E que venha a CPI de Pedrinhas!

roseanapedrinhas

Já que Adriano Sarney e Andrea Murad têm dito que não tem problema investigar as mazelas do sistema carcerário do Maranhão desde 2013, podemos contar de que o ano de 2016 começará com uma Comissão Parlamentar de Inquérito sendo instalada na Assembleia Legislativa do Maranhão.

O sobrinho da ex-governadora Roseana Sarney foi o primeiro a propor uma CPI para investigar o sistema carcerária no Maranhão, sob o pretexto de investigar um tal acordo entre o governo atual e facções criminosas. Mas como fazer uma CPI para investigar uma tese sem nenhuma substância e não investigar algo real, com fatos inequívocos como decapitações, fugas cinematográficas, rebeliões e até possível canibalismo dentro do sistema carcerário do estado?

Então, se existe alguma coisa para se investigar em Pedrinhas, deve ser investigado desde 2013. É o que defende a maioria dos deputados da Assembleia. E a partir daí, logicamente que se tiver acordo do governo com facções será descoberto. Mas certamente será passado a limpo o período negro do Complexo Penitenciário.

Já que todos concordam, que venha a CPI!

Todo apoio à iniciativa de Adriano Sarney: CPI para investigar mazelas de Pedrinhas!

adrianoO deputado Adriano Sarney (PV) disse que irá pedir a abertura de uma CPI na Assembleia Legislativa. E o objeto da investigação passa justamente pela penitenciária de Pedrinhas. Neste caso é louvável a iniciativa do deputado. É bom que seja feita uma investigação sobre tudo que ocorreu dentro daquele Complexo que envergonhou o Maranhão diante do mundo.

A Assembleia Legislativa deve corrigir o erro histórico de até hoje não ter investigado todas as mazelas de decapitações, rebeliões, fugas cinematográficas e desvios nas verbas de obras para construções e reformas de presídios. Isto é roteiro mais do que suficiente para investigação.

roseanapedrinhasFoi preciso a CPI do Sistema Carcerário da Câmara Federal produzir alguma coisa em relação à Pedrinhas, enquanto a Assembleia Legislativa do Maranhão permaneceu inócua. Pode aproveitar agora o desejo de investigação do deputado do PV para investigar tudo que ocorreu lá entre 2013 e 2014. E que se investigue 2015 também se ainda tem algum problema no sistema ou o tal acordo que sugere o deputado Adriano.

É a grande oportunidade de se tirar a limpo um dos momentos de maior exposição negativa do Estado.

Pauta vencida: suposto racismo de Ivaldo Rodrigues já foi explicado

ivaldorodriguesMais uma vez atrasado, o deputado Adriano Sarney (PV), criticou o vereador Ivaldo Rodrigues (PDT) por ter sido supostamente racista ao falar que a vereadora Rose Sales (PV) em um vídeo que circula nas redes sociais. O vereador disse que Rose era medíocre e afirmando que esta condição estaria em seu gene e no dos antepassados.

O assunto já foi amplamente debatido na Câmara Municipal na segunda-feira (16) e a própria vereadora reconheceu e afirmou que ela nunca havia rotulado Ivaldo como racista. Durante sua explanação, Ivaldo pediu desculpas a Rose se foi mal interpretado e explicou que quando falou de gene e antepassado se referia ao gene político de Rose, uma vez que é público e notório que o pai de Rose, Hugo Reis, era um político com ligações intrínsecas com a família Sarney.

“Tenho respeito pela sua luta e sua história. Temos nossas divergências e defendemos o que acreditamos. Em nenhum momento é por Vossa excelência ser negra ou mulher. Quando eu falei de gene, eu falei de gene político, pelo fato da senhora ser contra a família Sarney e depois estar em um partido da família Sarney. Em nenhum momento quis denegrir Vossa Excelência por ser negra. Espero que nossa divergência continue no âmbito das ideias. Quero uma cidade melhor para todos: homens, mulheres, prostitutas, gays, todos”, afirmou Ivaldo em discurso na segunda-feira.

Rose Sales dá passo importante para ser candidata a prefeita

rosesalespvA vereadora Rose Sales (PV) deu um passo importante para de fato disputar a prefeitura de São Luís nas eleições de 2016. O Partido Verde cedeu à vereadora o comando da Executiva Municipal da legenda. Desta forma, Sarney Filho demonstra que está disposto mesmo a permitir a candidatura da vereadora pela legenda.

Nem no PCdoB, nem no PP, Rose conseguiu o controle do diretório municipal. Agora, Sarney Filho e Adriano Sarney fazem um gesto para mostrar que querem Rose como candidata da Ala de Zequinha. Eles ainda deram quase todos os cargos na Executiva a pessoas de confiança de Rose.

“Rose Sales saiu na frente (com o PV) na corrida à Prefeitura, enquanto outros partidos ainda nem definiram um pré-candidato. Além de Rose Sales, possivelmente só o próprio prefeito de São Luís é candidato à reeleição”, disse Adriano Sarney.

Mas, da mesma forma que Rose, Eliziane tem seu partido sob controle, e isto não é certeza de candidatura. Rose deu um passo muito importante neste final de semana. Mas até abril, ou até julho, muita coisa pode acontecer.

Política maranhense em notas

Tapetão do Conselho Tutelar

20151019_105930_resizedDesde ontem, a discussão tem sido intensa na Câmara Municipal de São Luís por uma anulação parcial ou integral da eleição dos Conselhos Tutelares, realizada no último dia 4. Candidatos derrotados têm feito pressão na galeria da Câmara pedindo a anulação do pleito. Os vereadores que não conseguiram eleger candidatos que apoiavam incentivam o protesto, como o vereador Manoel Rego (PTdoB), que pede uma nova eleição. Pereirinha (PSL) alfinetou o colega: “o problema é que o Nato [vereador do PRP] elegeu quatro conselheiros na área do Manoel Rego”. A briga deve continuar.

Vereadores sem partido

Vereador Ricardo Diniz

Com o aumento do prazo de filiação partidária para quem vai concorrer às eleições do próximo ano, vereadores que estavam desesperados atrás de novas legendas respiram mais aliviados e ganharam mais tempo para nova filiação. Dos que correram para trocar no início de outubro, dois ainda estão sem legenda. Estevão Aragão (ex-SD) e Ricardo Diniz (ex-PHS) estão sem legenda e esperam a movimentação até abril para definir o futuro partidário. Chaguinhas, que permanece no PSB, não tem intenção de continuar na legenda.

Greve e concessões  

greveassembleiaA Assembleia Legislativa já atendeu parcialmente a pauta de reivindicações do Sindicato dos Servidores da Casa, que entraram em greve nesta segunda-feira (19). De acordo com a Diretoria de Comunicação do Parlamento, já foi concedido aumento salarial em mais de 10%, reajuste do valor do ticket de alimentação em 25%, além de triplicar a verba de gratificação por qualificação. “O mais importante foi dado: aumento dos salários, dos tickets e da gratificação por função qualificada. Portanto, não se justifica em nosso entender nenhum tipo de manifestação que impeça o direito de ir e vir dos funcionários da Casa, dos deputados e dos visitantes”, acentuou o diretor Carlos Alberto Ferreira.

Após quase 10 meses

adrianoO deputado Adriano Sarney (PV), quase 10 meses após ser retirado da Comissão de Constituição e Justiça, resolveu reagir e anunciar que entrará na Justiça por ter sido excluído. O deputado disse que esperou todo esse tempo uma resposta de uma Questão de Ordem que havia impetrado e nunca houve manifestação. Ele foi substituído por não integrar mais o Bloco que lhe dava direito à indicação. Na interpretação do Regimento Interno do Verde, mesmo com a mudança, não poderia ter sido mudada a comissão.

Patacoada deve derrubar assessora da SSP

A chefe da assessoria de comunicação da Secretaria de Segurança Pública do Estado, Josilma Bogéa, não deve permanecer no cargo. O Blog apurou que a patacoada de informações sobre a prisão de jovens em uma festa no domingo, deve marcar a saída da assessora do cargo. A Polícia fez uma batida em festa na Avenida da Santos Dumont, mesmo local onde foram presos integrantes do “Bonde dos 40” em dezembro de 2014. Pelo local suspeito e com uma denúncia, a Polícia deteve os jovens, fez a averiguação e em seguida os liberou. Normal. Acontece que a assessora mandou nota para a Secom falando da “festa da facção criminosa”. Enquanto a Secom ainda a estava avaliando e apurando, a assessora também enviou as informações à Mirante, que divulgou em seus meios de comunicação a prisão dos membros da “facção criminosa”. O que gerou uma crise entre membros da cúpula da Segurança.

Peripécias de um diretor

O governador Flávio Dino tem que ficar de olhos bem abertos com um certo diretor de órgão estadual, que anda usando o nome do governador sem autorização em conversas com empresários. E pelo que o Blog está apurando, as conversas não parecem ser muito republicanas. É um palhaço, mesmo!

Marco Aurélio enquadra Adriano Sarney e deputados batem boca

Marco Aurélio responde serenamente aos bravejos de Adriano Sarney

Marco Aurélio responde serenamente aos bravejos de Adriano Sarney

O deputado Adriano Sarney tentou colocar os deputados em saia justa por conta de seu factoide sobre reforço nacional no Maranhão, á que os deputados votaram contra a medida.

Marco Aurélio então foi duro na tribuna contra o neto de Sarney. Falou que existe diferença entre conteúdo e forma. Já que os deputados da base governista concordam que o estado precisa de mais policiais, mas não aceitaram a forma politiqueira como Adriano expôs o tema. “Vocês deixaram o estado com os piores índices de policiais. Aí, você ‘há, mas eu não era deputado. Era só pedir, – titia, ponha mais policiais na cidade. Vovô, ajuda o Maranhão – argumentou.

Marco Aurélio lembrou a falta de legitimidade de Adriano, uma vez que foi o seu grupo político que deixou o Estado com os piores índices de policiais do país. Adriano ficou insistindo que agora a responsabilidade é do atual governo e se esquivou da responsabilidade de seu grupo.

Afunda factoide de Adriano Sarney sobre intervenção federal no Maranhão

Blog do Jorge Vieira

adrianoNão vingou o factoide criado pelo deputado Adriano Sarney (PV) em torno de um requerimento no qual solicitava intervenção federal no Maranhão. A iniciativa do mais legítimo representante do que restou da oligarquia Sarney, segundo o líder do governo, deputado Rogério Cafeteira teria por finalidade apenas produzir manchete para o jornal O Estado do Maranhão.

Sem argumentos para fundamentar o pedido, Adriano Sarney, em discurso na tribuna, recuou no factoide que pretendia criar ao apresentar requerimento solicitando que a presidente Dilma Rousseff  decretasse intervenção federal no Maranhão por conta de um suposto caos na sistema de segurança do Estado.

Antes mesmo de solicitar uma questão de ordem para anunciar que estava retirando o requerimento, a Mesa Diretora da Casa já havia mandado arquivar em função de rejeição por absoluta falta de fundamentação que justificasse incomodar a presidente Dilma com tal pedido estapafúrdio.

A iniciativa do parlamentar foi apenas mais uma estratégia para disseminar o medo, conforme definiu o líder do governo. Ele apresentou dados que provam não haver menor situação de descontrole no Sistema de Segurança, conforme vem divulgando os veículos de comunicação do Sistema Mirante de Comunicação.

Continue lendo aqui.

Política maranhense em notas

Benefícios da conta de luz permanecem

luzEm nota, o governo do estado afirmou que todos os beneficiários do programa Viva Luz permanecerão contemplados com o pagamento da conta de energia elétrica subsidiados pelo Governo Federal. É a União quem banca 65% da conta das famílias de baixa renda. A única mudança na realidade é que os recursos R$ 25 milhões antes destinados ao Programa “Viva Luz” serão remanejados do Fundo Maranhense de Combate à Pobreza (Fumacop) para a manutenção do programa “Mais Bolsa Família Escola”, que atenderá às famílias de mais de 1.200.000 estudantes maranhenses para a compra de material escolar.

Adriano Sarney saiu mal

braideadrianoO pedido de intervenção federal no Maranhão e até a menção de impeachment do governador Flávio Dino pegaram muito mal pra o deputado Adriano Sarney, que acabou constrangido pelas contradições entre o discurso e a prática de seu grupo político. Eduardo Braide demonstrou na Constituição a total falta de cabimento para intervenção no estado, já que a previsão de “grave comprometimento da ordem pública” não se aplica. Braide alertou que o povo do Maranhão espera ideias positivas da conduta da Assembleia. “Vamos dar as mãos e apresentar boas ideias que venham ao encontro do anseio da população, independente de grupo político”, afirmou.

Comparação com o ano passado

violenciamaranhaoroseanaJá que Adriano Sarney comparou a situação de segurança atual com a do ano passado – e ainda disse que pediria a intervenção federal no governo da tia – vale lembrar que no mesmo período do ano passado uma criança foi queimada em um ônibus, cabeças eram cortadas dentro de Pedrinhas, ônibus eram queimados quase diariamente. A violência continua grande na capital e não se pode negar. Mas além da situação não ser de total caos como no ano passado, o governo está mostrando a atitude que faltou no ano passado. Convocou mais 1.500 excedentes da Polícia, 20 novos delegados, 68 agentes da Polícia Civil e modificou a Lei para que veículos roubados apreendidos sejam utilizados pela polícia para combater a criminalidade. O problema existe e o alento é que o governo parece estar reconhecendo e fazendo algo para mudar a realidade.

Brandão na marcha dos prefeitos

carlosbrandaoRepresentando o governador Flávio Dino, o vice-governador Carlos Brandão estará na capital federal, nesta quarta-feira (27), para participar da “XVIII Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios: Pacto Federativo – Esperança de Vida aos Municípios”. A expectativa é a de que 72 prefeitos do Maranhão estejam presentes no evento, que tem como foco as discussões sobre a governança nos municípios e estados. Para ambos, a reformulação do modelo federativo é uma eficaz saída, sobretudo no que diz respeito à destinação de mais tributos constitucionais a eles distribuídos. A proibição da criação de despesas para os entes federados sem previsão de fonte de recursos, a liberação da contratação de financiamentos e uma maior participação da União na saúde e na segurança pública serão outros pontos em comum no debate.

A grande rede de notícias falsas

boatosO programa da Ana Maria Braga, na rede Globo, trouxe uma reportagem muito interessante nesta terça-feira (26) sobre os impactos de notícias falsas que são espalhadas nas redes sociais, destruindo reputações e vidas de inocentes. Aqui no Maranhão, até a imprensa é comumente contaminada com falsas informações que chegam pelo famigerado Whatsapp na pressa de publicar algo. Ontem, circulou no aplicativo a “notícia” de policial que matou a mulher e se suicidou no Cohatrac. O fato ocorreu no Estado de Rondônia. Hoje, rapidamente se espalhou a “notícia” da morte do mestre Apolônio, que se encontra internado e teve inclusive reagiu bem à medicação. Até a Câmara Municipal prestou um minuto de silêncio. Com a facilidade de receber “informações” na rede social, a responsabilidade de checar é cada vez maior. Por isto, este Blog não disponibiliza o número do Whatsapp na página.

Parceria TV Assembleia e Câmara Federal

parceriacomunicacaoO diretor de Comunicação da Assembleia Legislativa, Carlos Alberto Ferreira, reuniu-se na última quinta-feira (21), em Brasília, com o diretor de Comunicação da Câmara Federal, deputado Cléber Verde (PRB), para acertar a parceria entre as duas Casas Legislativas, que permitirá a cessão de um canal de rádio FM com transmissão na em toda São Luís. O acordo de parceria permitirá que a Câmara Federal ceda o uso compartilhado de uma frequência de rádio FM para a Assembleia Legislativa e a Câmara Municipal de São Luís para que as duas Casas Legislativas transmitam seus programas com conteúdos voltados às ações parlamentares de deputados e vereadores.

Site da Semfaz em manutenção

A Prefeitura de São Luís informou que – em virtude da implantação do novo Sistema Tributário Municipal (STM) – os serviços online serão suspensos a partir das 22h desta sexta-feira (29), retornando à regularidade às 8h da próxima segunda-feira (1º). A Semfaz reforça que, neste intervalo, nenhum serviço, inclusive emissões de Nota Fiscal Eletrônica e Documento de Arrecadação Municipal (DAM), estará indisponível.

 

Adriano Sarney diz que é pré-candidato a prefeito de São Luís

Por Clodoaldo Corrêa e Leandro Miranda

AdrianoSarneyO deputado estadual Adriano Sarney (PV) concedeu entrevista exclusiva aos Blogs Marrapá e Clodoaldo Corrêa. O herdeiro político do grupo Sarney diz que a alternância de poder foi boa para o Maranhão e as perspectivas de futuro para seu grupo político com o fim da Era Sarney no poder.

Não à toa o deputado participou ontem do ato de filiação da vereadora Rose Sales ao PP. Adriano também anunciou que pretende concorrer ao cargo de prefeito de São Luís, afirmando que o PV tem que ter candidato na capital para ganhar musculatura, mas também está de olho na possibilidade de concorrer em Paço do Lumiar, onde quase foi candidato em 2012.

O neto do maior oligarca do Brasil diz que não está na Assembleia para ser um defensor dos governos passados nem uma oposição ferrenha ao governo Flávio e até admite que o governador trabalha até altas horas. E abriu até a possibilidade de diálogo com o atual governo. Mas afirma que fará defesas de seu avô e criticas e assuntos pontuais do governo. Para o neto de Sarney, toda a classe política do Maranhão tem parcela de culpa pelos índices de pobreza do Maranhão.

Sobre a operação Lava Jato, Adriano afirma que não dará em nada.

Hoje só o senhor e seu pai carregam o sobrenome Sarney com mandato. Como é carregar o sobrenome Sarney e qual é o papel da família agora como oposição?

Vivemos num novo momento. Já disse isso e já foi repercutido até na mídia nacional. O ciclo Sarney acabou, aí gostam de distorcer o que eu falo, mas o grupo ainda existe, mas não sei se esse grupo pode se chamar de grupo Sarney ou não, É um núcleo que a gente continua fazendo política. Eu como Sarney venho mais para trabalhar as minhas propostas que são: desenvolver o Maranhão seguindo as suas aptidões econômicas e potencias das regiões. Esse é o meu foco. Quando entrei na Assembleia, articulei para ser o presidente da comissão de assuntos econômicos justamente para dar vazão às questões econômicas. Como já disse varias vezes: não estou aqui para defender o governo passado ou até mesmo fazer oposição pesada ao atual governo. Faço algumas defesas ao meu avô, é natural. Mas eu faço oposição muito pontual em determinadas situações. Não farei oposição por fazer. Tenho que fazer uma oposição responsável. Não tenho problema nenhum em votar em todos os projetos de lei do governador. Tenho votado na maioria e não vejo problema nenhum. Foi bom e sadio essa alternância de poder. Claro que vou cobrar o que essa alternância vai trazer ao Maranhão. Isso será a minha maior cobrança.

Por que o senhor desistiu da candidatura a prefeito de Paço do Lumiar em 2012?

OlhoAdriano1Na época, fui apoiado pela Bia Venâncio. A ideia era sair numa chapa. Eu estava atuando no Partido Verde, onde comecei minha carreira política. Fiz a articulação com o grupo da prefeita para sair como vice numa eventual reeleição dela, certo? A situação lá da prefeita foi ficando difícil. Ela começou a ver que não conseguiria se reeleger e a gente ponderou uma série de candidatos. Comecei a trabalhar politicamente e meu nome começou a aparecer. A gente fez algumas pesquisas, cheguei a ficar em segundo lugar. Na hora de realmente definir a minha candidatura, a família, o meu grupo político, preferiu, e até forçou a barra, para eu não sair candidato, pois eles entendiam que ia ser um desgaste para a gente, que ia ser difícil, que eu tinha chegado há pouco tempo lá, que seria aquela velha questão do candidato paraquedas. Naquele momento expressei a vontade de ser deputado estadual. O grupo garantiu que me apoiaria.

O senhor tem planos para se candidatar a prefeito novamente em 2016?

Não descarto a candidatura nem em Paço do Lumiar e nem em São Luís. Hoje, a situação de Paço do Lumiar está até favorável para mim. Tem o desgaste do prefeito e existem algumas lideranças lá, mas não são lideranças consolidadas. Existe uma situação muito favorável lá em Paço do Lumiar, mas resta saber se pra mim, que acabei de chegar na Assembleia, vale a pena dar continuidade aqui a um projeto ou focar no projeto de ser candidato ao executivo. Também cogito concorrer em São Luís. Meu título é de Paço do Lumiar, mas também cogito ser pré-candidato aqui. O Partido Verde precisa se posicionar, precisa tomar musculatura. Temos quatro deputados estaduais, dois federais. A gente pretende lançar candidatos nas maiores cidades do estado. Não descarto o fato de ser pré-candidato ou talvez disputar uma candidatura em São Luís a prefeito ou a vice-prefeito.

Até que ponto o grupo do qual o senhor faz parte é responsável pelos péssimos índices sociais que o Maranhão apresenta hoje?

Muita gente confunde o Maranhão rico com o Maranhão pobre. Riqueza pode ser medida por PIB. O Maranhão é a décima sexta maior economia do Brasil. É um estado teoricamente rico, mas tenho andado pelo estado inteiro e visto muita pobreza. Nós temos muita pobreza no Brasil. Não concordo que atribuir as mazelas do Maranhão a um grupo ou até mesmo uma pessoa seja coerente e certo, até porque muitos desses que falam em cinquenta anos foram secretários, prefeitos e participaram dos governos anteriores. Agora é um momento bom para a gente avançar. O grupo Sarney não tem mais governo, não tem mais a força que tinha antes na esfera federal. A Assembleia em grande maioria apoia o governo atual. Então, esse argumento a partir de agora está sujeito à avaliação daqui pra frente.

A sua tia Roseana é uma das investigadas no escândalo da Lava Jato. O que o senhor tem a dizer sobre isso?

OlhoAdriano4As pessoas tendem a confundir a Lava Jato. Existem duas questões em relação a essa operação. Uma investigação diz respeito à Lava Jato e outra à questão do precatório [da Constran] que está aqui em São Luis. São duas coisas diferentes. Existem contradições nas falas do Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef. Num primeiro momento, o Paulo Roberto falou que o Lobão pediu para ele recursos para a campanha de reeleição da Roseana; depois, num segundo momento, ele se contradiz no segundo interrogatório. Aí depois, ele retorna no Congresso nacional com a pergunta da Eliziane Gama e reafirma tudo. Por que ele reafirma? Ele tem de reafirmar as coisas se não perde a delação premiada. Perguntaram ao doleiro a respeito disso e o doleiro disse que não lembrava dessa situação. Então, está tudo muito vago e solto. Ela vai lá depor, não sei como vai caminhar esta situação. Acho que isso não vai pra lugar nenhum. No que diz respeito ao precatório, o nome da governadora não foi mencionado. Mesmo o nome do ex-secretário João Abreu que foi mencionado, não foi mencionado que o doleiro deu recursos para o João Abreu. São questões que estão sendo colocadas por pessoas que cometeram ilícitos e que a gente tem que ponderar a credibilidade porque são pessoas que cometeram ilícitos, então vamos ponderar isso.

Inclusive a Revista Época chegou a citar o seu nome em um possível esquema da Petrobrás. O que o senhor tem a dizer sobre isso?

Foi uma injustiça que fizeram comigo. Fizeram um apanhado muito maluco. Pegaram uma pessoa que no passado era meu amigo, filho de um deputado federal quando eu morei em Brasília. Meu pai sempre foi deputado federal, então tinha vários amigos filhos de deputados federais. Era o pessoal que eu andava, estudava, amigos meus e tal… Pegaram o filho do ex-deputado Fernando Diniz e colocaram lá nessa reportagem que nós andávamos e fazíamos coisas ilícitas, segundo um lobista. A fonte que o jornalista usou foi um lobista. Eu poderia interpelá-lo para saber exatamente o que estava acontecendo em relação a isso. Não ia ter fundamento nenhum… Pegam ligações com pessoas do passado e fazem esse tipo de ilação.

Esse caso tem relação com o atual escândalo da Petrobrás?

Não tem relação nenhuma até porque… Não sei se esse meu amigo tem alguma relação com alguma coisa. Eu não sei. Eu era amigo dessa pessoa e não sei como é que está esse caso dele lá. Eu não sei o que que… Enfim, não me interessei e nem quero saber.

Qual sua avaliação dos quatro primeiros meses do governo Flávio Dino?

OlhoAdriano3Acredito que o governador quer acertar. Ele está se esforçando. Tenho noticias de pessoas que falam que ele trabalha até altas horas lá no Palácio. É do perfil dele. O problema é a questão de ter uma equipe, gente preparada para fazer o trabalho. O governador sozinho não consegue fazer muito, precisa de auxiliares. Acho que o Flávio quer acertar, mas peca em relação à questão da equipe. Ele tem que descer do palanque, ser mais humilde, admitir que é difícil governar e tentar dialogar com a oposição, consertar alguns erros. Eu coloco algumas coisas na minha atuação, falhas administrativas que podem ser corrigidas. Mas fica aquela insistência em não querer corrigir que gera um desgaste. Ele quer fazer um bom governo – tenho certeza absoluta disso. Talvez ele tenha que demitir secretários, ser humilde para admitir que errou sem medo da oposição e a imprensa. O governador tem que baixar o discurso do palanque e focar na gestão. Tem que chamar todo mundo pra dialogar, botar o secretário de articulação para conversar com a oposição e fazer o que todos nós queremos fazer: mudar o Maranhão. Sei que a estratégia do governo é a estratégia da herança maldita, que te dá uma carta de seguro para botar na conta da gestão passada.

E da Assembleia?

Esta Assembleia foi criada de forma muito estranha. Vi muita dificuldade na composição dos blocos. Alguns blocos sendo criados de maneira muito esquisita, como foi o nosso bloco do qual o PV fez parte…. O próprio líder do governo, o Rogério Cafeteira, até pouquíssimo tempo defendia o governo passado. Hoje já está muito melhor do que começou, pois existe um grupo de quatro oposicionistas. Quem é governo é governo, quem é oposição é oposição. Existem alguns excessos de sentimentos na Assembleia. Eu até entendo a razão. É difícil você discutir com pessoas que até pouco tempo eram amigos, discutiam políticas juntos e passaram anos no mesmo grupo. Então tudo isso gera confusão, mas acredito que a tendência é melhorar. Nas comissões esta legislatura está fazendo um excelente trabalho. Tenho conversado com funcionados e ouvido que temos deputados muito atuantes no que diz respeito a audiências e a interlocução com a sociedade. Vamos ser uma legislatura que vai marcar os 180 anos da Assembleia.