Raimundo Penha será ser reconduzido à presidência do PDT de São Luís

O PDT irá realizar sua Convenção neste sábado, na Batuque Brasil, com eleição dos Diretórios Municipal e Estadual. O evento terá a presença de Ciro Gomes, da bancada federal do PDT, do presidente nacional do partido, Carlos Lupi, de presidentes de partido, lideranças locais e estaduais. A pré-candidatura do deputado Weverton ao Senado será reafirmada.

Ainda está sendo articulada a formação da chapa do diretório de São Luís. Mas já é consenso que o atual presidente, que comanda a provisória, Raimundo Penha será reconduzido ao cargo, desta vez como presidente do diretório de fato.

Penha tem total confiança de Weverton Rocha para continuar na liderança do partido. E os vereadores da legenda que tem a maior bancada da Câmara Municipal também já fecharam questão.

O vice-presidente da Câmara Municipal de São Luís, vereador Osmar Filho, confirmou que a questão está fechada. “Ele tem o meu apoio e de toda a bancada. Ele tem feito um grande trabalho dando dinamismo ao partido e valorizando os movimentos sociais que lutam na agremiação”, afirmou.

A forte aliança entre Flávio Dino e Weverton Rocha

flaviowevertonDesde a pré-campanha da eleição de 2014, o grupo Sarney bate cabeça para tentar intrigar o PDT, do deputado federal Weverton Rocha, e o PCdoB, do governador Flávio Dino. Tentativas em vão. A aliança de pedetistas e comunistas segue sólida e caminhando para composição na chapa de governador e um dos candidatos a senador em 2018.

Weverton Rocha foi fundamental para que o PDT estivesse no projeto de Flávio desde 2012, quando muitos membros do partido queriam aliança com João Castelo e o partido ficou com o então candidato do PTC, Edivaldo Holanda Júnior.

Em 2014, o PDT indicaria o vice na chapa do governador Flávio Dino, mas pelo tempo de televisão e a incorporação de lideranças importantes do tucanato maranhense, o PSDB indicou o vice. O grupo Sarney fez força para gerar intriga porque Weverton e PDT estariam perdendo força com Flávio. Mas Weverton mostrou grandeza e manteve os trabalhistas no projeto contra o grupo que cassou o mandato de Jackson Lago.

E Weverton chegou a 2016 como principal articulador da eleição do aliado de Flávio Dino em São Luís: o prefeito Edivaldo. Os pedetistas elegeram muitos prefeitos em cidades importantes também nestas eleições. Com o PSB nas mãos do Senador Roberto Rocha e uma grande chance do PSDB também sair da base, o PDT é hoje o maior e mais confiável partido aliado do PCdoB no Maranhão.

A parceria que começou em 2012 se manteve em todas as eleições seguintes. E em todas elas, Weverton Rocha, Flávio Dino e Márcio Jerry protagonizaram as articulações para as vitórias.

Em 2018, novamente PDT e PCdoB caminham para mais uma dobradinha com grandes chances de eleger governador e os dois senadores (sendo pelo menos um pedetista). E o grupo Sarney já se assusta e começa a tentativa de intriga.

Por voto contra o impeachment, PT vai com Roberto Rocha e contra PCdoB/PDT em cidades do MA

Folha destaca pressão de Roberto Rocha para tomar apoios do PT em municípios em troca de voto contra impeachment

Folha destaca pressão de Roberto Rocha para tomar apoios do PT em municípios em troca de voto contra impeachment

Folha de São Paulo – Um pedido da presidente afastada, Dilma Rousseff, abriu uma crise entre o comando do PT e do PCdoB.

Na expectativa de conquista de votos contrários a seu impeachment no Senado, Dilma pediu que a cúpula do PT interviesse em cinco cidades do Maranhão em atendimento a reivindicações dos senadores maranhenses João Alberto (PMDB) e Roberto Rocha (PSB).

O comando do PT interveio em apenas dois municípios. Em Codó, quinta maior cidade do Estado, determinou que o PT rompesse a aliança com o PC do B, na qual ocuparia a vice da chapa, para apoiar o candidato do PSDB.

Em Timon, terceiro maior município do Maranhão, a direção petista decidiu que o partido saísse de uma chapa composta por PSB e PC do B em favor do outra integrada por PSD e PMDB.

Segundo petistas, a operação também contemplaria o senador Edison Lobão (PMDB-MA).

A Folha apurou que o presidente do PT, Rui Falcão, atendeu parcialmente as solicitações de Dilma. Em respeito aos pedidos do governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), não houve intervenção também em São Luís, Imperatriz e Balsas.

As concessões foram, porém, suficientes para incomodar a cúpula do PC do B, que procurou a cúpula do PT e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A mobilização foi também para evitar novas intervenções.

Presidente nacional do PC do B, Luciana Santos diz não querer acreditar nas decisões do partido. “Depois de todos gestos que o Flávio [Dino] fez [contra o impeachment], isso não é brincadeira”, reclama Luciana Santos, que é candidata à Prefeitura de Olinda (PE) sem apoio do PT.

Deputado federal pelo PDT do Maranhão, Ewerton Rocha diz que seu partido terá que dar uma resposta ao PT.

O secretário de Organização do PT, Florisvaldo Souza, minimizou, por sua vez, o impacto das medidas do Diretório Nacional.

Ele argumenta que o PT manteve a aliança com o PC do B nas principais cidades do Maranhão, atendendo às orientações do governador. Florisvaldo diz que foi responsável pelas intervenções.

Questionado se esse era um pedido da presidente afastada, limitou-se a dizer: “Eu me reservo o direito de não não falar sobre isso. Não vou responder”.

O senador Roberto Rocha (PSB-MA) nega que tenha exigido alianças no Estado em troca de um voto contrário ao impeachment no Senado Federal. Ele admite ter conversado com Dilma e com o presidente interino, Michel Temer (PMDB).

“Quem disse que posso mudar meu voto? Eu ainda não disse qual será. Minha tendência é seguir a decisão do partido, que não tomou decisão”, disse o senador.

Esse não é o único atrito recente entre PT e PC do B. Petistas reclamam, por exemplo, de um aliança dos comunistas com o DEM em Fortaleza. Integrantes do comando do PT culpam o PC do B por sua derrota na eleição para a presidência da Câmara.

Afirmam que o candidato apoiado pelo PT, Marcelo Castro (PI), não teria sido derrotado caso o PC do B o apoiasse. Mas, em vez disso, comunistas lançaram o deputado Orlando Silva (SP), que, mais tarde, apoiou o vencedor Rodrigo Maia (DEM-RJ) para o cargo. Silva, que conversou com Lula antes da decisão, rebate: “O PC do B não é um acessório do PT”.

Flávio Dino revela que havia acordo para que Leo Costa não fosse candidato à reeleição

Costa tinha assumido compromisso de não ser candidato à reeleição

Costa tinha assumido compromisso de não ser candidato à reeleição

O prefeito de Barreirinhas, Leo Costa (PDT) conseguiu liminar na Justiça para ser candidato à reeleição no município. Acontece que o PDT interveio para que o partido apoie o candidato Amilcar Rocha (PCdoB). A confusão é grande entre PDT e Leo Costa no município.

Em entrevista ao jornalista Raimundo Garrone, o governador Flávio Dino revelou de forma clara o que já era comentado nos bastidores por pedetistas no bastidores: havia um acordo feito pelo próprio Leo Costa de que ele não seria candidato à reeleição. Com esta promessa, conseguiu atrair uma ampla coligação para sua candidatura em 2012.

O partido [PDT] adotou uma intervenção visando cumprir um acordo de 2012. Foi feito um acordo na minha presença de que o prefeito Leo não seria candidato à reeleição e apoiaria outro candidato. Este acordo propiciou a grande união em torno do Leo que propiciou sua vitória na eleição em 2012.  Teremos uma disputa interna no PDT e vamos acompanhar. De qualquer forma, estarei no palanque do candidato Amilcar [Rocha]”, afirmou o governador.

PDT, PR, DEM e PROS formam a maior coligação para vereador

Foto de Clodoaldo Corrêa

A mais forte coligação para eleição proporcional de São Luís foi formada há pouco. Dirigentes de PDT, PR, DEM e PROS formarão uma poderosa coligação na busca de vagas na Câmara Municipal de São Luís. A perspectiva é de eleição de 9 a 10 vereadores.

Somente com mandato, a coligação possui Astro de Ogum (PR), Osmar Filho (PDT), Pavão Filho (PDT), Barbosa Lages (PDT), Ivaldo Rodrigues (PDT), Beto Castro (PROS), Marquinhos (DEM) e Rômulo Franco (DEM). este último é suplente no exercício do mandato.

Mas todos estes partidos têm uma quantidade significativa de pré-candidatos já testados nas urnas com cerca de 2 mil votos e outros com potencial ainda maior. O que garantirá a maior bancada da Câmara Municipal.

O curioso é que Ivaldo Rodrigues e Marquinhos, que são desafetos por disputarem votos na mesma região, estão na mesma coligação. esta disputa interna será ainda mais interessante.

No dia do anúncio dos aliados, Roberto Rocha faz investida para fechar com Edivaldo

robertoedivaldoO senador Roberto Rocha deu o braço a torcer sobre a eleição municipal de São Luís e colocou o PSB de vez na rota dos partidos que devem fechar aliança com o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT). Justamente ontem (11), no dia em que o presidente do PCdoB, Márcio Jerry, anunciou que todos os principais pré-candidatos a prefeito de São Luís são aliados do governo e terão o respeito do Palácio dos Leões, Rocha só viu uma saída: levar o PSB para o favorito e negociar as melhores condições.

O senador teve uma longa reunião ontem com a alta cúpula holandista, e está a um passo de fechar com Edivaldo. Mas Rocha não quer ir “de graça”. O senador joga duro para impor o vice na chapa de Edivaldo e quer seu filho Roberto Rocha Júnior como companheiro de chapa de Edivaldo.

No atual cenário, Rocha vê o caminho para não ser derrotado, colocando seu filho numa posição estratégica, já que, se eleito, Edivaldo estará no segundo mandato e com grandes chances de deixar o cargo antes do final do mandato para alguma outra candidatura.

Mas PT e PCdoB continuam de olho na vaga de vice de Edivaldo e nem pensam em ceder a vaga para o PSB. O jogo deve ferver nos próximos dias.

Pré-candidatos participam de seminário de formação política promovido pelo PDT‏

2V5J6519 (1)Pré-candidatos a vereador das eleições municipais de outubro próximo que apoiam o projeto de reeleição do prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Junior, participaram neste final de semana do seminário de formação política promovido pelo PDT. O evento foi realizado no auditório do Hotel Abeville e tinha por objetivo transmitir orientações gerais quanto à legislação eleitoral, financiamento e ações de comunicação durante o período de campanha e pré-campanha.

O seminário contou com a presença do prefeito de São Luís e candidato à reeleição, Edivaldo Holanda Júnior, bem como de integrantes dos outros 13 partidos que já manifestaram apoio à sua candidatura. Durante a abertura do evento, Edivaldo conversou com os presentes, compartilhando experiências da sua trajetória política.

2V5J6571Ele reforçou a importância do diálogo permanente com as comunidades.

“Conversem com grupos pequenos das comunidades com o mesmo entusiasmo com que falam para uma multidão. Cada pessoa é um cidadão que quer ouvir as suas propostas para a cidade. É um trabalho árduo para todos os que querem fazer o bem na política, mas vale a pena. Mostrem que a política pode ser feita por pessoas de bem”, disse Edivaldo.

PROGRAMAÇÃO

Da programação do seminário, também constaram as palestras “Nossa história, nossas lutas, para construir um presente de lutas e avanços”, com a palestrante Marília Bogéa; “As inovações na legislação eleitoral”, com o especialista em direito eleitoral, José Luís Gama; “Prestação de contas”, com Luís Carlos Ribeiro; e “Marketing político – a vez do digital”, com o palestrante Luís Gallo.

Militância do PDT mostra mais uma vez força da pré-candidatura de Edivaldo

Mobilizacao_Para_Lancamento_Pre-candidatura_130616_ (4)

O auditório do PDT ficou pequeno para a grande quantidade de militantes que se reuniu na noite desta segunda-feira (13). A reunião de mobilização contou com a presença do prefeito Edivaldo Holanda Júnior e de figuras importantes do PDT, como o deputado federal Weverton Rocha e o deputado estadual Rafael Leitoa, bem como representantes de movimentos negro, da juventude e da mulher, que também reforçaram o apoio a Edivaldo.

Durante a reunião, Edivaldo cumprimentou os militantes e reforçou a importância histórica da legenda para o Maranhão. “O apoio vindo dos militantes deste partido do qual agora faço parte é de grande importânca, porque é um partido com uma vasta história na política maranhense”, disse.

Mobilizacao_Para_Lancamento_Pre-candidatura_130616_ (3)O deputado federal Weverton Rocha reforçou o apoio integral à reeleição de Edivaldo e pediu ao partido toda a sua dedicação. “Estamos com Edivaldo pra vencer. A cidade deve e merece continuar a ter este trabalho sério que ele vem realizando. Ele sabe de cada problema e de cada desafio da cidade, tem feito o possível para resolvê-los e está conseguindo. É preciso que a militância esteja mais unida e mobilizada como sempre foi”, afirmou.

Weverton: “PDT não precisa fazer oposição ao governo Temer; ele mesmo faz”

wevertonO líder do PDT na Câmara Federal, deputado Weverton Rocha, em sua fala na tribuna durante a sessão da meta fiscal, enfatizou que os destaques apresentados a cada veto são fruto dos meses de obstruções dos próprios partidos que compõem a base do governo interino, e não tentativas de impedir a aprovação da meta.

“Não é prudente afirmar que os partidos que não compõem a base do governo estão atrapalhando o Brasil e não querem contribuir. Os nossos destaques e posições são responsáveis e visam contribuir com a retomada do crescimento do país”, disse o pedetista.

Weverton ressaltou, ainda, que o PDT não precisa fazer oposição ao governo interino de Michel Temer, pois o mesmo tem feito oposição a si mesmo com tantos erros e retrocessos, como a tentativa de acabar com o Ministério da Cultura e a fusão das ações de Assistência Social, que vem preocupando representantes do Sistema Único de Assistência Social (SUAS).

O parlamentar maranhense finalizou dando o tom da oposição responsável. “Reafirmo a posição do PDT: Se for bom para o Brasil ajudaremos a aprovar. Mas se for retrocessos, diminuições de direitos e conquistas populares não contem conosco”.

Política maranhense em notas

Deputados pró-impeachment mantêm cargos 

hildoitaparyO deputado estadual Zé Inácio criticou duramente os deputados federais pró-impeachment que sequer entregaram seus cargos no governo federal. “São deputados que não tiveram ou não têm a hombridade, o senso ético de dizer: entrego aqueles cargos que um aliado meu ocupa no estado, isso ocorre e ocorreu em vários estados. A partir de agora eu peço que seja exonerado. Talvez a hombridade e ética não estejam em seus dicionários, mas era o mínimo que eles deveriam fazer.”, criticou. Zé Inácio lembrou os cargos que possuem Cléber Verde (Incra) e Hildo Rocha (DNIT e EBC). Zé Inácio afirmou que a luta continuará pela democracia. Nunca é demais lembrar que o aliado de Hildo é o responsável pela buraqueira da BR-135, Maurício Itapary (foto).

Bira pede novas eleições

biraO deputado estadual Bira do Pindaré (PSB) conclamou por novas eleições diretas para presidente. Para ele, ao invés de debater o mérito, os deputados federais transformaram a sessão em eleição indireta para presidente da república. Para ele,  é necessário resgatar a luta pelas ‘Diretas Já’ para assegurar ao povo o direito de escolher o seu presidente, já que as pesquisas confirmam a rejeição do vice Michel Temer para o cargo de Presidente.

O preço da incoerência

dilmatemerNunca é demais lembrar o preço da incoerência das alianças do PT. Tudo, claro, em nome da governabilidade, que fez o partido se aliar a partidos como o PMDB. A coligação que elegeu Dilma tinha PT, PMDB, PSD, PP, PR, PROS, PDT, PCdoB e PRB. Na hora da verdade, só quem esteve com o governo foram os partidos que tem ideologia como PCdoB. Até o PSOL, que é oposição, mas que não vota com a direita, votou com Dilma. A governabilidade mata mais um governo de esquerda.

Gastão lamenta traição do PROS

gastaoDurante o ato no qual o PROS declarou apoio à pré-candidatura do prefeito Edivaldo à reeleição, o presidente do FNDE, Gastão Vieira, se mostrou extremamente constrangido com a traição dos deputados do PROS, sendo que quatro dos seis deputados do partido votaram a favor do impeachment da presidente Dilma. Ele lembrou que sua indicação foi acertada pelos membros da bancada com a presidente, justamente atrelado à votação do impeachment. “A presidente tem todo direito de me demitir. Foi feito um acordo. E quando eu vi a votação, o líder do meu partido foi o primeiro a votar contra o governo. Depois continuaram os demais”. E disse que servia de exemplo para seus filiados no Maranhão: “Partido tem que ter posição e comando. Acordos são feitos para serem cumpridos”.

Erro estratégico com voto frágil I

IMG-20160415-WA0002Houve um erro estratégico muito grande na articulação do governador Flávio Dino pelo voto do deputado Zé Reinaldo Tavares. Era público e notório que Reinaldo não queria votar contra o impeachment. Quem acompanhou a conversa que selou o voto viu Zé Reinaldo dizer um “sim” bem fraco a Flávio, mas ainda com aquela cara de quem “comeu e não gostou”. Parecia extremamente contraído. O voto já estava muito frágil e quando Reinaldo soube que um secretário estadual ainda ficou tirando onda contando vantagem do voto, se irritou de vez e fez o que fez.

Erro estratégico com voto frágil II

vistoriaobrasO governador Flávio Dino fez todos os movimentos corretos antes. Mas deveria ter ficado em Brasília articulando para garantir os votos que tinha e talvez conseguir até mais votos. Ele se deixou levar pela conversa tola de que “o governador fica em Brasília e não trabalha pelo Maranhão”. Veio para o estado vistoriar obras para dar satisfação. O povo reconhece que Flávio é o governador do Bolsa Escola, do Mais Asfalto com recuperação de milhares de quilômetros de estrada, do Escola Digna, do concurso para professores, reajustes e antecipação de pagamento de salário para funcionários, etc. Ninguém com o mínimo de coerência diz que Flávio não trabalha. Errou em cair no discurso da Mirante e não ficar em Brasília.

Ato em defesa da democracia

atodemocraciaO “Ato em Defesa da Democracia e da Constituição” será realizado na Assembleia Legislativa do Maranhão (Calhau), às 18h. Os deputados federais da bancada maranhense que votaram contra o impeachment serão homenageados durante o ato. O governador Flávio Dino faz questão de homenagear e agradecer aos deputados do Maranhão que votaram contra o golpe, pelo respeito à Constituição e à democracia.

PDT Também fará ato

Convite Ato PDT pela DemocraciaO PDT do Maranhão fará, nesta quarta-feira (20), na sede do partido, um ato pela democracia e contra o golpe. O encontro contará com a presença do presidente do Diretório Estadual do PDT, Weverton Rocha, de lideranças da sigla, de movimentos da legenda, entre eles, Juventude Socialista, Ação da Mulher Trabalhista, Movimento Negro, e Movimento Popular de Ação e Cultura.