Zé Reinaldo acredita na capacidade e êxito de Othelino a frente da Assembléia

O ex-governador e atual deputado federal José Reinaldo Tavares esteve presente na posse do novo presidente da Assembléia Legislativa, deputado Othelino Neto (PC do B). Pré-candidato ao Senado, Zé Reinaldo desejou êxito ao presidente da casa do povo, fazendo relação ao estilo do ex-presidente Humberto Coutinho.
“O Humberto era um político do diálogo estendido a todos. Um grande homem. Othelino tem experiência e vontade política, portanto está capacitado a ser um presidente exitoso, a altura do Humberto”, comentou Zé Reinaldo.
MEIO AMBIENTE
A relação de Othelino Neto e Zé Reinaldo é antiga. O novo presidente da Assembleia foi secretário de meio ambiente no governo Zé Reinaldo. “Foi um bom secretário e nos ajudou a criar a secretaria de meio ambiente, que antes não existia”, lembrou o ex-governador.

Assembleia: Othelino assume a Presidência e garante que vai comandar a Casa Legislativa de forma harmoniosa

Agência Assembleia

Ao ser oficializado presidente da Assembleia Legislativa, nesta quinta-feira (4), o deputado Othelino Neto (PCdoB) afirmou que vai conduzir a o cargo de forma harmoniosa, como vinha fazendo antes da morte do presidente Humberto Coutinho (PDT).

Após a formalização, que foi na sala da Presidência, Othelino disse que o ato foi discreto por conta da morte de Humberto e do próprio pai do novo presidente, Othelino Filho, há menos de um mês.

“Estamos ainda num momento de tristeza e muito pesar, com o falecimento do presidente Humberto, mas esse rito formal tinha que ser feito, mas como ele era sempre preocupado que a Assembleia continuasse seu ritmo e sua rotina, agora vamos dar prosseguimento ao belo trabalho que foi feito por ele. Não só internamente, mantendo a harmonia entre os deputados de diferentes correntes, que são marcas características de um Parlamento, mas trabalhando principalmente para ajudar a melhorar a vida dos maranhenses, porque é à população que devemos a maior satisfação”, garantiu. 

Outras efetivações

O ato marcou também a efetivação de Fábio Macedo no cargo de 1º vice-presidente; Josimar de Maranhãozinho (PP) na 2ª vice e Adriano Sarney (PV) na 3ª vice, por ordem de sucessão natural, deixando em aberta a 4ª vice-presidência. Os três fizeram também referência à memória de Humberto Coutinho e desejaram sucesso ao novo presidente, no ato que marcou a posse de todos, com a presença de deputados, familiares e amigos.

A solenidade marcou também a efetivação de Rafael Leitoa (PDT) como deputado estadual, já que ele era o primeiro suplente da coligação que elegeu Humberto Coutinho, e da posse do primeiro suplente Fernando Furtado (PCdoB), porque o titular Neto Evangelista continua como secretário estadual.

Do mesmo ato que marcou o procedimento administrativo para oficializar a condução do presidente Othelino Neto, participaram o governador em exercício, Carlos Bandão, os deputados federais Zé Reinaldo e André Dantas, o secretário de Saúde do Estado, Carlos Lula, e vários deputados da Casa, além de outras autoridades.

Presenças do governador em exercício

Othelino Neto agradeceu a presença das autoridades e fez deferência ao governador em exercício.  Carlos Brandão desejou “sucesso ao amigo e parceiro, que vamos continuar andando de mãos dadas”, como foi na gestão do Humberto.

Outro que desejou sucesso ao novo presidente foi o deputado federal Zé Reinaldo. “Vim prestigiar a posse do amigo Othelino, mesmo nesse momento triste, mas a vida tem que continuar, e desejar sucesso muito grande e contribuir para o sucesso de sua gestão”, garantiu. O deputado André Fufuca fez votos na mesma linha e assegurou que Othelino tem condições de fazer um trabalho à altura do executado por Humberto Coutinho.

Coletiva concorrida

Após o ato na Presidência, Othelino concedeu entrevista coletiva no Plenarinho, acompanhado pelos deputados Cabo Campos, Glaubert Cutrim, Fernando Furtado, Stenio Rezende e Rafael Leitoa.

Ele respondeu a várias perguntas, sobre diversos tópicos, como a escolha do 4º vice-presidente, que se dará após o início dos trabalhos legislativos, em fevereiro.

Disse também que vai manter harmonia entre os poderes, mesmo nesses momentos de crises financeira, política e até institucional do país.

Pediu paciência e compreensão aos colegas de plenário, nesse momento de efetivação no exercício da Presidência. “Mas vai ser difícil fazer um trabalho à altura do que foi realizado por Humberto”, afirmou.

No final, colocou-se à disposição da imprensa e contou que já mantém um relacionamento estreito com vários profissionais.

Assembleia realizará procedimento administrativo para oficializar condução de Othelino à Presidência

Agência Assembleia

Na próxima quinta-feira (4), às 10h, a Assembleia Legislativa do Maranhão realizará um procedimento administrativo para oficializar a condução do deputado Othelino Neto (PCdoB) ao cargo de presidente da Casa. Com a morte do deputado Humberto Coutinho (PDT), o cargo de presidente abre vacância e será ocupado, de forma definitiva, por ordem de sucessão natural, pelo 1º Vice-Presidente. Em tempo, o procedimento será realizado em caráter administrativo em razão de a Assembleia estar em período de luto oficial.

De acordo com o regimento interno, em seu artigo décimo, declarado vago o cargo na Mesa Diretora, a sucessão dar-se-á da seguinte forma: “I – Para o cargo de Presidente pelo 1º Vice-Presidente e para este e os demais obedecidos na ordem de sua sequência, realizando-se a eleição para os que restarem vagos, no prazo de até cinco sessões ordinárias, obedecidas as regras do Art. 8 deste Regimento Interno; II – Para o cargo de Secretário, aplica-se a regra de sucessão prevista no inciso anterior, no prazo de até cinco sessões, nos termos do Art. 8 do Regimento Interno”.

Com o remanejamento dos cargos, a composição da Mesa será feita da seguinte forma: Fábio Macedo (PDT) – primeiro vice-presidente; Josimar de Maranhãozinho (PR) – segundo vice-presidente; Adriano Sarney (PV) – terceiro vice-presidente; Ricardo Rios (PEN) – primeiro secretário; Stênio Rezende (DEM) – segundo secretário; Zé Inácio (PT) – terceiro secretário; e Nina Melo (PMDB) – quarta secretária. O cargo de quarto vice-presidente ficará vago, aguardando nova eleição que deverá ocorrer no prazo de até cinco sessões ordinárias.

SUPLÊNCIA

Além de influenciar diretamente na alteração da composição da Mesa Diretora, o falecimento do deputado Humberto Coutinho também altera a suplência de deputado estadual.

O deputado Rafael Leitoa (PDT), primeiro suplente na chapa que elegeu o deputado Humberto, será efetivado na função, assumindo de forma definitiva o cargo.

O segundo suplente, Fernando Furtado (PCdoB), também tomará posse como deputado estadual na vaga do deputado licenciado Neto Evangelista (PSDB), já que é o primeiro na ordem de sucessão, após Rafael Leitoa.

Othelino diz que oposicionistas perderam a oportunidade mostrar que não estão com “dor de cotovelo”

O deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) rebateu, na sessão desta quinta-feira (16), a oposição que tentou explorar, politicamente, a sessão especial com o secretário estadual de Infraestrutura, Cleyton Noleto, para tratar do programa “Mais Asfalto”. Em resposta, o vice-presidente da Assembleia Legislativa lembrou ao deputado Adriano Sarney (PV) que o maior legado da oligarquia foi ter deixado o Maranhão como o Estado mais pobre e mais injusto da Federação.

“Esse é o legado que vocês carregam nas costas como um carimbo que o tempo passa e não sai, porque receberam um Estado próspero e entregaram-no com os piores indicadores do Brasil, com o povo mais pobre do país. Mandaram no Maranhão, na República e entregaram o Estado na pior situação possível, e isso ninguém vai conseguir tirar, nem a força do império de comunicação tem como tirar. Vocês vão carregar para sempre e para toda a história a mácula de ter entregue um Estado, visivelmente, muito mais pobre do que receberam”, comentou.

Durante o seu pronunciamento, Othelino Neto disse que Cleyton Noleto atendeu a um convite, fruto de um requerimento do deputado Edilázio Júnior (PV). O vice-presidente da Assembleia explicou que não se tratou de uma convocação e que o secretário, prontamente, veio na maior boa vontade ao parlamento para tratar do programa “Mais Asfalto” e não esperava ser recepcionado por interesses, meramente, político-eleitoreiros.

“Se medo tivesse de falar das ações de sua secretaria ou do programa Mais Asfalto, poderia não ter vindo. Poderia ter protelado a vinda. Nós sabemos que esta Casa tem uma ampla maioria governista e, num debate interno, poderia  ser indeferido o requerimento de convocação do secretário. Mas o líder do governo, deputado Rogério Cafeteira, inclusive, propôs que transformasse em convite para que ele garantisse a vinda do secretário aqui. Na data em que nós marcamos, ele veio”, disse.

Othelino destacou que Cleyton Noleto se prontificou e ficou, durante cerca de seis horas, tempo necessário, para ouvir todas as intervenções dos 13 deputados que foram à tribuna para se manifestar e fazer questionamentos. Segundo o vice-presidente, que conduziu a sessão especial, dos 13 deputados que foram à tribuna, seis são de oposição, alguns com mais veemência, outros de forma mais comedida, todos fizeram as suas críticas, as suas perguntas e o secretário Clayton respondeu a todas. “Ele foi, inclusive, corajoso ao ponto de aceitar uma sistemática não usual, proposta pelo deputado Braide,  que foi mais ou menos como fazer um ping pong”, comentou.

Segundo Othelino, os deputados da oposição perderam uma boa oportunidade de mostrar para a sociedade que não estão com “dor de cotovelo” e que concordam com o programa “Mais Asfalto”, porque ser contra uma ação, que leva pavimentação para as ruas das pessoas, não se pode atribuir a isso outra coisa, porque só é contra o asfalto quem nunca comeu poeira na sua casa.

“Olha, tomem cuidado, porque, possivelmente, os eleitores de vocês estão escutando isso. Pode ter, lá no município de Bequimão, onde o deputado Adriano Sarney foi muito bem votado, um eleitor que não gostou do comentário. Pode ter, lá em Timon, onde o Edilázio foi votado, alguns eleitores que receberam os benefícios do Mais Asfalto e não gostaram de ouvi-lo protestando contra o programa aqui. As ações do Mais Asfalto aconteceram no período eleitoral, como aconteceram antes do período eleitoral”, afirmou.

Othelino Neto disse ainda que os números  citados pelo secretário colocaram abaixo os argumentos de que o “Mais Asfalto” tem um viés eleitoral. Segundo o deputado, o investimento do programa foi maior em 2015 do que em 2016.

Mais Asfalto

No pronunciamento, Othelino disse que se a oposição mandar fazer uma pesquisa vai perceber  que o governo Flávio Dino está muito bem avaliado no Maranhão. Segundo ainda o deputado, as obras do governo não pararam após as eleições passadas. “Se você observar, inclusive São Luís, o prefeito Edivaldo Holanda Júnior, no dia seguinte a sua reeleição, estava visitando obras na cidade. Agora, se você for olhar a capital agora, claro que o ritmo das obras diminuiu, porque nós estamos em pleno período chuvoso. Vai jogar dinheiro público fora?”, indagou.

“Agora, mesmo respeitando esse embate, que é natural e legitimo, é evidente que o governo Flávio Dino não agrada a todos. Mas ele não agrada, principalmente, a uma minoria que mandava no Maranhão e que agora não manda mais. Vocês eram acostumados a um modelo antigo, por isso se incomodam tanto com o Mais Asfalto, porque se beneficiavam com base em programas eleitoreiros”, alfinetou Othelino Neto.

O deputado disse que o programa “Mais Asfalto” vai continuar e chegará aos 217 municípios do Maranhão assim como muitas outras obras importantes vão acontecer no Estado. De acordo com o parlamentar, ao chegar a 2018, o Maranhão, em quatro anos, vai estar melhor do que esteve no passado porque, ao longo desse período, terá sido feito muito mais pelo Maranhão do que o grupo Sarney fez em 50. “Mas essa é uma análise mais íntima que vocês farão porque, em dois anos, o Maranhão já é diferente”, concluiu.

Deputados desmentem factóide sobre aumento de salários de governador, vice e secretários

Os deputados estaduais Othelino Neto (PCdoB) e Rogério Cafeteria (PSB) usaram as redes sociais para desmentir factóide divulgados em blogs maranhenses de que haveria aumento salarial para os cargos de governador, vice e secretário de Estado.

O líder do governo na Assembleia Legislativa, o deputado Rógerio Cafeteira, usou sua conta pessoal no Twitter em repúdio ao boato e ao tipo de prática jornalística usada na construção do factóide.

“Absolutamente mentirosa a notícia de aumento dos salários de governador, vice e secretários. Impressionante o nível que chegamos”, disse Rógerio Cafeteira.
O deputado Othelino Neto também se manifestou sobre o assunto, lembrando que, segundo a Constituição Brasileira, quem define anualmente os vencimentos do governador, vice e secretário, e que os valores para o exercício 2017 são os mesmos fixados em dezembro de 2014.

“O Projeto de Lei número 226/2016 mantém exatamente os mesmos valores que foram fixados em dezembro de 2014. É falsa a informação de que tramita um projeto de lei que aumentará o valor dos salários do governador, do vice e dos seus secretários”, esclareceu o Othelino Neto.

Flávio Dino desmonta farsa

Ainda na noite desta segunda-feira (19), o governador Flávio Dino também usou as redes sociais para desmentir os boatos.

“É absolutamente mentirosa a notícia de aumento de salário de governador, vice e secretários de estado no Maranhão. Uma invenção criminosa”, ressaltou Dino.

Flávio Dino alertou ainda sobre a importância da não divulgação de falsas notícias. “Peço respeitosamente que ninguém se deixe pautar por pessoas que usam a mentira como meio de vida. Fico indignado em como há gente especializada em fazer o mal. Por essas e outras, que muita gente séria não quer saber de política”, declarou.

O Projeto de Lei 226/2016, em que constam os valores que serão praticados em 2017, pode ser conferido no Diário Oficial da última segunda-feira, dia 19 de dezembro.

Othelino critica aprovação da PEC dos Gastos Públicos no Senado

2e089468bffd7838f080be020a36956aO presidente em exercício da Assembleia Legislativa, deputado estadual Othelino Neto (PCdoB), lamentou, na sessão desta quarta-feira (30), a aprovação, no Senado, da PEC 55, que impõe graves retrocessos ao Brasil quanto à questão dos gastos públicos. Para o parlamentar, é necessário economizar para reequilibrar receitas e despesas, mas o governo Michel Temer cumpre um papel muito negativo quando resolve cortar, justamente, onde não deveria se reduzir jamais investimentos, em setores essenciais como educação e saúde.

“Só um governo que começou de forma antidemocrática, casuística, golpeando a democracia, pode se prestar a um papel como esse. E em um dia de tristeza para todo mundo, em especial para os brasileiros, o Senado aprovou, em primeiro turno, a PEC da Maldade, e o presidente da República quebrou o monopólio da Petrobras no que diz respeito à exploração do Pré-Sal”, analisou Othelino Neto.

Segundo Othelino, somente um governo que começou sem voto, como o governo do presidente Michel Temer e que não tem futuro, pode querer adotar tais medidas. Sobre a proposição, Othelino disse que ela condena milhões a morrerem por falta de assistência médica e compromete o futuro do país, porque reduz os já parcos investimentos na saúde pública.

“Isso é o resultado de um governo ilegítimo. Vai terminar como um presidente que rasgou a Constituição de 88. Em particular, no que diz respeito ao estado social. Está revogando avanços sociais conquistados a duras penas e sob muita luta e sacrifício de gerações e gerações. Esse, até agora, vem sendo o saldo do governo Temer: golpe contra o Estado, contra a democracia, contra os direitos dos trabalhadores e os direitos adquiridos”, disse o deputado.

Othelino afirmou ainda que um presidente eleito pelo povo não se prestaria a esse serviço. “Se não foi o povo que o colocou ali, Michel Temer, certamente, não tem o compromisso com o país, porque chegou pelas mãos de alguns. Não veio pela vontade de milhões de brasileiros. E quando terminar essa missão, se é que ela vai acabar ao final de 2018, porque pelo andar da carruagem é possível que isso aconteça antes, pode haver o golpe do golpe”, alfinetou.

Para finalizar, Othelino disse que se trata de um momento de muita tristeza para a política do país o que o presidente da República está cometendo contra os brasileiros. “Vejo com muita tristeza. E o pior é ver que a maioria do Senado, com os votos dos três senadores do Maranhão, aprovou esse atentado contra os direitos sociais do povo”, concluiu.

Tramitação da PEC 55

O plenário do Senado concluiu, no início da madrugada desta quarta-feira (30), a votação, em primeiro turno, da Proposta de Emenda à Constituição 55, que estabelece um limite para os gastos públicos pelos próximos 20 anos. A PEC ainda precisa ser analisada em segundo turno, previsto para 13 de dezembro.

O texto-base da proposta já havia sido aprovado na noite desta terça (29), mas, para concluir a votação, os senadores precisavam analisar três destaques (sugestões de alteração ao texto), que acabaram todos rejeitados. Um deles, por exemplo, excluía os investimentos em saúde e em educação do teto.

Por se tratar de uma proposta de mudança na Constituição, a proposta, para ir a segundo turno, precisava ser aprovada por pelo menos três quintos dos parlamentares (49 dos 81) e recebeu 61 votos (14 senadores foram contra) – saiba como cada senador votou.

Conluída a análise em primeiro turno, a PEC deverá ser analisada em segundo turno no próximo dia 13 de dezembro – no qual também precisará do apoio de, ao menos, 49 senadores.

Governador e presidente da Assembleia do MA lamentam tragédia

O governador Flávio Dino se manifestou por meio das redes sociais lamentando a morte de mais de 70 pessoas no voo da delegação da Chapecoense na Colômbia. O governador lamentou as mortes, enfatizando o maranhense Ananias.

flavio-lamentoO presidente interino da Assembleia Legislativa, Othelino Neto, emitiu nota de pesar, também direcionada especialmente à família do jogador maranhense.

Confira a nota:

A Assembleia Legislativa do Maranhão manifesta profundo pesar pela tragédia envolvendo a queda do avião que transportava a delegação da Chapecoense, jornalistas e convidados. O time catarinense se dirigia à cidade de Medellín, na Colômbia, para disputar o primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana.

Entre as vítimas do acidente está o jogador maranhense Ananias, atacante da Chapecoense. Ananias atuou também no Bahia, Portuguesa, Cruzeiro e Sport.

A Assembleia Legislativa solidariza-se com os familiares e amigos do jogador maranhense, estendendo o seu pesar a todos os entes queridos das vítimas do acidente e rogando a Deus o conforto necessário para superar esse momento de grande dor.

Deputado Othelino Neto

Presidente interino da Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão

Othelino: “Se Wellington não está confiando em Braide, imagine os eleitores”

othelinoAo destacar o crescimento da candidatura de Edivaldo Holanda Júnior (PDT), o deputado Othelino Neto também ratificou o fato de o mais novo “entusiasta” da candidatura de Eduardo Braide, o deputado Wellington do Curso, mostrar seu desconforto e desconfiança sobre o candidato.

Othelino lembrou que em campanha dentro do Curso Wellington, o deputado do PP disse que Braide “não é flor que se cheire”.  “Eu não estou concordando com a afirmação, eu estou apenas reprisando e enfatizando as palavras do Deputado Wellington. Então, se ele acha que o candidato não é flor que se cheire, ele não devia pedir voto para este candidato, porque é incoerente”.

O comunista disse que a desconfiança de Wellington faz com que o eleitor que quer influenciar desconfie mais ainda. “Ele próprio manifestou o incômodo quando, nas palavras do próprio Deputado Wellington, disse que manifestou claramente que não estava confortável com a decisão. Então, se ele que manifestou o apoio não está confiando, imagine os eleitores que ele está querendo induzir”, pontuou.

O deputado Othelino também expressou que apoia Edivaldo sem constrangimento porque confia no trabalho realizado por ele na cidade.

Othelino explica quebra de acordo que levou à candidatura de Leonardo Sá em Pinheiro

Foto67-SESSÃO ORDINARIA - 140316 - por J R LISBOA (Medium)O deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) foi à tribuna esclarecer  o posicionamento político do grupo liderado pelo PCdoB em Pinheiro que resolveu confirmar a candidatura do médico Leonardo Sá a prefeito, após rompimento de acordo político por parte do suplente de deputado estadual Luciano Genésio (PP). “Achei necessário vir fazer esses esclarecimentos para que não ficasse uma confusão na opinião pública”, disse.

Pelo acordo político fechado anteriormente, Leonardo Sá, em nome da união da oposição, renunciaria à candidatura para ser vice na chapa encabeçada por Luciano Genésio. Porém, uma articulação feita pelo atual prefeito Filuca Mendes (PV), via Brasília, provocou uma intervenção no PP de Pinheiro, impossibilitando a composição  com o PCdoB. “Vejam que não foi uma resolução genérica proibindo alianças no Brasil todo ou mesmo no Maranhão. Foi específica para o município de Pinheiro”.

Othelino explicou que se o seu grupo político mantivesse a aliança, tendo como vice Leonardo do PCdoB, o PP nacional iria fazer uma intervenção no partido e a chapa ficaria judicializada durante toda a campanha, prejudicando até a apresentação de propostas aos eleitores. “Na prática, o PP faria a intervenção e iríamos ter que passar a campanha toda na Justiça, em vez de cuidar do principal, que são as propostas para melhorar a cidade de Pinheiro. Ficaríamos preocupados com um embate judicial, que tiraria o foco principal da campanha”, disse.

Segundo o deputado, após o problema de intervenção no PP, todo o grupo, incluindo Luciano Genésio, reuniu-se com o  presidente do PCdoB, Márcio Jerry, e, diante do impasse e dos riscos, acertou que o candidato da oposição seria Leonardo Sá e que o suplente de deputado indicaria o vice.

“Mas, para nossa surpresa, quando chegou o horário da convenção, Luciano Genésio mudou de ideia e não confirmou o acordo. Quando não se cumprem acordos políticos, acaba que a reação não é a desejada”, comentou.

Diante do não cumprimento do acordo entre todas as partes envolvidas, o grupo, incluindo todos os partidos aliados, decidiu que o PCdoB lançaria candidato próprio em Pinheiro. Na composição, o PDT indicou a candidata a vice-prefeita, Ana Paula Lobato, esposa do deputado Othelino.

A Frente, que apoia Leonardo Sá, inclui partidos como DEM, PDT, PCdoB, PRB,  PR, PSC, PEN, PSB, etc. “Essa ampla Frente terá condições de mostrar para a cidade de Pinheiro que é possível ter outra alternativa”, disse o deputado.

Luciano retira candidatura e Leonardo Sá será o candidato de Flávio em Pinheiro

lucianoflavioleonardoothelino

Blog da Silvia Tereza – O suplente de deputado Luciano Genésio (PP) retirou candidatura a prefeito de Pinheiro, na noite desta sexta-feira (05), em nome da união da oposição contra o atual prefeito Filuca Mendes (PV), e apoiará a candidatura do vereador e médico Leonardo Sá (PCdoB) que formou coligação com a força de 16 partidos. A esposa do pepista,  Thaísa Hortegal (PCdoB), será a  candidata a vice-prefeita na chapa.

A reviravolta se deu por conta da intervenção forçada e manipulada do PP nacional, na quinta-feira (05), impedindo a chapa Luciano Genésio, candidato a prefeito, e Leonardo vice-prefeito. A inesperada estratégia da oposição cai agora como uma bomba nos planos de reeleição do prefeito de Pinheiro, Filuca Mendes (PV),  tido como o “estimulador” da decisão do PP.

Com tentáculos em Brasília, leia-se o senador Roberto Rocha (PSB), Filuca Mendes (PV), havia se mexido em uma trama para provocar uma intervenção no Partido Progressista (PP) em Pinheiro, impedindo a aliança com o PCdoB do vereador Leonardo Sá. Desesperado por ver seu projeto de reeleição ir por água a baixo, o alcaide pensou que estivesse “dando um golpe” em Luciano Genésio, mas o feitiço virou contra o feiticeiro no último prazo da convenção.

Segundo o deputado estadual Othelino Neto (PCdoB), que apoia a oposição em Pinheiro,  a intervenção no PP foi uma violência contra a vontade de mudança manifestada pela população.  “A resposta nós vamos dar nas urnas com a oposição unida”, disse.

Entenda o caso

O senador Ciro Nogueira, presidente nacional do PP, determinou, na quinta-feira (04), que a legenda não compusesse com o PCdoB no município, o que inviabilizou a chapa governista encabeçada pelo suplente de deputado Luciano Genésio.

Desesperado com a possibilidade de não se reeleger, Filuca cobrou a fatura do PP pelo voto do filho, o deputado federal Victor Mendes, a favor da admissibilidade do impeachment de Dilma Rousseff (PT) na Câmara Federal. Foi buscar apoio com Roberto Rocha para a trama.

Primo da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), o prefeito apostava na divisão da oposição para vencer em outubro. No entanto,  semana passada, a oposição decidiu se unir e o médico Leonardo Sá retirou candidatura a prefeito para ser vice de Luciano.