Eduardo Braide indica que espera aval da família Sarney para ser candidato ao governo

Em entrevista à Rádio Mirante AM, na manhã desta sexta-feira (19) o deputado estadual Eduardo Braide (PMN) confirmou que sua candidatura ao governo do Estado está diretamente ligada a um possível aval da família Sarney. Perguntado se disputaria as eleições, ele ressaltou que “ninguém é candidato sozinho. Não posso tomar uma decisão sozinho”.
Desejo da oligarquia Sarney para a formação de um grupo de candidatos laranjas – que já inclui os nomes de Maura Jorge, Roberto Rocha e Ricardo Murad – que tem por objetivo tentar levar Roseana para um segundo turno contra Flávio Dino, Eduardo Braide afirmou, durante a entrevista, que não pode tomar uma decisão sozinho.
Mesmo tendo disputado as eleições de São Luís de forma independente, sem a ajuda de ninguém e, inclusive, se esquivando da associação do seu nome ao da família Sarney, Braide agora espera contar com a estrutura da oligarquia para viabilizar sua candidatura.
O deputado vem ganhando cada vez mais espaço na mídia sarneyzista, e, a julgar pela sua movimentação política nos últimos meses, só depende agora da oligarquia Sarney o fazer mais um candidato para disputar as eleições.
Nos bastidores, fala-se muito em um acordo no qual Braide seria candidato a governador para assegurar Roseana no segundo turno. Em troca, o Clã garantiria a eleição da esposa de Braide, Graziela Braide, a deputada federal e toda estrutura para ser prefeito de São Luís em 2020.

Flávio Dino já estuda nomes para substituir Secretários/candidatos logo após o Carnaval

Secretário de Estado da Casa Civil Marcelo Tavares é pré candidato ao Parlamento Estadual

Em entrevista exclusiva ao Blog do Clodoaldo, o governador Flávio Dino (PC do B) revelou que já está definindo os nomes dos novos secretários de Estado que deverão ocupar as vagas dos dos titulares de pastas que serão candidatos nas eleições de 2018.

O Governador antecipou que entre 8 ou 10 titulares de pastas ou presidentes de órgãos importantes já anunciaram que serão candidatos nas eleições de outubro.

Foram lembrados pelo Governador como pré-candidatos: o secretário da Casa Civil Marcelo Tavares (PSB); o secretário de Comunicação e Articulação Política Marcio Jerry (PC do B); o secretário de Desenvolvimento Social Neto Evangelista (ainda no PSDB); o secretário de Indústria e Comércio Simplício Araújo (SD); secretário de Trabalho Julião Amin (PDT); secretário de Agricultura e Pesca Marcio Honaiser (PDT); secretário de Agricultura Familiar Adelmo Soares (PC do B); presidente do PROCON Duarte Júnior (PC do B); presidente da Agência Executiva Metropolitana Pedro Lucas Fernandes (PTB).

Vale destacar que Marcelo Tavares, Neto Evangelista, Marcio Honaiser, Adelmo Soares e Duarte Júnior são pré-candidatos ao parlamento estadual. Já Marcio Jerry; Julião Amin; Simplício Araújo e o vereador de São Luís Pedro Lucas Fernandes são pré-candidatos à Câmara Federal.

Ainda de acordo com Flávio Dino, a reforma do Secretariado Estadual acontecerá logo após o período Carnavalesco.

 

Teria o PMDB de Roseana decretado o fim da carreira política de João Alberto?

Com mandato prorrogado até o final de 2018, o senador João Alberto está preocupado com seu futuro político.

Atual presidente do PMDB no Maranhão, João Alberto conduziu a escolha dos candidatos que disputarão as eleições no ano que vem pelo partido. Entretanto, seu nome não foi cotado pela legenda nem para a disputa ao Senado e nem para o Governo do Estado.

De acordo com blogueiros ligados ao grupo Sarney, durante reunião partidária nesta sexta-feira (4) a sigla confirmou a previsão e vai lançar Roseana Sarney na difícil disputa contra os bons números de aceitação obtidos por Flávio Dino em dois anos e meio de governo. Na corrida pelo Senado, Edison Lobão já sinalizou que tentará renovar o mandato por mais oito anos.

Com 82 anos de idade, estaria João Alberto descontente com a decisão do seu partido de lhe tirar das eleições do próximo ano? A decisão do PMDB maranhense pode representar a aposentadoria política do senador.

Fiel ao grupo Sarney e ao PMDB, João Alberto vem atuando politicamente ao longo dos anos sempre cumprindo as determinações do clã Sarney e em obediência às deliberações partidárias.

Foi atendendo determinações do oligarca José Sarney – principal conselheiro do presidente Michel Temer – e do PMDB nacional, que João Alberto, com o poder de presidente do Conselho de Ética do Senado, arquivou o processo que pedia a cassação do senador Aécio Neves (PSDB-MG).

Depois de longos anos de subserviência ao seu grupo político, parece que o PMDB optou deixar o ‘Carcará’ ou como um Plano B da sigla para 2018 – o que é pouco provável – ou definitivamente rumo ao esquecimento.

Carcará

Entre os anos de 1990 e 1991, quando foi governador, João Alberto ficou conhecido como ‘Carcará’ por ter liderado a Operação Tigre, cujo objetivo foi o extermínio indiscriminado de pessoas supostamente ligadas ao crime organizado de Imperatriz e região. A operação teria deixado 300 mortos. Embora esses números sejam contestados, as imprensas local e nacional deram destaque ao genocídio na época.

Sarney Filho será novamente rifado?

Caso esta seja a foto da chapa sarneysta em 2018, será mais um duro golpe em Sarney Filho

O blog do jornalista Marco Deça publicou uma interessante articulação para juntar em uma chapa Roseana Sarney (PMDB), Eduardo Braide (PMN), Maura Jorge (Podemos) e Sebastião Madeira (PSDB). Segundo a publicação, Braide seria candidato a governador, Maura a vice, Roseana e Madeira a Senador.

Como o jornalista tem amplo acesso a fontes do sarneysismo, a articulação parece ter rumo. E de fato, seria interessante em algum sentido para os quatro.

Eduardo Braide é uma incógnita e apostaria no fator “candidato apolítico” na disputa majoritária, mas ainda poderia sofrer do mesmo problema da eleição municipal de São Luís: seu discurso de novidade na política não se sustenta por ser de família de políticos e sempre estar na política. Além do processo que envolve a máfia de Anajatuba. Por outro lado, mesmo que perca a eleição, se credencia como nova liderança a nível estadual e primeiro da fila para 2022.

Será o ministro do Meio Ambiente preterido em uma disputa majoritária mais uma vez?

Para Maura Jorge, seria interessante em caso de vitória da chapa. Mas em uma campanha com ênfase para a dupla, pode ganhar algum destaque que a projete para algo futuro.

Mesmo sem chance alguma de se eleger, Sebastião Madeira finalmente realizaria seu sonho de ser candidato a Senador. A dificuldade será colocar o PSDB nesta chapa. Mas Madeira ainda pode buscar outro partido.

A mais beneficiada seria Roseana. Para muitos, uma candidatura de Roseana ao Senado implicaria em uma vaga reservada e a disputa seria pela outra vaga. A ex-governadora é forte candidata ao Senado. Roseana provavelmente garantiria oito anos de mandato e foro privilegiado (caso o benefício continue).

Mas o grande problema está no Senado. Sarney Filho é hoje o único pré-candidato oficial ao Senado do Clã Sarney, até com boas chances. Nos meios políticos, se fala em disputa acirrada entre Sarney Filho, Weverton Rocha e Zé Reinaldo por duas vagas. Mas parece que a história se repete de Zequinha ser golpeado pela irmã.

Como recordar é viver, vale lembrar que em um acordo entre Zé Reinaldo e José Sarney, Zequinha deveria ser o candidato a governador do Clã em 2006. Mas Roseana não aceitou. Numa reunião com o pai, Roseana gritou e disse que quem tinha voto era ela. Sarney, com medo da filha, disse que a ideia da candidatura de Sarney Filho foi de Zé Reinaldo. E Roseana passou a hostilizar o então governador nos meios de comunicação da família. Este foi o principal motivo do rompimento do então governador com o Clã Sarney. A história foi contada pelo próprio Zé Reinaldo em uma entrevista em 2006.

Mais uma vez, Roseana ensaia puxar o tapete do irmão que tem feito pré-campanha, está bem articulado e pode ter a candidatura tolida dentro de casa.

Flávio defende que Lula inicie imediatamente o debate para formar plano de governo

Flávio Dino faz parte de movimento de governadores que deseja iniciar logo pré-campanha de Lula e montagem do plano de governo

O governador Flávio Dino concedeu entrevista à Rádio Estadão e falou sobre as especulações de que um grupo de governadores estejam articulando o lançamento e a pré-campanha do ex-presidente Lula.

Flávio praticamente confirmou que existe o movimento. O governador se disse contrário às reformas do presidente Michel Temer e acredita que Lula deve de fato iniciar um diálogo sobre outras saídas para a crise fora do contexto de reformas.

“Eu tenho uma posição política conhecida sobre a questão nacional. Acho que esta agenda que vem sendo adotada de reformas não é o caminho para sair da crise econômica. É preciso debater outras alternativas. Por isso eu acho muito importante que o ex-presidente Lula, até pela posição de destaque que ele ocupa nas pesquisas eleitorais, se coloque imediatamente no debate com um programa que possa apresentar outras ideias, para que a gente saia da situação de impasse político”, afirmou.

Para o governador, é necessário mais diálogo e encontrar uma agenda diferente das reformas, e defende de fato que Lula lidere o processo.

Chiquinho Escórcio garante que Roseana será candidata a governadora em 2018

Escórcio e um dos mais fiéis ao Clã Sarney

Um dos mais fiéis escudeiros da família Sarney, ex-deputado federal e atual assessor especial da presidência da República, Chiquinho Escórcio, se manifestou nas redes sociais sobre o futuro de Roseana no cenário eleitoral de 2018. Escórcio afirmou categoricamente que Roseana será candidata a governadora.

“Sou amigo de Roseana Sarney, faço parte do seu grupo político, Roseana Sarney é candidata a governadora em 2018, sobre as notícias de sua candidatura a deputada estadual ou federal, são boatos”, afirmou, alegando que as especulações de que a peemedebista pode ser candidata a deputada estadual são para confundir os eleitores.

Para Escórcio, Roseana será a principal adversária de Flávio Dino ao governo do Estado nas eleições de 2018, ignorando a candidatura de Roberto Rocha.

De fato, um duelo entre Flávio e Roseana seria extremamente interessante para que se coloque em discussão para o eleitorado o que é melhor: retorno do sarneysmo ou a mudança flavista?

Edilázio diz que Roseana deve ser candidata em 2018

Para Edilázio, se Roseana e Flávio chegarem cada um em um helicóptero em uma cidade do interior do Maranhão, a fila que se forma para tirar fotos com Roseana ganha de 10 a 1. Será?

Em entrevista ao programa Resenha, da TV Difusora, o deputado estadual Edilázio Júnior (PV), fez muitas críticas ao governo Flávio Dino e falou sobre a possibilidade de candidatura de Roseana Sarney em 2018.

Questionado se Roseana seria candidata a governadora, senadora ou deputado estadual, o deputado do PV disse que será uma decisão dela, mas que a popularidade de Roseana a coloca em grande condição de popularidade. “Para o que ela for candidata é com potencial imenso. Tem um carisma imbatível. Eu já acompanhei no interior ela e o atual governador e não tem comparação. Se em uma cidade pequena do interior descer de um helicóptero Roseana e de outro helicóptero o governador Flávio Dino é de 10 pra um de pessoas que vão abraçar e tirar foto com Roseana”, afirmou.

Edilázio defendeu que Roseana está livre pelo arquivamento de seu nome da operação Lava Jato. Questionado sobre os outros processos que Roseana responde como o da Constran e da Máfia da Sefaz, Edilázio disse que ela responde mas não é condenada e afirmou que o principal norte contra Roseana era a Lava Jato.

Falta de organização

Edilázio reconheceu que o grupo Sarney continua sentindo falta de uma liderança que coloque o grupo nos eixos e indique o caminho de 2018. “Ainda sou um privilegiado por poder trocar várias conversas com o presidente Sarney e a governadora Roseana. É um grande aprendizado. Mas existe uma carência. Ainda não temos a pessoa para ser a referência. Nós precisamos logo ter aquela pessoa que dá o norte. Eu, como parlamentar sinto esta falta. Esta carência de referências inclusive dentro da Assembleia. Na legislatura passada tínhamos quatro ex-presidentes e deputados experientes que articulavam”, afirmou.

Roberto Rocha 

Quando questionado se o senador Roberto Rocha poderia ser candidato a governador pelo grupo Sarney, Edilázio não negou a possibilidade. “Sou um homem de grupo. O Luís Fernando era meu candidato, depois o Lobão Filho e estivemos juntos. A partir de 2017 vamos sentar e debater quem é o melhor candidato”.

Bira do Pindaré pré-candidato a deputado federal em 2018

biraO titular do Blog conversou com o deputado estadual Bira do Pindaré (PSB) sobre as especulações de que seu nome estaria sendo trabalhado para uma candidatura ao Senado com o apoio do governador Flávio Dino (PCdoB).

“Isto é muito mais para causar intriga. Eu sou pré-candidato a deputado federal e trabalho neste sentido. Claro que depende da conjuntura e pode ser que eu me candidate à reeleição, mas a minha intenção para as eleições de 2018 é buscar uma vaga na Câmara Federal”, afirmou.

Bira ainda estuda sua filiação partidária. PDT e PCdoB são os dois caminhos possíveis para o hoje socialista.

 

Presidente do PCdoB fala da possibilidade de Flávio Dino ser candidato a presidente

Luciana Santos diz que seria sonho a antecipação do projeto do partido já para 2018, mas também dá a entender que, pela responsabilidade com o Maranhão, Flávio deverá ser candidato à reeleição

lucianasantos

A presidente nacional do PCdoB, deputada federal Luciana Santos, está em São Luís onde participa da Assembleia Mundial da Paz. O titular do Blog conversou com Luciana sobre a especulação de que o governador Flávio Dino poderia ser candidato a presidência da República. Apesar de mostrar empolgação com a ideia, Luciana demonstrou que é um desejo do partido, mas que só deve ocorrer em 2022.

“Nosso sonho era que Flávio já pudesse ter sido reeleito para virar candidato a presidente do Brasil. Mas, sem dúvida, essa é uma construção política que tem a ver com a vontade, pela responsabilidade que Flávio tem com o povo do Maranhão. Mas quiçá a gente tenha o entendimento dele antecipar este sonho, este projeto do PCdoB de ter um candidato a presidência da República”, afirmou.

Luciana Santos elencou as características que fazem de Dino um candidato competitivo, caso ele aceitasse ser candidato. “Ele tem estatura, é um quadro político respeitado, tem trânsito em todas as forças políticas, não é apenas no campo da esquerda. Ele é ouvido por todos aqueles brasileiros que tem compromisso com o país e tem relação com todos os sistemas de poder, passando pelo judiciário, pela legislativo. Flávio, em um tempo curto, deu grande contribuição como deputado federal. Ele é uma figura que fala para o futuro do PCdoB”.

Para a presidente nacional do PCdoB, o governador do Maranhão retira o peso que possa ser colocado á legenda, modernizando o que representa hoje o partido. “Que bom que o Flávio expressa o que é verdadeiramente o PCdoB. Porque, mesmo você tendo um programa avançado, ideias novas, isso sempre se espelha nas pessoas, nas figuras. E Flávio revela para o Brasil o quanto o PCdoB é contemporâneo e é moderno”.

Governo Temer

Luciana Santos também comentou o fracasso do governo Temer e o quanto a grave crise econômica deve devastar o país. “O Temer vendeu estabilidade política  e econômica. Não entregou nem uma coisa nem outra.  O impacto econômico da Lava Jato é muito grande. Conversando com grandes empresários da construção civil, eu senti que teremos demissões em massa. Outro reflexo será a desnacionalização de empresas”, conjecturou.

Wellington faz questão de ser o candidato de Roberto Rocha

roberto-e-wcO candidato Wellington do Curso (PP) forçou a barra em inserção onde afirma ser mentira todas as denúncias provadas por documentos contra ele. Para além do absurdo de simplesmente dizer que é mentira denúncias provadas sem apresentar uma contraprova, chamou atenção na inserção de Wellington o fato dele negar ser o candidato de Flávio Dino.

Para negar que é o candidato de Sarney, como afirmado pelo próprio candidato do partido de Sarney, Fábio Câmara (PMDB), Wellington declara na inserção que “não é o candidato de Sarney nem de Flávio Dino”.

Todos os principais candidatos fazem de tudo para manter a imagem colada ao governador Flávio Dino, com ampla aprovação em todas as pesquisas. Edivaldo, Eliziane, Eduardo Braide e até Fábio Câmara fazem questão de dizer que manterão as parcerias com o governo do Estado e uma relação estreita com o chefe do Executivo Estadual. Enquanto isso, Wellington faz questão de rechaçar a aliança.

Em inserção, Wellington diz que não é Sarney, nem Flávio. Isto porque seu governador é Rocha

Em inserção, Wellington diz que não é Sarney, nem Flávio. Isto porque seu governador é Rocha

Mas isto para deixar claro quem é o patrono de sua candidatura: o senador Roberto Rocha (PSB). Wellington rechaça até a parceria com o governo Flávio por ordem de seu candidato a governador em 2018. Depois de ter sido eleito senador graças a Flávio Dino, Roberto traiu o governador e tem preparado o terreno para enfrentar o comunista em 2018. E Wellington faz questão de deixar claro que será prefeito para este projeto.