João Alberto ignora denúncia de Pastor Bel sobre ladrões no Senado e deve investigar petistas por discursos

O senador 90% honesto presidente da Comissão de Ética do Senado, João Alberto, tem se notabilizado por decisões pra lá de controversa sobre quem deve ser investigado e quem deve ter denúncia ignorada. Depois da vergonha de não abrir procedimento para investigar o senador Aécio Neves, flagrado em conversa telefônica pedindo R$ 2 milhões ao dono da JBS, Joesley Batista, Carcará sempre volta a mira da comissão para senadores de esquerda.

O senador José Medeiros (Pode-MT) protocolou nesta quinta-feira (8) duas denúncias no Conselho de Ética do Senado. Uma é contra a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidente nacional do PT, e a outra, contra o líder do PT na Casa, Lindbergh Farias (RJ).

As denúncias são por suposta prática de incitação ao crime e de apologia ao crime por parte dos petistas durante seus discursos de defesa do ex-presidente Lula quando julgado pelo TRF4.

Caberá ao presidente do Conselho de Ética, João Alberto, arquivar ou dar andamento à denúncia. Ele deve encaminhar as denúncias à Advocacia do Senado para obter pareceres técnicos sobre as acusações e, então, decidir o que fazer. Mas pelas últimas decisões, João Alberto deve abrir procedimento.

Enquanto o Conselho de Ética de ocupar disto, não dá a mínima para o que disse o suplente do senador Edison Lobão, Pastor Bel, que afirmou que alguns dos seus colegam “deveriam estar presos”. Bel não nomeou quem são os ladrões do senado, mas deveria ser chamado pelo Conselho para declinar os nomes e dizer quais foram suas práticas criminosas.

Até porque um dos senadores que mais responde a processos e é alvo principal das investigações do Petrolão é o titular do mandato de Pastor Bel, Edison Lobão. Talvez por isto João Alberto faça vista grossa.

Anúncio de Flávio pró-Weverton faz outros pré-candidatos se movimentarem

O anúncio feito pelo governador Flávio Dino (PCdoB) na última sexta-feira (1º), de que apoia o pré-candidato a senador Weverton Rocha fez com que o tabuleiro da formação da chapa esquentasse. Com o reforço do governador, a pré-candidatura de Weverton tende a crescer. Caso o efeito se confirme e o pedetista confirme uma das vagas, restaria apenas a briga pela segunda vaga na chapa.

O deputado federal Zé Reinaldo Tavares (praticamente certo no DEM) tem como trunfo o apoio do partido que é forte nacionalmente e tem tempo de televisão. Esteve no Maranhão o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, e ajudou a dar pressão pela candidatura de Zé Reinaldo.

Além do reforço do peso político de Maia, Reinaldo tem a seu favor o apoio do presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (FAMEM), o que pode significar apoio de um número considerável de prefeitos.

A deputada federal Eliziane Gama confirmou que tem o controle do PPS e que as articulações com o partido passam por sua mão. Além de ser oficiaizada em mais um mandato na presidência do partido, Eliziane emplacou pessoas de sua confiança nos principais cargos da Executiva estadual. Valdêncio Caminha passou a ser vice-presidente e Gleidson Brito o secretário-geral. Eliziane já tem a seu favor o fato de liderar todas as pesquisas de intenção de votos para o Senado.

Waldir Maranhão gerou fatos, mas ainda não demonstra um peso partidário. Waldir é filiado ao Avante e parece ter controle do partido, sendo o presidente no Maranhão o prefeito de Pinheiro, Luciano Genésio. Mas secretário-geral da Executiva Nacional do PTB, deputado federal Campos Machado, anunciou que Waldir acertou a filiação ao PTB para ser candidato a Senador pela legenda.

Mas Waldir continua flertando com o PT, desejando ter o peso de um possível apoio de Lula para ser senador pelo Maranhão, onde o petista lidera as pesquisas para a presidência da República de forma esmagadora. Waldir participou neste domingo (3) de vento da juventude do PT maranhense em Brasília.

Lobão e Zé Reinaldo lideram pesquisa para o Senado em Caxias

Blog Marrapá – Pesquisa do Instituto Mérita realizada em Caxias avaliou o cenário para as duas vagas ao Senado que serão disputadas nas eleições do próximo ano. O resulto apontou a liderança do senador Edison Lobão (PMDB) e do deputado federal Zé Reinaldo (PSB).

O levantamento pediu aos entrevistados para citarem até dois  candidatos, como ocorrerá no pleito. Lobão foi o mais lembrado por 22,29%, seguido de Zé Reinaldo, com 18,34%. Em terceiro aparece o ministro do Meio Ambiente Sarney Filho (PV), com 11,83%; Na sequência estão os deputados federais Waldir Maranhão (Avante), 8,28%; Weverton Rocha, 7,30% e Eliziane Gama, com 5,72%. A opção não sabe/não opinou marcou 27,02% e nenhum destes, 3,75%.

No item rejeição, 28,40% disseram que não votariam de jeito nenhum em Sarney Filho; 20,17% rejeitam Lobão e 12,03% não querem Waldir Maranhão. Zé Reinaldo marcou 11,64% e Eliziane Gama foi citada por 9,86%. O menos rejeitado é o Weverton Rocha, citado por 8,88% dos entrevistados. Não sabe/não opinou 28,40% e nenhum destes, 2,96%.

O Mérita ouviu 507 eleitores entre os dias 10 a 13 deste mês, a margem de erro é de 4,34% pontos percentuais para mais ou para menos com grau de contabilidade de 95%

João Alberto arquiva mais uma denúncia contra Aécio

UOL – O senador João Alberto Souza (PMDB-MA), presidente do Conselho de Ética do Senado, arquivou nesta terça-feira (24) o segundo pedido de abertura de procedimento disciplinar contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG). Em nota, sua assessoria de imprensa informou que ele seguiu recomendação da Advocacia-Geral da Casa.

A petição foi apresentada no dia 28 de setembro pelo PT, que pode recorrer da decisão ao plenário do conselho. Para isso, no entanto, o requerimento precisa ser assinado por pelo menos cinco membros do colegiado.

O pedido de abertura de processo contra o tucano pede que seja verificado se ele quebrou o decoro parlamentar.

Na nota, João Alberto Souza diz que cumpriu todos os prazos e que sua decisão foi tomada no primeiro dos cinco dias previstos pelo regimento do Senado a partir do parecer da Advocacia.

Em junho, o peemedebista arquivou também o primeiro processo, apresentado pela Rede e pelo PSOL. A decisão foi confirmada pelo plenário do conselho duas semanas depois, por 11 votos a 4.

Aécio foi afastado do mandato por decisão 1ª Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) no dia 26 do mês passado, mas há uma semana o Senado decidiu descumprir a determinação e vetar as medidas aplicadas aplicadas contra ele.

Em nota, a defesa de Aécio comemorou a decisão. “A defesa do senador Aécio Neves reitera a absoluta correção de sua conduta. As investigações demonstrarão que os recursos citados referem-se a um empréstimo entre privados que não envolveu dinheiro público ou qualquer contrapartida. Portanto, não houve crime ou quebra de decoro.”

Liderando todas as pesquisas, Eliziane é nome praticamente certo na disputa pelo Senado

A deputada federal Eliziane Gama tem números que impressionam governistas e sarneystas na disputa pelo Senado Federal. E é um poderio eleitoral que não deve ser desprezado.

Na formação da chapa de Flávio Dino, existe um grande paleo pela montagem com nomes mais jovens e a presença de mulher. A única com o perfil é justamente Eliziane, que além de agregar estes fatores, é a mais forte eleitoralmente. Seria um complemente perfeito para a chapa do comunista.

 A popular-socialista na recente pesquisa DataIlha aparece liderando com 19% de intenções de voto nos maiores colégios eleitorais do Maranhão. Uma grande distância para o segundo colocado Sarney filho (PV), com 10%.

Entre os governistas, a vantagem de Eliziane é ainda maior. Weverton Rocha, Zé Reinaldo Tavares e Waldir Maranhão aparecem apenas com 7%.

Nas pesquisas do grupo Sarney, fizeram questão de esconder os números de Eliziane, que fica à frente até de Roseana Sarney para o Senado.

É um capital muito poderoso que o governador não irá desprezar.

Um dia após lançar candidatura de Roseana, Jucá tem sigilo de denúncia por corrupção quebrado

Um dia depois de lançar a candidatura de Roseana Sarney ao governo do Maranhão, o presidente do PMDB, senador Romero Jucá, viu o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), retirar o sigilo da denúncia contra ele e contra o empresário Jorge Gerdau, presidente do Conselho de Administração do Grupo Gerdau.

Os dois foram denunciados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por corrupção passiva e ativa e por lavagem de dinheiro.

A denúncia refere-se a crimes na Operação Zelotes, que apura fraudes no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), o tribunal de recursos da Receita Federal.

As investigações da Polícia Federal apontam que em 2013, enquanto líder do governo no Senado, Jucá teria alterado uma medida provisória para beneficiar o grupo Gerdau. À época, o senador era relator de proposta que mudava a tributação sobre o lucro de empresas brasileiras fora do país.

Ontem, Jucá declarou que “com a amiga, ex-governadora, ex-senadora, grande figura humana que é Roseana Sarney, que precisa voltar para dar esperança novamente à população com toda a experiência que ela tem. Nós estaremos unidos, todo o PMDB nacional, apoiando as ações da Roseana aí na eleição e depois no governo”.

Roseana anda mal de companheiros de partido…

Pra ficar contra Dino, Rocha se alia até a Renan e critica a Lava Jato

Dois dias após o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Félix Fisher, atender pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) e inocentar o governador Flávio Dino (PCdoB), o senador Roberto Rocha (PSB) fez um aparte ao discurso do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) no Congresso Nacional para criticar a Operação Lava Jato e a decisão do procurador-geral Rodrigo Janot, que encerrou qualquer suspeita contra Dino.

“O governador do Maranhão foi denunciado, e, ontem, o procurador-geral da República pediu o arquivamento da sua denúncia”, disse o parlamentar maranhense.

Rocha, que chegou ao Senado escorado na chapa vitoriosa de Flávio Dino em 2014, rompeu com o atual governador um ano após ter assumido o cargo, e no ano passado declarou ter interesse em disputar o governo do Estado contra Dino em 2018.

Rival confesso do governador, uma investigação contra Dino no STJ seria uma das “armas” de Roberto Rocha para tentar depreciar a campanha de reeleição do comunista no próximo ano.

No Senado, Renan Calheiros criticou as decisões de Janot com a tese de que o procurador-geral da República age “com dois pesos e duas medidas” nas denúncias contra envolvidos na Lava Jato. A ira do peemedebista contra Janot não é à toa: Calheiros foi denunciado pela PGR ao Supremo Tribunal Federal na última sexta-feira (25), acusado de corrupção passiva e lavagem em esquema de recebimento de propina oriunda de contratos da Transpetro.

Ao entrar em sintonia com a narrativa de Renan, Roberto Rocha, também conhecido como “Asa de Avião”, dá sinais de que topará qualquer aliança para 2018 para tentar derrubar o opositor Dino nas próximas eleições. Mas a missão de Rocha é difícil. Ele não conta com apoio do próprio partido para o seu projeto eleitoral em 2018 e amarga alta rejeição popular entre os maranhenses.

A única saída possível para a candidatura de Rocha é uma aliança com o grupo Sarney e com o governo de Michel Temer (PMDB). No entanto, ventila-se uma possível candidatura de Roseana Sarney (PMDB). Caso isso ocorra, o senador Asa de Avião pode ver seu sonho de governar o Maranhão ainda mais distante da realidade.

Lobão tenta “ressuscitar” financiamento empresarial de campanha eleitoral

Da Veja – Senadores favoráveis ao retorno do financiamento empresarial de campanhas eleitorais se articulam nesta semana para acelerar a apreciação do tema na Casa. O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), senador Edison Lobão (PMDB-MA), deve nomear nos próximos dias um relator para a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 113C/2015, uma das alternativas para ressuscitar a possibilidade de empresas doarem dinheiro para partidos políticos.

O financiamento privado de campanhas eleitorais está proibido desde 2015 por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Os deputados tentaram “ressuscitá-lo” no mesmo ano, na votação da minirreforma eleitoral (lei 13.165), mas a então presidente Dilma Rousseff (PT) vetou o artigo que tratava do assunto. O texto da PEC 113C/2015 foi aprovado então pela Câmara, ainda em 2015, e agora precisa passar por duas votações no plenário do Senado.

Enquanto o Senado discute a volta do dinheiro privado em eleições, a Câmara agendou para esta terça-feira, 22, a votação em plenário da criação de um fundo eleitoral abastecido com verbas públicas. Inicialmente estimado em R$ 3,6 bilhões, o fundo público pode passar na primeira votação sem um valor global estabelecido e sem as fontes para custeá-lo determinadas. Os deputados querem postergar para a Lei Orçamentária Anual a discussão sobre o montante e as fontes do fundo, algo que desagrada à cúpula do Senado, como forma de facilitar a aprovação e escapar das críticas da opinião pública.

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), quer esperar a decisão final da Câmara, mas os parlamentares que defendem a retomada das doações por empresas têm pressa. “Vamos, sim, fazer uma articulação no colégio de líderes para promover um acordo e examinar isso com celeridade na CCJ. Tenho total disposição de fazer com que prospere rapidamente, por causa do tempo”, disse o senador Armando Monteiro (PTB-PE), integrante da comissão. “Há um ambiente que pode fazer com que essa coisa ganhe adesão expressiva, na medida em que se percebeu a reação ao fundo público.”

João Alberto inocenta Aécio e aceita denúncia contra senadoras que protestaram

As duas faces de Carcará: para senadoras que protestaram, condenação; para senador flagrado em corrupção ativa, benevolência

A cara de pau do Senador João Alberto vai além do que podemos compreender. Carcará admitiu aceitar denúncia em desfavor das seis senadoras que na terça-feira (11) ocuparam a Mesa do Plenário durante a sessão em que foi votada a reforma trabalhista.

O documento, protocolado na terça-feira pelo senador José Medeiros (PSD-MT) e mais 14 senadores, pede a abertura de processo disciplinar contra as senadoras Angela Portela (PDT-RR), Fátima Bezerra (PT-RN), Lídice da Mata (PSB-BA), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Regina Sousa (PT-PI).

As senadoras ocuparam a Mesa Diretora para impedir a votação da reforma trabalhista.

“Os fatos foram à vista de todos e foi uma situação inusitada. Estavam, se não me falha a memória, 79 senadores assistindo àquele quadro horrível de quebra de ética e decoro parlamentar em pleno Plenário do Senado Federal. Assim sendo, eu tive que acolher a denúncia e estou fazendo as tratativas para encontrar um dia propício para a reunião do conselho”, disse João Alberto.

Há três semanas, Carcará decidiu arquivar a representação contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) que foi grampeado pedindo R$ 2 milhões para o dono da JBS, Joesley Batista, e ainda afirmando que deveria escolher alguém que pudessem matar antes de fazer delação para receber o dinheiro.

O dinheiro seria para pagar advogados, mas a PGR comprovou que advogado nenhum foi pago com esse dinheiro.

Roberto Rocha é contra a Lava Jato?

Roberto Rocha ao lado de Lobão durante sabatina de Raquel Dogde

Durante sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado que analisou a indicação da subprocuradora Raquel Dodge para a chefia do Ministério Público Federal, o senador maranhense Roberto Rocha (PSB), relator da indicação, fez uma série de perguntas tendenciosas para a nova procuradora-geral da República.

O senador Asa de Avião, como é conhecido, questionou a imunidade penal concedida a delatores, em referência clara a Joesley Batista, empresário do grupo JBS, que teve direito ao benefício após ter sido o pivô das denúncias de corrupção contra o presidente Michel Temer (PMDB).

Rocha queria levantar para a nova procuradora-geral de República cortar. Dodge foi escolhida pelo governo Temer justamente para afundar a Lava Jato, que já vem sofrendo revezes com a diluição, pelo governo Temer, do núcleo de atuação da Polícia Federal.

Raquel Dodge disse que já fez uso do mecanismo em investigações antigas e não vê problema algum em negociar prêmios com criminosos que decidem colaborar com a Justiça. Mas defendeu que a imunidade penal não pode ser usada em “benefício de chefes de organizações criminosas”.

Apoiadores de Temer, como é o caso de Roberto Rocha, na tentativa de reverter as graves acusações contra o presidente, vêm alegando que Batista não poderia fazer acordo de delação porque seria o chefe da organização criminosa que denunciou.

Entretanto, o atual procurador-geral Rodrigo Janot já deixou claro que para ele o chefe da organização criminosa seria na verdade Temer.

Segundas intenções

Rocha, que vem seguindo à risca todas as manobras do esfacelado governo Temer, como por exemplo, votar a favor da Reforma Trabalhista, é contra a Lava Jato e contra as denúncias contra Temer.

Até a crise com o presidente estourar, Rocha seguia as diretrizes de Temer, sendo reconhecido como um dos principais apoiadores da gestão do pmdebista no Senado.

A intenção de Rocha em manter Temer na Presidência é simples: solitário e esquecido no Maranhão, Rocha espera contar pelo menos com o apoio de Temer na sua candidatura ao governo do Maranhão em 2018, quando ele terá que enfrentar a boa popularidade, do homem que o alçou ao cargo de senador em 2014, o atual governador Flávio Dino (PCdoB), reconhecido na atualidade como um dos melhores quadros políticos do país.