Pré-candidatura de Sarney Filho ao Senado pode gerar divergência com Roseana

No próximo dia 2 de junho lideranças políticas do Maranhão realizarão ato que deve dar a largada a pré-candidatura do ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho (PV) ao Senado em 2018. O problema é que ao tentar uma vaga como senador, Zequinha – como também é chamado – pode acabar gerando conflito interno na família Sarney, já que sua irmã Roseana ainda não decidiu se vai disputar as eleições para o Senado ou para o governo do Estado.

Sarney Filho sempre teve suas candidaturas ‘rifadas’ pela oligarquia, sendo conhecido por ser o preterido na fila do seu grupo político e da sua família quando o assunto são eleições.

Por atualmente ser ministro, analistas acreditam que Zequinha tenha boas chances para 2018 e pode ser forte nome na disputa por uma vaga de senador.

Já a ex-governadora Roseana pode não ter muitas chances para enfrentar a boa aceitação popular obtida por Flávio Dino (PCdoB) desde 2014, quando assumiu o governo. Dino encerrou o primeiro biênio do seu mandato com mais de 60% de aprovação entre os maranhenses e chegou a ser listado por um site nacional entre os cinco governadores mais eficientes do país. Os bons resultados econômicos e fiscais apresentados pela gestão Dino em dois anos podem fazer a diferença e garantir com facilidade sua reeleição.

No entanto, caso Roseana Sarney desista de concorrer ao Governo e se lance ao Senado, muitos acreditam que ela certamente abocanharia uma das duas vagas de senador pelo Maranhão. O cenário mais provável é que Roseana repita o que vem fazendo nos últimos anos: puxar o tapete do irmão. A história revela isso.

Sarney Filho deveria ser o candidato do grupo Sarney ao governo do Maranhão em 2006, mas Roseana não aceitou a deliberação. Naquele ano ela se candidatou mas acabou derrotada por Jackson Lago. Pouco mais de dois anos de governo, Lago teve seu mandato cassado após Roseana articular juridicamente a saída do pdetista. De golpe pelo visto Roseana entende bem.

Sarney Filho será novamente rifado?

Caso esta seja a foto da chapa sarneysta em 2018, será mais um duro golpe em Sarney Filho

O blog do jornalista Marco Deça publicou uma interessante articulação para juntar em uma chapa Roseana Sarney (PMDB), Eduardo Braide (PMN), Maura Jorge (Podemos) e Sebastião Madeira (PSDB). Segundo a publicação, Braide seria candidato a governador, Maura a vice, Roseana e Madeira a Senador.

Como o jornalista tem amplo acesso a fontes do sarneysismo, a articulação parece ter rumo. E de fato, seria interessante em algum sentido para os quatro.

Eduardo Braide é uma incógnita e apostaria no fator “candidato apolítico” na disputa majoritária, mas ainda poderia sofrer do mesmo problema da eleição municipal de São Luís: seu discurso de novidade na política não se sustenta por ser de família de políticos e sempre estar na política. Além do processo que envolve a máfia de Anajatuba. Por outro lado, mesmo que perca a eleição, se credencia como nova liderança a nível estadual e primeiro da fila para 2022.

Será o ministro do Meio Ambiente preterido em uma disputa majoritária mais uma vez?

Para Maura Jorge, seria interessante em caso de vitória da chapa. Mas em uma campanha com ênfase para a dupla, pode ganhar algum destaque que a projete para algo futuro.

Mesmo sem chance alguma de se eleger, Sebastião Madeira finalmente realizaria seu sonho de ser candidato a Senador. A dificuldade será colocar o PSDB nesta chapa. Mas Madeira ainda pode buscar outro partido.

A mais beneficiada seria Roseana. Para muitos, uma candidatura de Roseana ao Senado implicaria em uma vaga reservada e a disputa seria pela outra vaga. A ex-governadora é forte candidata ao Senado. Roseana provavelmente garantiria oito anos de mandato e foro privilegiado (caso o benefício continue).

Mas o grande problema está no Senado. Sarney Filho é hoje o único pré-candidato oficial ao Senado do Clã Sarney, até com boas chances. Nos meios políticos, se fala em disputa acirrada entre Sarney Filho, Weverton Rocha e Zé Reinaldo por duas vagas. Mas parece que a história se repete de Zequinha ser golpeado pela irmã.

Como recordar é viver, vale lembrar que em um acordo entre Zé Reinaldo e José Sarney, Zequinha deveria ser o candidato a governador do Clã em 2006. Mas Roseana não aceitou. Numa reunião com o pai, Roseana gritou e disse que quem tinha voto era ela. Sarney, com medo da filha, disse que a ideia da candidatura de Sarney Filho foi de Zé Reinaldo. E Roseana passou a hostilizar o então governador nos meios de comunicação da família. Este foi o principal motivo do rompimento do então governador com o Clã Sarney. A história foi contada pelo próprio Zé Reinaldo em uma entrevista em 2006.

Mais uma vez, Roseana ensaia puxar o tapete do irmão que tem feito pré-campanha, está bem articulado e pode ter a candidatura tolida dentro de casa.

Iminente queda de Temer é o fim da candidatura de Roseana

Temer era salvação para campanha de Roseana

Não à toa José Sarney trabalhou para que o presidente Michel Temer não renunciasse ao cargo. A permanência de Temer no poder é garantia de influência direta de Sarney no centro do poder com a certeza de ocupação de cargos federais em Brasília, No Amapá e no Maranhão. Mesmo com todo poder de influência, não sabe se terá tanto poder com o próximo presidente (seja lá quem for).

O cenário é de muita incerteza. Mas o fato é que sem Temer, a candidatura de Roseana Sarney ao governo fica inviável. Este Blog publicou na última terça-feira (16) que a eleição no Maranhão caminhava para uma disputa plebiscitária. E este era o cenário que caminhava para o pleito.

Flávio Dino tem força popular e está com o controle da máquina estadual. Roseana Sarney tem algum recall eleitoral e tinha a força da máquina federal a seu favor. Certamente, os dois teriam uma disputa acirrada voto a voto nestas condições.

E Roseana estava bem articulada, estrelando o programa peemedebista na TV, conseguindo dialogar com alguns prefeitos. Quando a ex-governadora começava a sair do buraco, o principal trunfo para atrair liderança parece desmoronar: recursos, obras e cargos do governo federal.

A queda é questão de tempo. E os sarneys ficarão novamente sem rumo. Aliás, com um rumo: se encostar a qualquer custo em quem estiver no poder.

 

Entrevista de Roseana deixa claro que ela não será candidata

A entrevista de Roseana Sarney ao jornal O Imparcial demonstrou que de fato a ex-governadora não deve disputar o Palácio dos Leões no ano que vem. Roseana afirmou que não pretende ser, mas se ” provocarem”, ela pode resolver ser candidata.

Quem tem a menor intenção de se candidatar a um cargo majoritário, mesmo com a incerteza, aparenta convicção para manter a classe política e militância animadas. A insegurança da fala de Roseana escancara que a ex-governadora não quer se candidatar.

Roseana sempre disputou eleições com extremo favoritismo. Nunca entrou em uma campanha com dúvidas. Nem em 2014, quando poderia ser senadora, mas, na dúvida, preferiu não se candidatar. Mesmo na eleição que perdeu para Jackson Lago, Roseana era favoritíssima no início do processo eleitoral.

Agora, sem força política, vendo os principais caciques do Clã dispersos em projetos individuais, complicada com processos judiciais, Roseana tem o pior cenário eleitoral de sua carreira. E deixou isso explícito nas entrelinhas da entrevista.

Roseana diz que decidirá sobre candidatura no segundo semestre. Ainda vai manter alguma perspectiva no grupo, que não se consolidará. O Clã busca alguma solução para a candidatura majoritária. Apoio a Roberto Rocha, nova candidatura de Lobão Filho ou até lançar Eduardo Braide. Ou seja, segue sem muita opção.

Ao livrar Roseana no caso Saúde, juiz coloca toda responsabilidade em Ricardo Murad

Ao livrar Roseana, juiz diz que somente Murad pode ser responsabilizado por suposto desvio

A decisão do juiz Clésio Coêlho Cunha, que responde pela 7ª Vara Criminal de São Luís, absolveu a ex-governadora Roseana Sarney das acusações sobre desvio de R$ 1,95 milhão da saúde para a campanha eleitoral de 2010. Entre os argumentos, o magistrado em nenhum momento refutou a possibilidade de desvio, mas tentou demonstrar que Roseana não era responsável por ordenar despesas na época.

“A ideia de que o chefe do executivo encabeça a administração pública, pela posição que ocupa, e que os atos praticados por seus inferiores hierárquicos, são em seu nome é incorreta e pode do modo como foi proposto, prestar obséquio à indesejada responsabilização penal objetiva. Esse artifício está em moda no direito penal brasileiro e quando não existe um fato determinado que possa ser imputado ao presidente, governador ou prefeito, a perseguição penal estatal vale-se do argumento de que o chefe do executivo é o chefe de uma organização criminosa pelo fato isolado de ser o chefe da administração pública”, argumentou.

Assim, no entendimento do juiz, que não é o mais comum, o chefe do executivo não é responsável pelos atos do secretário  isto seria apenas “moda” a Justiça brasileira. No caso concreto, Roseana não responderia solidariamente pelo suposto desvio de Ricardo Murad.

Clésio coloca assim, toda a responsabilidade no colo do cunhado de Roseana. Caso os desvios tenham ocorrido, a responsabilidade seria somente de Murad.

Mas o juiz não deixou claro, já que o responsável é somente Ricardo, o porquê das doações de empresas envolvidas para a campanha de Roseana Sarney R$ 1 milhão em doações para a direção estadual do PMDB.

Flávio economiza mais da metade com aluguel de aeronaves em comparação com Roseana

Roseana no tempo em que o Maranhão realmente vivia farra de aeronaves

A falácia dos gastos com aluguel de aeronaves vociferada constantemente pelos sarneysistas cai por terra quando há a comparação entre os anos de 2014 com os demais sob a gestão do governador Flávio Dino. O atual Governo vem conseguindo reduzir a cada ano quase pela metade as despesas estaduais que eram praticadas nas gestões passadas com aluguel de aeronaves.

Só em 2014, último ano do governo Roseana Sarney, a administração estadual consumiu cerca de R$ 15 milhões dos cofres públicos estaduais com aluguel de jatinhos. Na época, as aeronaves alugadas eram usadas tanto pela ex-governadora quanto por membros do primeiro escalão do seu governo.

De acordo com edital de licitação para contratação de serviço de fretamento de aeronaves, lançado este mês, a estimativa do governo Dino para 2017 é investir R$ 7,7 milhões com aluguel de aeronaves, o que representa menos da metade do que foi gasto por Roseana em 2014 para o mesmo tipo de serviço.

Em comparação ao último ano da gestão Roseana, o governo do Maranhão vai garantir em 2017, uma economia de cerca de R$ 7,3 milhões – se gatos a totalidade do contrato – com esse tipo de contratação.

Legalidade e moralidade nas contratações

Após vencer as eleições em 2014 e antes mesmo de tomar posse no governo do Estado, Dino já havia anunciado que faria contrato de aluguel de aeronaves – já que a prestação desse tipo de serviço é imprescindível para qualquer administração pública -, mas ele garantiu que o faria pautado na legalidade e na moralidade dos gastos públicos, e desde que não consumisse cifras exorbitantes, como os R$ 15 milhões gastos por Roseana para esse tipo de serviço somente em um ano.

Com reduções de gastos como esses, Flávio Dino vem conseguindo, ano a ano, cumprir com as metas anunciadas por ele antes de assumir o governo do Estado.

Negócios de Eike Batista com Roseana deixaram um estrago no Maranhão

Blog do John Cutrim – Preso pela Polícia Federal nesta segunda-feira (30), o empresário Eike Batista deixou um rastro de miséria e engano no Maranhão.

Para quem não lembra, a vinda de Eike Batista ao Maranhão foi patrocinada pela então governadora Roseana Sarney em março de 2009, após o golpe judicial que tirou Jackson Lago do poder. Eike e Roseana venderam a promessa de um falso “eldorado”, que surgiria da exploração de gás e petróleo em municípios paupérrimos do estado, como Capinzal do Norte, Trizidela do Vale e Santo Antônio dos Lopes, entre outros.

Só que tudo não passou de mais um engodo da família Sarney. A exemplo da Refinaria da Petrobras em Bacabeira, que não saiu do papel, do golpe do pólo têxtil de Rosário, que levantou 24 milhões de dólares de empréstimos da SUDENE junto ao BNB e enganou cerca de 4 mil homens e mulheres humildes da região do Munin; e da Usimar, que contou com o decisivo apoio da governadora Roseana Sarney. O Conselho Deliberativo da SUDAM aprovou um projeto no valor global de U$ 1,38 bilhão e liberou uma parcela inicial de 44 milhões de dólares para a instalação de uma fábrica de autopeças no Distrito Industrial de São Luís. A empreiteira Planor construiu um barracão no local, o empreendimento nunca saiu do papel e o dinheiro liberado desapareceu.

O embuste do clã voltou a ocorrer no Maranhão com a tal reserva de gás em Capinzal do Norte e Santo Antônio dos Lopes, o que seria a salvação/redenção do Maranhão. Festejado pelos Sarneys que as empresas de Eike (OGX E EBEX) haviam descoberto a ‘meia Bolívia’ de gás natural no interior do Maranhão, o empresário foi incensado e promovido a semideus por José Sarney, Roseana e integrantes do seu grupo, mas logo viu seu império cair. Nada de exploração de gás no Maranhão e os milhares de empregos que seriam gerados não passaram de fantasia. Ficou a miséria dos maranhenses enganados por Eike e o grupo Sarney.

DOAÇÕES SUSPEITAS

Vale destacar que o empresário Eike Batista figura como um grande doador de campanhas eleitorais. Entre os beneficiados a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), que recebeu R$ 1,5 milhão para suas campanhas eleitorais. A Polícia Federal deve investigar os repasses suspeitos.

De acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Eike destinou, em 2010, R$ 500 mil à campanha de Roseana ao governo do Maranhão.

Antes, no ano de 2006, o PFL (atual DEM) do Maranhão, que tinha à frente Roseana Sarney, obteve R$ 1 milhão.

Chiquinho Escórcio garante que Roseana será candidata a governadora em 2018

Escórcio e um dos mais fiéis ao Clã Sarney

Um dos mais fiéis escudeiros da família Sarney, ex-deputado federal e atual assessor especial da presidência da República, Chiquinho Escórcio, se manifestou nas redes sociais sobre o futuro de Roseana no cenário eleitoral de 2018. Escórcio afirmou categoricamente que Roseana será candidata a governadora.

“Sou amigo de Roseana Sarney, faço parte do seu grupo político, Roseana Sarney é candidata a governadora em 2018, sobre as notícias de sua candidatura a deputada estadual ou federal, são boatos”, afirmou, alegando que as especulações de que a peemedebista pode ser candidata a deputada estadual são para confundir os eleitores.

Para Escórcio, Roseana será a principal adversária de Flávio Dino ao governo do Estado nas eleições de 2018, ignorando a candidatura de Roberto Rocha.

De fato, um duelo entre Flávio e Roseana seria extremamente interessante para que se coloque em discussão para o eleitorado o que é melhor: retorno do sarneysmo ou a mudança flavista?

Roseana gastou milhões do governo alugando imóveis do próprio pai

O governador Flávio Dino reagiu aos ataques sobre possível benefício a filiado do PCdoB em aluguel de imóvel na Aurora. O governador revelou que no governo de Roseana Sarney, haviam contratos milionários de aluguel com o próprio Senador José Sarney, pai da então governadora.

E o contrato continua em vigência. Ou seja, até hoje Sarney fatura alto em aluguéis com o governo do Maranhão. “Enquanto isso, ‘sou acusado’ de favorecer um cidadão que não conheço, não sei quem é, não é meu parente, de um imóvel que não escolhi”, afirmou o governador nas redes sociais.

Ele disse que trouxe o fato à tona para demonstrar que a acusação sobre o imóvel da Funac é politicagem do pior tipo. “Alguém já pensou se tiver que rescindir aluguéis de imóveis de pessoas filiadas a todos os partidos ?? Seria inconstitucional e absurdo”.

Flávio foi ainda mais duro ao afirmar que os governos sarneysistas faturaram bilhões em negócios com a máquina pública. “São uns fariseus que construíram fortunas empresariais e pessoais de BILHÕES, às custas do povo do Maranhão”.

Edilázio diz que Roseana deve ser candidata em 2018

Para Edilázio, se Roseana e Flávio chegarem cada um em um helicóptero em uma cidade do interior do Maranhão, a fila que se forma para tirar fotos com Roseana ganha de 10 a 1. Será?

Em entrevista ao programa Resenha, da TV Difusora, o deputado estadual Edilázio Júnior (PV), fez muitas críticas ao governo Flávio Dino e falou sobre a possibilidade de candidatura de Roseana Sarney em 2018.

Questionado se Roseana seria candidata a governadora, senadora ou deputado estadual, o deputado do PV disse que será uma decisão dela, mas que a popularidade de Roseana a coloca em grande condição de popularidade. “Para o que ela for candidata é com potencial imenso. Tem um carisma imbatível. Eu já acompanhei no interior ela e o atual governador e não tem comparação. Se em uma cidade pequena do interior descer de um helicóptero Roseana e de outro helicóptero o governador Flávio Dino é de 10 pra um de pessoas que vão abraçar e tirar foto com Roseana”, afirmou.

Edilázio defendeu que Roseana está livre pelo arquivamento de seu nome da operação Lava Jato. Questionado sobre os outros processos que Roseana responde como o da Constran e da Máfia da Sefaz, Edilázio disse que ela responde mas não é condenada e afirmou que o principal norte contra Roseana era a Lava Jato.

Falta de organização

Edilázio reconheceu que o grupo Sarney continua sentindo falta de uma liderança que coloque o grupo nos eixos e indique o caminho de 2018. “Ainda sou um privilegiado por poder trocar várias conversas com o presidente Sarney e a governadora Roseana. É um grande aprendizado. Mas existe uma carência. Ainda não temos a pessoa para ser a referência. Nós precisamos logo ter aquela pessoa que dá o norte. Eu, como parlamentar sinto esta falta. Esta carência de referências inclusive dentro da Assembleia. Na legislatura passada tínhamos quatro ex-presidentes e deputados experientes que articulavam”, afirmou.

Roberto Rocha 

Quando questionado se o senador Roberto Rocha poderia ser candidato a governador pelo grupo Sarney, Edilázio não negou a possibilidade. “Sou um homem de grupo. O Luís Fernando era meu candidato, depois o Lobão Filho e estivemos juntos. A partir de 2017 vamos sentar e debater quem é o melhor candidato”.