Andrea diz que Ricardo será candidato a cargo majoritário: “governador ou senador”

A deputada Andrea Murad falou sobre a entrada de Roseana Sarney na disputa pelo governo do estado. A entrada murchou a pré-candidatura do pai, Ricardo Murad, ao governo do Estado. Andrea diz agora que Ricardo pode ser candidato a Senador, mas isto jogaria mais lenha na fogueira dos pré-candidatos do grupo Sarney.

Andrea disse que não existe briga pelo fato de Ricardo se lançar pré-candidato e Roseana também. O que poderia evidenciar uma estratégia de ter muitos candidatos para levar a disputa para o segundo turno. “Muito bom a candidatura da ex-governadora. Ela tem todas as condições de disputar. Quanto mais candidatos, melhor para conseguirmos tirar o governador Flávio Dino do governo. O eleitor tem mais opções de voto”.

Apesar disto, a deputada não mostrou convicção da candidatura do pai ao governo e abriu o leque para ser candidato também a Senador. “Ele será candidato a majoritário. Será candidato a governador ou a senador. Ainda pode ser ao governo, mas quer dizer que ele está rompido com a governadora Roseana. Uma coisa não tem nada a ver com a outra”, sentenciou.

Candidata a federal pelo PRP

Andrea Murad confirmou que será candidata mesmo a deputada federal e disse que aguarda a janela partidária para seguir o pai no PRP. A confirmação aumenta a especulação de que Ricardo pode não seguir a candidatura majoritária como afirma Andrea e ser mesmo candidato a deputado estadual.

Eliziane diz que candidatura ao Senado será prioridade do seu partido

Eliziane Gama lidera as pesquisas para o senado federal em 2018. A deputada que muitos davam como carta fora do baralho para eleições majoritárias volta ao centro do debate para um cargo importante. Em entrevista ao programa Ponto Continuando, da Rádio Mais FM, Eliziane, falou da volta a uma disputa majoritária.

As pessoas falam que eu posso me candidatar a deputada estadual ou a governo. Não têm estas possibilidades. Eu sou deputada federal e o meu partido faz um debate com relação ao Senado. Esta é a opção que está sendo colocada. Naturalmente que uma candidatura ao Senado é majoritária e depende de uma decisão partidária, de unir forças neste sentido. O partido vai mandar fazer uma pesquisa e colocar o projeto de candidatura ao Senado como prioritário.

A deputada disse que está à disposição para o desafio do seu partido caso seja o Senado. Sobre esta possível candidatura ser na chapa do governador Flávio Dino, a pré-candidata afirmou que o PPS está no governo Flávio e seria uma honra ser candidata na chapa governista. “Todos sabem da minha relação respeitosa com o governador Flávio Dino. Eu o apoiei. Temos secretário do PPS que é o Pastor Porto. Então integramos a base. A decisão da candidatura vai desta conjuntura. Será uma honra para o PPS estar na chapa do governador Flávio Dino. Mas é um debate que será feito no momento convencional”.

A deputada disse que o próprio governador disse que os candidatos ao Senado serão aqueles que se viabilizarem. “Por isso, esta primeira etapa é conversar com aliados, com o povo. Entender o que a população quer. A população quer uma representatividade diferenciada”.

Iminente queda de Temer é o fim da candidatura de Roseana

Temer era salvação para campanha de Roseana

Não à toa José Sarney trabalhou para que o presidente Michel Temer não renunciasse ao cargo. A permanência de Temer no poder é garantia de influência direta de Sarney no centro do poder com a certeza de ocupação de cargos federais em Brasília, No Amapá e no Maranhão. Mesmo com todo poder de influência, não sabe se terá tanto poder com o próximo presidente (seja lá quem for).

O cenário é de muita incerteza. Mas o fato é que sem Temer, a candidatura de Roseana Sarney ao governo fica inviável. Este Blog publicou na última terça-feira (16) que a eleição no Maranhão caminhava para uma disputa plebiscitária. E este era o cenário que caminhava para o pleito.

Flávio Dino tem força popular e está com o controle da máquina estadual. Roseana Sarney tem algum recall eleitoral e tinha a força da máquina federal a seu favor. Certamente, os dois teriam uma disputa acirrada voto a voto nestas condições.

E Roseana estava bem articulada, estrelando o programa peemedebista na TV, conseguindo dialogar com alguns prefeitos. Quando a ex-governadora começava a sair do buraco, o principal trunfo para atrair liderança parece desmoronar: recursos, obras e cargos do governo federal.

A queda é questão de tempo. E os sarneys ficarão novamente sem rumo. Aliás, com um rumo: se encostar a qualquer custo em quem estiver no poder.

 

Entrevista de Roseana deixa claro que ela não será candidata

A entrevista de Roseana Sarney ao jornal O Imparcial demonstrou que de fato a ex-governadora não deve disputar o Palácio dos Leões no ano que vem. Roseana afirmou que não pretende ser, mas se ” provocarem”, ela pode resolver ser candidata.

Quem tem a menor intenção de se candidatar a um cargo majoritário, mesmo com a incerteza, aparenta convicção para manter a classe política e militância animadas. A insegurança da fala de Roseana escancara que a ex-governadora não quer se candidatar.

Roseana sempre disputou eleições com extremo favoritismo. Nunca entrou em uma campanha com dúvidas. Nem em 2014, quando poderia ser senadora, mas, na dúvida, preferiu não se candidatar. Mesmo na eleição que perdeu para Jackson Lago, Roseana era favoritíssima no início do processo eleitoral.

Agora, sem força política, vendo os principais caciques do Clã dispersos em projetos individuais, complicada com processos judiciais, Roseana tem o pior cenário eleitoral de sua carreira. E deixou isso explícito nas entrelinhas da entrevista.

Roseana diz que decidirá sobre candidatura no segundo semestre. Ainda vai manter alguma perspectiva no grupo, que não se consolidará. O Clã busca alguma solução para a candidatura majoritária. Apoio a Roberto Rocha, nova candidatura de Lobão Filho ou até lançar Eduardo Braide. Ou seja, segue sem muita opção.

Davi Telles não será candidato em 2018

Após o post sobre as candidaturas dos secretários estaduais do governo Flávio Dino, o presidente da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema), Davi Telles, entrou em contato com o Blog para esclarecer que não irá disputar cargo eletivo no próximo ano.

Segundo Telles, o foco da sua vida até o final de 2018 será ajudar o governador Flávio Dino a transformar a Caema numa empresa supervitária e sustentável; reformar sistemas do interior, entregando obras estruturantes de água em cerca 150 cidades do Maranhão, inclusive as 30 do Mais IDH; garantir percentual próximo de 70% de esgoto tratado em São Luís contra os 4% que recebemos em janeiro de 2015; garantir a continuidade da balneabilidade das praias de São Luís; eliminar todos os pontos de lançamento de esgoto da Lagoa da Jansen e resolver o problema de falta d’água em São Luís, entre outros também importantes.

O presidente da Caema tem um grande desafio pelos próximos dois anos tanto no saneamento quanto no abastecimento de água dos maranhenses.

Márcio Jerry fala sobre sua candidatura a deputado: “nome está no projeto do PCdoB”

O secretario estadual de comunicação e articulação política, Márcio Jerry, concedeu entrevista ao programa Ponto e Vírgula, da Rádio Difusora FM, nesta quinta-feira (26).

O secretário respondeu pela primeira vez e forma mais clara sobre sua pré-candidatura a deputado federal, que já é amplamente comentada nos bastidores. O secretário primeiro fugiu da pergunta “Minha missão fundamental é fazer com que o projeto do PCdoB seja vitorioso em 2018. Com o o governador Flávio Dino sendo reeleito, com dois senadores sendo eleitos, e com uma boa bancada de deputados estaduais e federas”, afirmou.

Mas quando foi questionado com mais  insistência disse que em breve anunciaria, mas praticamente deixou claro que será candidato, inclusive já contando com os votos dos colegas de profissão (Márcio Jerry é jornalista). “Vamos anunciar brevemente isto. O PCdoB tem um projeto eleitoral e incluiu meu nome no projeto eleitoral, mas vamos debater oportunamente e eu vou pedir em off os votos dos meus colegas radialistas e jornalistas”.

Sobre as polêmicas om o senador Roberto Roca no Twitter, Márcio foi minimizou o clima de animosidade, afirmando que Rocha tenta ganhar visibilidade ao polemizar com ele. “O senador tem feito menções desrespeitosas a mim e sequer respondi. Ele tem buscado polemizar, Acho isso uma extrema bobagem”.

Rocha chegou a afirmar no Twitter que se os comunistas administrassem os Lençóis Maranhenses não sobraria nem um grão de areia. Márcio lembrou que o PCdoB participou ativamente da eleição do senador. “É importante lembrar que o PCdoB foi junto com outros partidos importante para a eleição do Senador em 2014. Eu tenho pelos aliados de 2014 o mesmo respeito que tenho no momento presente. Sempre com muita civilidade mesmo que algumas questões sejam colocadas de maneira deselegante e agressiva como fez o senador”.

Bira do Pindaré pré-candidato a deputado federal em 2018

biraO titular do Blog conversou com o deputado estadual Bira do Pindaré (PSB) sobre as especulações de que seu nome estaria sendo trabalhado para uma candidatura ao Senado com o apoio do governador Flávio Dino (PCdoB).

“Isto é muito mais para causar intriga. Eu sou pré-candidato a deputado federal e trabalho neste sentido. Claro que depende da conjuntura e pode ser que eu me candidate à reeleição, mas a minha intenção para as eleições de 2018 é buscar uma vaga na Câmara Federal”, afirmou.

Bira ainda estuda sua filiação partidária. PDT e PCdoB são os dois caminhos possíveis para o hoje socialista.

 

Fábio Gentil entra na briga pela presidência da Famem

fabiogentilO prefeito eleito de Caxias, Fábio Gentil (PRB), conversou com o titular do Blog e garantiu que é, de fato, candidato à presidência da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (Famem). Antes, Gentil, só havia sido lançado pelo deputado federal Cléber Verde (PRB), mas agora, assumiu a campanha e se movimenta de maneira intensa.

Gentil participa de evento na Confederação Nacional dos Municípios e tem corrido atrás dos munícipes mais próximos. Ele garante que quem surpreendeu nas urnas em Caxias, também pode surpreender com os prefeitos, que na sua visão, irão preferir um presidente mais independente ao Palácio dos Leões.

Além de Gentil, os dois mais fortes candidatos à presidência da Famem são Cleomar Tema (Tumtum) e Eric Costa (Barra do Corda). Os dois são aliados do governo do Estado e Tema tem ainda o apoio do presidente da Assembleia Legislativa, Humberto Coutinho.

Acordo com os Marinho

Gentil também falou sobre sua relação com a familía Marinho. Paulo Marinho Júnior é seu vice-prefeito, mas ele garantiu que não existe acordo para que eles tenham espaços na prefeitura.

O prefeito afirmou que seu acordo é apoio à candidatura de Paulo Marinho Júnior a deputado federal. Mas sem espaço na prefeitura.

 

 

MP recorre ao TRE contra deferimento de candidatura de Gilberto Aroso

gilbertoaroso-1A candidatura do ex-prefeito de Paço do Lumiar, Gilberto Aroso (PRB), que tenta retornar ao cargo, continua sub judice. O  juiz eleitoral Flávio Roberto Ribeiro Soares, da 93ª Zona Eleitoral, deferiu a candidatura de Gilberto Aroso, apesar do prefeito ter condenação de órgão colegiado por improbidade administrativa de quando foi prefeito entre 2004 e 2008. Aroso foi, inclusive, a ser preso no Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

A promotora eleitoral, Gabriella Brandão da Costa Tavernard, inconformada com a decisão de primeira instância, recorreu ao Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA) solicitando o indeferimento do registro de candidatura. A promotora entende que alguém com tantas acusações de improbidade e já enquadrado na Lei Ficha Limpa não pode retornar ao comando do município.

Caberá agora ao TRE julgar o ex-prefeito. Aroso teria feito uso indevido de verbas do Fundo de Valorização e Desenvolvimento do Ensino Fundamental (Fundef) (atual Fundeb) para pagamento de verbas salariais devidas pelo Município aos servidores.

A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça manteve, por unanimidade, sentença da juíza da Comarca de Paço do Lumiar, Jaqueline Reis Caracas. A pena aplicada foi de seis anos e três meses de reclusão, por crimes contra a Lei de Licitações.

BOMBA! Eliziane registra candidatura com filiação irregular

elizianegamaEXCLUSIVO – O fator filiação pode colocar em xeque a candidatura da deputada federal Eliziane Gama (PPS) à prefeitura de São Luís. Isto porque a filiação utilizada por Eliziane para o registro de candidatura não era a atual dela no PPS.

A deputada não estava na lista de filiados do PPS enviada à Justiça Eleitoral no prazo legal. Todos os candidatos deveriam estar filiados no partido pelo qual iriam concorrer até 2 de abril deste ano e o prazo de submissão das listas encerrava dia 14 de abril. Então, ela solicitou a inclusão de seu nome em lista especial de filiação.

O juiz Josemar Lopes Santos, da 3ª Zona Eleitoral de São Luís, aceitou a filiação para fins de elegibilidade de Eliziane tendo por base o documento anexado por ela no pedido. Mas o documento é a filiação de Eliziane no PPS antiga, de 26 de julho de 2001. “No caso vertente, o requerente apresenta documentação na qual demonstra que efetuou sua inscrição no PPS , apresentando ficha de filiação à agremiação, com data de 26/07/2001”, afirma o magistrado na decisão do dia 18 de maio deste ano.

Eliziane comprovou filiação ao PPS com ficha de filiação já cancelada, da sua primeira passagem pelo partido

Eliziane comprovou filiação ao PPS com ficha de filiação já cancelada, da sua primeira passagem pelo partido

Porém, como é de conhecimento público, a deputada se desfiliou do PPS e se filiou à Rede Sustentabilidade, inclusive tendo a filiação confirmada pela Câmara Federal. No sistema de registro de filiações do próprio Tribunal Superior Eleitoral (o FiliaWeb), Eliziane aparece filiada á Rede entre 27/09/2015 e 31/03/2016.

A filiação que Eliziane forneceu à Justiça Eleitoral já não estava mais ativa. Ela foi cancelada pela deputada com a data de desfiliação de 1º de outubro de 2015. A filiação que seria regular de Eliziane foi feita em 02 de abril de 2016.

Parece em erro meramente formal, mas o erro é grave. Como todo candidato deve estar regularmente filiado a um partido político no Brasil para concorrer a um cargo eletivo, a deputada federal não estava regularmente filiada, de acordo com a documentação que ela apresentou para alegar sua filiação. Portanto, a filiação apresentada e, consequentemente, com a qual Eliziane registrou sua candidatura, não é válida.

Com base no documento inválido, Justiça Eleitoral autorizou a elegibilidade da candidata

Com base no documento inválido, Justiça Eleitoral autorizou a elegibilidade da candidata