Promotor diz que já tem provas robustas contra acusados do caso Sefaz

Página 2 – O processo da Ordem dos Advogados do Brasil no Maranhão (OAB-MA) contra o promotor do Caso Sefaz, Paulo Roberto Ramos, foi arquivado pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNPM) dando continuidade às investigações contra a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) e mais 8 envolvidos. Paulo Roberto Ramos informou ainda que a fase de perícia já está quase finalizada, mas que já tem “provas robustas contra os suspeitos” de desviar mais de R$1 milhão de reais dos cofres públicos do estado.

Ainda de acordo com o titular da 2ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Tributária no Maranhão, o processo da OAB contra ele foi na verdade uma “tentativa de criar uma narrativa de intimidação”, porém sem sucesso, já que o processo foi arquivado e os trâmites sequem normalmente até as testemunhas serem ouvidas em agosto deste ano.

“Um deles foi o deputado Hildo Rocha, também investigado no caso, a tentar criar esta tentativa de criar um fato político em cima do caso. Coisa que não existe”, garantiu o promotor com veemência. Anteriormente, em entrevista a uma rádio local, Paulo Roberto enfatizou seu pensamento afirmando que, se há suspeitas,  “todos devem ser investigados” independente do cargo que ocupam.

Processo na CNMP

Recentemente, a OAB reclamou ao CNMP que o processo da Sefaz, na verdade seria uma combinação entre Paulo Roberto Ramos e a juíza Cristina Sousa Ferraz Leite para combinar uma série de acusações contra os integrantes da Máfia Sefaz. Contudo, na avaliação do CNMP, a reclamação não tinha consistência para ser levada a frente, arquivando o processo pelo Corregedor do CNMP, Cláudio Henrique Portela do Rego. (Aline Alencar)

Juiz Clésio Coelho inocenta Roseana no caso Constran

Mais uma vez ele! O juiz Clésio Coelho Cunha, que está respondendo pela 3ª Vara Criminal, decidiu absolver a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) da denúncia da Promotoria de Justiça Especializada na Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa a respeito do caso Constran.

A ex-procuradora-geral do Estado, Helena Haickel, também foi inocentada. Clésio julgou inepta a denúncia sobre as duas e decidiu pela absolvição.

Roseana e outros 11 co-réus foram denunciados por recebimento de propina de R$ 33 milhões para liberar os precatórios da Constran, furando a fila dos precatórios. O doleiro Alberto Youssef entregou uma mala de dinheiro a um homem que seria enviado do ex-chefe da Casa Civil, João Abreu, como parte do pagamento da propina. Abreu chegou a ser preso.

PF realiza operação para investigar contrato da EMAP celebrado no governo Roseana

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta manhã (12), a operação Draga, com o objetivo de apurar fraude na licitação, execução e fiscalização da obra de dragagem de aprofundamento do P-100 ao P-104 do Porto de Itaqui em São Luís/MA.

Foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão (MBA) nas cidades de São Luís/MA, São José dos Campos/SP e Rio de Janeiro/RJ, expedidos pela Justiça Estadual- Central de Inquéritos e Custódia da Comarca da Ilha de São Luís/MA. A operação contou com a participação de cerca de 40 policiais federais.

A PF cumpriu três MBA em São Luís/MA: um no Porto de Itaqui, um na residência do Coordenador de Projetos da EMAP e um na residência do Diretor de Engenharia da EMAP. Além disso, foi determinada pela justiça a proibição de acesso ou frequência do Coordenador de Projetos e do Diretor de Engenharia à EMAP, e suspensão do exercício de sua função pública pelo prazo de 90 dias.

A investigação teve início com as declarações de um ex-funcionário da Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP), empresa estadual que administra o Porto de Itaqui em São Luís/MA.

O ex-funcionário declarou que apesar de ocupar a função de Gerente de Projetos, cargo no qual deveria acompanhar a execução da obra, o andamento da obra foi deliberadamente omitido do ex-funcionário, com o possível objetivo de ocultar fraudes.

A EMAP – Empresa Maranhense de Administração Portuária – esclareceu que a ação é referente ao processo de dragagem realizado pela empresa Jan De Nul do Brasil e serviço de batimetria realizado pela empresa Fotogeo, ambos licitados em 2014, ainda na gestão passada, e executados no começo de 2015.

A decisão judicial refere-se a fatos que remontam ao ano de 2009, ainda em debate administrativo no âmbito do Governo Federal.

Os serviços foram concluídos e a batimetria foi homologada pela Marinha do Brasil. A EMAP declarou ainda em nota que colabora com toda e qualquer investigação, reafirmando o compromisso da atual gestão com a transparência e probidade.

Rejeição: metade dos eleitores não votaria em Roseana

A pesquisa do instituto Exata também aferiu a rejeição dos possíveis candidatos ao governo do Estado nas eleições do ano que vem. A ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) é rejeitada por 49% dos eleitores.

O segundo mais rejeitado é Roberto Rocha (PSB) com 35%; seguido de Flávio Dino (PCdoB) com 27%; 25% disseram que não votariam em Maura Jorge (Podemos) e 21% em Eduardo Braide (PMN). Votaria em todos 4% e não votaria em nenhum 9%.

Surpreenderam os números altos de rejeição de Maura Jorge e Eduardo Braide que ainda são pouco conhecidos do eleitorado. As rejeições de Roseana (quatro vezes governadora), Flávio Dino (que tem o desgaste natural de estar no poder) e Roberto Rocha (também sofrendo o desgaste de estar em cargo majoritário) são naturais.

Dono da Escutec aconselhou Roseana a desistir de candidatura ao governo

O empresário Fernando Júnior, dono da Escutec, aconselhou recentemente a ex-governadora  Roseana Sarney a não disputar a eleição para o governo do estado. O argumento dele foi direto: “Flávio Dino tem 80% de chance de ser reeleito governador”, disse à ex-governadora.

Fernando Júnior teria aceitado a contra-gosto fazer uma pesquisa “tabajara” para tentar animar os seguidores de Roseana Sarney. A falta de confiança foi tamanha que a discussão foi grande se ele ficaria engavetada ou iria para a rua. A decisão foi vazar através de blogs.

“A pesquisa está toda fora de padrão, com critérios que a viciam Por algum motivo o Fernando Júnior aceitou fazer mesmo contra os padrões utilizados normalmente pela própria Escutec”, avaliou um analista de pesquisas que atua no mercado local.

A Escutec sempre faz pesquisas em 40 municípios e agora diz que fez em 80, dando margem para mudanças. Ela também dobrou o número de questionários, uma técnica que pode servir para dar elasticidade aos números.

Roseana está mal até em suas pesquisas; Escutec engaveta levantamento

Parece que os números da ex-governadora Roseana Sarney para possível retorno ao Palácio dos Leões não são nada bons. O PMDB contratou pesquisa do Escutec, tradicional instituto que faz aferições para o Clã Sarney, mas jogou dinheiro fora.

A consulta feita em 80 municípios para aferir o confronto entre Flávio Dino e Roseana para as eleições de 2018 foi engavetado. Ou seja, os números são péssimos para a peemedebista.

Roseana tem feito de tudo para se manter em evidência e ter o mínimo de condições de disputar o governo. Inclusive com a estratégia de dizer que não quer ser candidata e esperar se os ventos sopram a favor.

A situação de Roseana não é fácil.

Congresso cria CPI do BNDES que pode esclarecer empréstimos de Roseana

Roseana Sarney assinou empréstimos bilionários com o BNDES

O presidente do Senado, Eunício Oliveira, leu ontem o pedido de criação da CPI do BNDES. Apesar de Roberto Rocha também pretender apresentar um pedido semelhante, o que foi lido é do senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) e pelo deputado Alexandre Baldy (PODEMOS-GO).

O objetivo principal é investigar os empréstimos feitos pelo Banco à JBS entre 2007 e 2016, durante os governos Lula e Dilma. Mas, CPI se sabe como começa mas não como termina.

O governo do Maranhão, ainda na gestão de Roseana Sarney, tomou de empréstimo cerca de R$ 5 bilhões. É muito dinheiro e foi emprestado no ano da eleição. Os deputados de oposição na época conseguiram pelo menos barrar o gasto do dinheiro que seria despejado nas prefeituras amigas.

Mas a investigação no Congresso pode ajudar a esclarecer como se deu este empréstimo e se houve alguma falcatrua estabelecida entre governo, banco e algumas empresas.

A CPI mista deverá ser composta por 16 senadores e 16 deputados titulares. O colegiado terá prazo de 120 dias (prorrogáveis por mais dois meses) para apresentar um relatório final.

 

Pré-candidatura de Sarney Filho ao Senado pode gerar divergência com Roseana

No próximo dia 2 de junho lideranças políticas do Maranhão realizarão ato que deve dar a largada a pré-candidatura do ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho (PV) ao Senado em 2018. O problema é que ao tentar uma vaga como senador, Zequinha – como também é chamado – pode acabar gerando conflito interno na família Sarney, já que sua irmã Roseana ainda não decidiu se vai disputar as eleições para o Senado ou para o governo do Estado.

Sarney Filho sempre teve suas candidaturas ‘rifadas’ pela oligarquia, sendo conhecido por ser o preterido na fila do seu grupo político e da sua família quando o assunto são eleições.

Por atualmente ser ministro, analistas acreditam que Zequinha tenha boas chances para 2018 e pode ser forte nome na disputa por uma vaga de senador.

Já a ex-governadora Roseana pode não ter muitas chances para enfrentar a boa aceitação popular obtida por Flávio Dino (PCdoB) desde 2014, quando assumiu o governo. Dino encerrou o primeiro biênio do seu mandato com mais de 60% de aprovação entre os maranhenses e chegou a ser listado por um site nacional entre os cinco governadores mais eficientes do país. Os bons resultados econômicos e fiscais apresentados pela gestão Dino em dois anos podem fazer a diferença e garantir com facilidade sua reeleição.

No entanto, caso Roseana Sarney desista de concorrer ao Governo e se lance ao Senado, muitos acreditam que ela certamente abocanharia uma das duas vagas de senador pelo Maranhão. O cenário mais provável é que Roseana repita o que vem fazendo nos últimos anos: puxar o tapete do irmão. A história revela isso.

Sarney Filho deveria ser o candidato do grupo Sarney ao governo do Maranhão em 2006, mas Roseana não aceitou a deliberação. Naquele ano ela se candidatou mas acabou derrotada por Jackson Lago. Pouco mais de dois anos de governo, Lago teve seu mandato cassado após Roseana articular juridicamente a saída do pdetista. De golpe pelo visto Roseana entende bem.

Sarney Filho será novamente rifado?

Caso esta seja a foto da chapa sarneysta em 2018, será mais um duro golpe em Sarney Filho

O blog do jornalista Marco Deça publicou uma interessante articulação para juntar em uma chapa Roseana Sarney (PMDB), Eduardo Braide (PMN), Maura Jorge (Podemos) e Sebastião Madeira (PSDB). Segundo a publicação, Braide seria candidato a governador, Maura a vice, Roseana e Madeira a Senador.

Como o jornalista tem amplo acesso a fontes do sarneysismo, a articulação parece ter rumo. E de fato, seria interessante em algum sentido para os quatro.

Eduardo Braide é uma incógnita e apostaria no fator “candidato apolítico” na disputa majoritária, mas ainda poderia sofrer do mesmo problema da eleição municipal de São Luís: seu discurso de novidade na política não se sustenta por ser de família de políticos e sempre estar na política. Além do processo que envolve a máfia de Anajatuba. Por outro lado, mesmo que perca a eleição, se credencia como nova liderança a nível estadual e primeiro da fila para 2022.

Será o ministro do Meio Ambiente preterido em uma disputa majoritária mais uma vez?

Para Maura Jorge, seria interessante em caso de vitória da chapa. Mas em uma campanha com ênfase para a dupla, pode ganhar algum destaque que a projete para algo futuro.

Mesmo sem chance alguma de se eleger, Sebastião Madeira finalmente realizaria seu sonho de ser candidato a Senador. A dificuldade será colocar o PSDB nesta chapa. Mas Madeira ainda pode buscar outro partido.

A mais beneficiada seria Roseana. Para muitos, uma candidatura de Roseana ao Senado implicaria em uma vaga reservada e a disputa seria pela outra vaga. A ex-governadora é forte candidata ao Senado. Roseana provavelmente garantiria oito anos de mandato e foro privilegiado (caso o benefício continue).

Mas o grande problema está no Senado. Sarney Filho é hoje o único pré-candidato oficial ao Senado do Clã Sarney, até com boas chances. Nos meios políticos, se fala em disputa acirrada entre Sarney Filho, Weverton Rocha e Zé Reinaldo por duas vagas. Mas parece que a história se repete de Zequinha ser golpeado pela irmã.

Como recordar é viver, vale lembrar que em um acordo entre Zé Reinaldo e José Sarney, Zequinha deveria ser o candidato a governador do Clã em 2006. Mas Roseana não aceitou. Numa reunião com o pai, Roseana gritou e disse que quem tinha voto era ela. Sarney, com medo da filha, disse que a ideia da candidatura de Sarney Filho foi de Zé Reinaldo. E Roseana passou a hostilizar o então governador nos meios de comunicação da família. Este foi o principal motivo do rompimento do então governador com o Clã Sarney. A história foi contada pelo próprio Zé Reinaldo em uma entrevista em 2006.

Mais uma vez, Roseana ensaia puxar o tapete do irmão que tem feito pré-campanha, está bem articulado e pode ter a candidatura tolida dentro de casa.

Iminente queda de Temer é o fim da candidatura de Roseana

Temer era salvação para campanha de Roseana

Não à toa José Sarney trabalhou para que o presidente Michel Temer não renunciasse ao cargo. A permanência de Temer no poder é garantia de influência direta de Sarney no centro do poder com a certeza de ocupação de cargos federais em Brasília, No Amapá e no Maranhão. Mesmo com todo poder de influência, não sabe se terá tanto poder com o próximo presidente (seja lá quem for).

O cenário é de muita incerteza. Mas o fato é que sem Temer, a candidatura de Roseana Sarney ao governo fica inviável. Este Blog publicou na última terça-feira (16) que a eleição no Maranhão caminhava para uma disputa plebiscitária. E este era o cenário que caminhava para o pleito.

Flávio Dino tem força popular e está com o controle da máquina estadual. Roseana Sarney tem algum recall eleitoral e tinha a força da máquina federal a seu favor. Certamente, os dois teriam uma disputa acirrada voto a voto nestas condições.

E Roseana estava bem articulada, estrelando o programa peemedebista na TV, conseguindo dialogar com alguns prefeitos. Quando a ex-governadora começava a sair do buraco, o principal trunfo para atrair liderança parece desmoronar: recursos, obras e cargos do governo federal.

A queda é questão de tempo. E os sarneys ficarão novamente sem rumo. Aliás, com um rumo: se encostar a qualquer custo em quem estiver no poder.