Manifestação pedindo eleições diretas para presidente em São Luís

O Maranhão também foi palco de manifestações contra o presidente Michel Temer. Os manifestantes se reuniram na Praça Deodoro, no Centro de São Luís, no final da tarde desta quinta-feira (18).

Segundo a organização, cerca de 500 pessoas participaram do movimento. A Polícia Militar não fez contagem dos manifestantes. O protesto pede a renúncia de Temer e eleições diretas para presidente da República.

O ato público com a participação das Centrais Sindicais, Frente Brasil Popular e Povo Sem Medo. O protesto encerrou por volta das 19h30. Por causa da intensa repercussão do assunto, o presidente Michel Temer fez um pronunciamento nesta quarta no qual declarou que não renunciará ao cargo.

Fracasso das manifestações sem pautas da direita

Foi um verdadeiro fracasso as manifestações realizadas neste domingo (26). Não sei sequer definir o ter das manifestações capitaneadas pelo MBL. Não é fácil definir se eram favor da Lava Jato, fim do foro privilegiado, pelo armamento, pela volta da ditadura militar ou se era a favor ou contra as reformas do presidente Michel Temer.

Em São Luís, o protesto reuniu 30 pessoas em frente à Assembleia Legislativa. Os manifestantes falaram em duas patas objetivas: contra a votação em lista fechada, o foro privilegiado e contra o desarmamento. A segunda, uma tenebrosa pauta pela instauração de um faroeste. Além destas, palavras subjetivas como “fim da corrupção”, “somos todos Sérgio Moro” ou coisas deste tipo.

MBL e o Vem pra Rua conseguiram de fato mobilizar muito a sociedade contra o governo da presidente Dilma entre 2013 e 2016. Em uma mobilização alinhada com a grande mídia foi possível realizar grandes protestos contra o PT. Mas o objetivo principal dos poderosos já foi alcançado com o impeachment da presidente Dilma.

Movimentos do MBL estão agora sem o mesmo amparo midiático. Agora, a depredação de tudo que está aí na política (antes defendida) não é interessante para os detentores do poder econômico, pois atrasa a recuperação da economia.

O MBL está perdido sem saber ao certo qual a sua bandeira agora. O grupo foi massacrado nas redes sociais ao defender as reformas da previdência e trabalhista, que tiram direito dos trabalhadores. O apoio do grupo à gestão de Temer é o seu fim enquanto movimento de grande proporção.

O grupo hoje não tem razão de ser.

Manifestantes bloqueiam a entrada de São Luís

Um movimento da CUT capitaneado por mulheres em alusão ao Dia Internacional a Mulher interditou a ponte Marcelino Machado, que fica sobre o Estreito dos Mosquitos, que liga São Luís ao continente.

O trânsito ficou totalmente parado e a confusão é grande na entrada de São Luís. Os manifestantes reclamam contra a PEC da Reforma da Previdência e a a Reforma trabalhista.

 A PEC 287 foi enviada à Câmara no fim do ano passado pelo governo e prevê idade mínima de 65 anos para homens e mulheres se aposentarem. O tempo mínimo de contribuição deve subir de 15 anos para 25 anos. Pelo novo modelo, para se aposentar com acesso ao benefício integral será necessário contribuir ao longo de 49 anos.

No caso das mulheres, retira diretos por igualar mulheres e homens, desconsiderando as diferenças de gêneros.

O tamanho do descontentamento com o governo Flávio

O protesto contra o reajuste do ICMS articulado pelo Senador Roberto Rocha mostrou o tamanho do descontentamento com o governo Flávio Dino pela medida do número de participantes. Pesquisas mostram que a maioria da população já assimilou que a medida, mesmo antipática, era necessária para manter as contas equilibradas e a máquina econômica do Estado funcionando.

A manifestação reuniu 14 pessoas segundo as contas da Polícia Militar. Mas parece que a Polícia errou. Na foto em que juntaram mais os manifestantes para dar impressão de volume, apenas sete protestantes. Tinham mais policiais fazendo a segurança do que manifestantes. Uma perda de tempo para o efetivo que acompanhou a “grande” manifestação e poderia estar fazendo ronda onde era mais necessário.

Castelo: a cara do protesto “contra corrupção” em São Luís

IMG-20160313-WA0039Manifestantes foram às ruas protestar contra o governo Dilma e contra o ex-presidente Lula na Avenida Litorânea. O protesto ocorreu com tranquilidade e os manifestantes preferiram não sair em passeata para evitar um possível confronto com petistas.

O único político presente no evento, até porque o PSDB maranhense está promovendo encontros no interior do estado, foi o ex-prefeito de São Luís, João Castelo, acompanhado da filha, Gardênia Castelo.

TCE rejeita contas de Castelo e deixa o ex-prefeito com a Ficha Suja

João Castelo condenado a prestar serviços comunitários por não pagar servidores

Justiça nega habeas corpus a João Castelo, acusado de improbidade

É sempre bom relembrar que João Castelo responde por uma série de irregularidades de sua gestão à frente da prefeitura de São Luís. Ele é acusado de improbidade administrativa por não ter pago os salários de dezembro de 2012 dos servidores de São Luís. O Tribunal de Contas do Estado rejeitou as contas do ex-prefeito de 2010. Ou seja, é Ficha Suja.

Nas redes sociais, a incoerente presença foi duramente criticada.

Aécio hostilizado

aecioEm São Paulo, os manifestante hostilizaram a presença do senador Aécio Neves e do governador Geraldo Alckmin. Aécio foi chamado de “vagabundo” por uma manifestante. Há pessoas com cartazes de “fora Aécio” e “fora Alckmin”. Um senhor disse: “Se Aécio acha que isso aqui vai cair no colo dele, está muito enganado”.

Após as vaias, deixaram o local com menos de meia hora. Aécio Neves foi delatado por cinco pessoas que já prestaram depoimentos na Operação Lava Jato.

Aécio consegue reunir 6 mil manifestantes “em casa”

O senador e pré-candidato a presidência Aécio Neves (PSDB-MG) não teve a força que queria das manifestações contra a presidente Dilma em sua casa. A terceira manifestação do ano contra o governo em Belo Horizonte foi marcada pela tranquilidade. De acordo com a Polícia Militar, cerca de 6 mil pessoas passaram na manhã deste domingo pela Praça da Liberdade, Centro-sul da capital.

A novidade no protesto de hoje foi a presença do próprio Aécio Neves, que passou pelo evento. Nas outras edições ele não havia participado. Além de pedir a saída de Dilma do Palácio do Planalto, os manifestantes usaram palavras de ordem como “fora PT” e cartazes contra a administração do governador Fernando Pimentel (PT). Algumas pessoas também defendiam a intervenção militar.

Manifestação em defesa da democracia toma conta das ruas de São Luís

Ato pró-Dilma

Assim como outras 22 capitais, São Luís teve manifestação em defesa da democracia nesta sexta-feira (13). Cerca de duas mil pessoas participaram do protesto em favor do mandato constitucional da presidente Dilma Rousseff, pelo fim do financiamento empresarial das campanhas eleitorais e em defesa da Petrobrás contra a corrupção.

A manifestação foi convocada pelas Centrais Sindicais CTB, CUT, Nova Central Sindical e UGT, além de entidades como a UNE,  UBES e Movimento por Moradia Popular, e contou com a participação de militantes de partidos como o PCdoB, PT e PDT. A concentração teve início na Praça João Lisboa, no centro, e em seguida os participantes se deslocaram para a Rua Grande, onde fizeram caminhada, recebendo ampla adesão dos populares que ali se encontravam.
protestosaoluis
Portando bandeiras, faixas e cartazes, os militantes do PCdoB distribuíram nota do partido, em que defende o mandato constitucional da presidente Dilma Rousseff. “Saímos às ruas para reafirmar nossa confiança e nosso apoio àquela que foi eleita pela população brasileira para governar o país”, disse o vice-presidente do PCdoB, Egberto Magno, para quem “as elites conservadoras querem golpear a vontade do povo”. O Partido também denuncia a tentativa desses setores em depreciar a Petrobrás com a finalidade de privatizá-la, entregando-a ao capital estrangeiro. O PCdoB acredita que, somente com uma reforma política que acabe com o financiamento empresarial das campanhas, será possível pôr fim à corrupção no país.
Ao final da manifestação, representantes das diversas entidades fizeram discurso reafirmando as propostas defendidas durante o percurso do ato.

São Luís terá “Marcha contra a corrupção” neste sábado

De O Imparcial

Estudante Helen Marques diz que grupo quer recuperar o espírito das caras-pintadas

Estudante Helen Marques diz que grupo quer recuperar o espírito das caras-pintadas

Cansados das notícias de corrupção envolvendo membros de governos e parlamentares, um grupo de cidadãos da capital está organizando a “Marcha contra a Corrupção”, que acontecerá nesta sábado (15), a partir das 15 horas, com concentração na Praça dos Pescadores, na Avenida Litorânea.

O movimento segue uma tendência nacional que está puxando em todo o território nacional para este sábado, dia em que se comemora 152 anos de Proclamação da República e segundo a organização, a ideia é manter a discussão em torno da eficiência do governo acesso, mesmo depois das eleições presidenciais.

“Queremos lembrar para as pessoas que temos voz e que podemos exercer a cidadania ao nos manifestarmos contra os casos de corrução que a imprensa tem noticiado. Estamos resgatando o espírito de 1992 quando os “cara-pintadas”, ajudaram no impeachment do então presidente da República Fernando Collor de Melo pelo mesmo motivo”, afirmou a estudante Helen Marques, que é uma das lideranças do movimento na capital maranhense.

Antes da manifestação, os organizadores do movimento estão prevendo que seja realizada uma oficina de cartazes e outra de pintura de rostos. A estudante também afirmou que a organização está convocando os manifestantes a usar roupas nas cores verde e amarelo, durante a manifestação.

“Queremos mostrar o orgulho de ser brasileiro e nordestino, apesar do que tem sido revelado. Acreditamos que ainda podemos reverter esta situação e salvar o país da corrupção”, comentou Helen.

O movimento irá se repetir em outras cidades de todas as regiões brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza, Palmas, Teresina, Manaus, Belo Horizonte, Porto Alegre, Salvador, Goiânia, Vitória, Natal, Aracaju, Campinas, Caxias do Sul, Londrina e outros. “O movimento é nacional”, finalizou Helen.

Protesto de aprovados em concursos para o trânsito e termina em confronto

Aprovados em concursos fizeram manifestação e houve confronto com a polícia

Aprovados em concursos fizeram manifestação e houve confronto com a polícia

Exigindo a nomeação, cerca de 200 aprovados em concursos público no Maranhão, protestaram exigindo nomeação (alguns até classificados dentro das vagas dos certames). Eles foram aprovados nos concursos do Tribunal de Justiça, Detran-MA, Assembleia Legislativa e Polícia Militar.

O protesto intitulado “Aprovados, Vem pra Rua”, fechou a cabeceira da ponte do São Francisco, na Avenida Beira-Mar, o que causou grande engarrafamento. Por conta disso, a tropa de Choque da Polícia Militar entrou em confronto com os manifestantes.

Bombas de efeito moral e spray de pimenta foram utilizadas. Pelo menos três pessoas desmaiaram durante o confronto. Os feridos foram levados para o Socorrão I, mas nenhum com maior gravidade.

Os manifestantes reclamam que  existem pessoas com contrato precário nos órgãos enquanto os aprovados não são chamados.

Protesto absurdo de meia dúzia em frente à casa do prefeito

Equivocado protesto: confusão entre administração e vida privada

Equivocado protesto: confusão entre administração e vida privada

Meia dúzia de sindicalistas do Sindicato dos professores colocou em xeque a credibilidade da greve dos professores da rede municipal de ensino. O pequeno grupo com um carro de som começou a fazer barulho na porta do prédio onde mora o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC) às 6h.

Além de confundir o lado pessoal com o administrativo, o pequeno grupo causa incômodo a quem nada tem a ver com isto. O pequeno grupo parece revoltado pela declaração da ilegalidade da greve. Então se a insatisfação é contra a prefeitura e o Judiciário, que se proteste em frente ao Palácio de La Ravardiére e em frente ao Tribunal de Justiça, que por sinal, ficam na mesma praça.

Câmara Municipal

Professores no local correto de discussões o problema: Câmara municipal

Professores no local correto de discussões o problema: Câmara municipal

Depois, um grupo de professores fez a manifestação em local mais apropriado que é na casa do povo. Estão neste momento em protesto em frente à Câmara Municipal de São Luís. O parlamento está fechado em virtude da manifestação. Um grupo de vereadores está reunido com o presidente da Assembleia, deputado Arnaldo Melo (PMDB) discutindo a parceria na TV Assembleia.