresentar algo de novo para o sociedade. Mais uma vez Roseana, que já governou o Maranhão por quatro vezes (sendo uma no tapetão e outras de eleições bem duvidosas quando não existia o voto eletrônico). Mais uma vez Roseana pode ser candidata como se tudo que pudesse ter feito de bom e de ruim não já tivesse feito durante todos estes anos.

O modelo oligárquico de perpetuação de poder não permite ao Clã sequer deixar espaço para que membros mais jovens do grupo possam ascender, trazer ideias diferentes e oxigenar a própria política do Estado. Os nomes apresentados pelo Clã mostram exatamente o estilo do grupo: centralizador, coronelista e apego pessoal ao poder.

Caravana de Lula pelo Nordeste encerrará pelo Maranhão

Está confirmada a vinda do ex-presidente Lula ao Maranhão durante a caravana que fará pelo Nordeste a partir do dia 17 de agosto, começando pela Bahia e encerrando pelo Maranhão.

A previsão é que no início de agosto o ex-presidente passe pelo Estado. A confirmação foi no encontro de presidentes de diretórios estaduais e de capitais em São Paulo.

A agenda ainda será estabelecida. Mas São Luís está incluída na visita.

Secretários candidatos só deverão sair mesmo em abril de 2018

Márcio Jerry e Marcelo Tavares ajustam o governo junto à classe política. Os dois serão candidatos em 2018

Este Blog foi o primeiro a tratar da antecipação da saída dos secretários de Flávio Dino que disputarão a eleição de 2018. Em janeiro deste ano, o governador afirmou ao titular do Blog que estava programando para dezembro as mudanças dos secretários que irão disputar o pleito (relembre).

Mesmo naquela época, sentia que era um desejo que o próprio governador tinha consciência ser de difícil execução. Hoje, é ainda mais visível que o governador não mexerá na estrutura do governo na transição de 2017 para 2018.

Além de pastas importantes serem trocadas, como segurança, infraestrutura, desenvolvimento social, Flávio perderá seus dois principais secretários – Marcelo Tavares e Márcio Jerry – que serão candidatos a deputado estadual e federal, respectivamente.

A atuação de Márcio e Marcelo junto à classe política é fundamental para o equilíbrio do governo. O choque destas mudanças pode ser problemático para o encaminhamento das alianças e manutenção coesa da base de apoio.

Flávio já deve ter consciência de que é melhor que os secretários deixem o governo em abril, quando as ações governamentais já começam a esfriar e todos passam a viver mais campanha eleitoral. Assim, corre menos o risco de perder todo o ano de 2018 com trocas tão abruptas.