Obras: trecho da Estrada de Ribamar será interditado por 15 dias

Obra vai causar um transtorno momentâneo, mas drenagem profunda vai acabar de vez com os alagamentos da Estrada de Ribamar

Obra vai causar um transtorno momentâneo, mas drenagem profunda vai acabar de vez com os alagamentos da Estrada de Ribamar

A Secretaria de Estado da Infraestrutura (Sinfra) informou que, a partir desta terça-feira (26), por um período de 15 dias, vai realizar a interdição parcial da rodovia estadual MA-201, em um trecho de aproximadamente 500 metros, que compreende a ponte sobre o Rio Paciência até o retorno da Forquilha. Apenas a pista no sentido Rio Paciência-Forquilha será interditada e o fluxo de veículos será desviado para a pista ao lado.

A interdição começará às 8h, para a realização de serviços de drenagem profunda no canteiro central da rodovia. Os serviços garantirão a conclusão das obras no local, proporcionando aos usuários da  rodovia a mobilidade com segurança, comodidade e fluidez que os motoristas precisam ao se dirigirem à região.

A Sinfra ainda informa que todos os procedimentos técnicos foram adotados para que os trabalhos sejam  realizados garantindo o fluxo de veículos com segurança no local.

Assinada ordem de serviço para a reforma de 61 escolas

Foto2_KGE - Reforma escolas MaranhãoO governador Flávio Dino assinou nesta terça-feira (17) a ordem de serviço que prevê, nesta primeira etapa, intervenções estruturais em escolas de 39 cidades do estado. Ao todo, o Governo do Estado investe mais de R$ 98 milhões nesta etapa.

O governador ressaltou a importância do espaço escolar como um importante equipamento para o presente e para as futuras gerações. “A qualificação e valorização dos professores, o ensino de qualidade e uma estrutura adequada são pilares essenciais para o aprendizado”, afirmou Flávio Dino.

Na educação, o Governo do Estado investe em programas que vão desde a Educação Infantil até o Ensino Superior, como o programa ‘Escola Digna’ – que visa substituir escolas de barro por prédios de alvenaria –, a criação dos Institutos de Educação do Maranhão (Ensino Profissional), a implantação dos Núcleos de Educação Integral e a ampliação dos campi da Uema nos municípios maranhenses.

Até o dia 30 de janeiro as obras da primeira etapa serão concluídas e outras escolas passarão a integrar o cronograma previsto para a etapa seguinte de intervenções estruturais.

A Secretaria de Estado da Infraestrutura (Sinfra), na primeira etapa, fará intervenções nos seguintes municípios: São Luís, Bacabal, Lago da Pedra, Zé Doca, Santa Inês, São Mateus, Igarapé do Meio, Pinheiro, Matinha, São Bento, Cândido Mendes, Alcântara, Carutapera, Bacurituba, Vitória do Mearim, Tutoia, Chapadinha, Itapecuru-Mirim, Belágua, Tuntum, Gonçalves Dias, Açailândia, Balsas, Riachão, Imperatriz, Porto Franco, João Lisboa, Gov. Edson Lobão, Presidente Dutra, Coroatá, Timbiras, Timon, Caxias, Peritoró, Icatu, Morros, Rosário, Axixá e São José de Ribamar.

Clayton Noleto: grupo de Flávio tem que ter só um candidato em Imperatriz

Clodoaldo Corrêa e Leandro Miranda

Clayton Noleto diz que PSDB, PCdoB e PDT devem estar unidos nas eleições municipais em Imperatriz

Clayton Noleto diz que PSDB, PCdoB e PDT devem estar unidos nas eleições municipais em Imperatriz

Titular de uma das pastas mais poderosas do governo Flávio Dino, o secretário estadual de Infraestrutura, Clayton Noleto, falou sobre as ações da secretaria em entrevista exclusiva aos Blog Marrapá e Clodoaldo Corrêa. Noleto também resolveu falar sobre a sucessão do prefeito Sebastião Madeira, e afirmou que o grupo deve trabalhar pela união para ter apenas uma candidatura, ou corre o risco de perder a eleição para o grupo de Ildon Marques.

O secretário criticou as obras inacabadas do governo anterior, entregues às pressas e que estão causando transtornos à população. A Via Expressa e o Corredor Metropolitano são os maiores exemplos na capital.

Noleto explicou que as ordens de serviço assinadas na pré-campanha eleitoral no governo Roseana, eram ordens para contratação de projetos e não para início das obras como foi amplamente divulgado.

Sobre o convênio de R$ 20 milhões para pavimentação em São Luís, o secretário explicou que de imediato a prefeitura receberá 30% e as liberações ocorrem conforme a execução. Ele também anunciou que em cerca de 40 dias, um novo pacote de serviços para São Luís será lançado.

Secretário, gostaríamos que você falasse, de forma resumida, da sua trajetória política e técnica para chegar até o cargo de uma das secretarias mais importantes do estado?

Eu tive militância no movimento estudantil, mas não havia me filiado em nenhum partido até 2007. Até aquele momento, eu julgava que teria minha independência intelectual. Aí, achei interessante o projeto e me filiei ao PCdoB. Depois me tornei presidente do partido em Imperatriz. Em 2010, eu me candidatei a deputado federal, mas no meio da campanha abandonei a candidatura para me dedicar à campanha do Flávio Dino. Ganhamos musculatura e com interlocução permanente entre nossos aliados. Em 2012, fui candidato a vice-prefeito na chapa do Carlinhos Amorim e conseguimos a nossa meta que foi eleger dois vereadores. Em 2014, eu assumi a coordenação da campanha do Flávio na região tocantina inteira. E tínhamos a meta de dar a votação mais expressiva ao nosso candidato a governador na região. Elegemos o deputado Marco Aurélio em uma campanha de gasto financeira infinitamente menor do que a dos concorrentes. Politicamente, resumidamente, esta é a minha trajetória. Na parte pessoal, sou formado em História, Administração e Direito. Eu lecionei no Senac, fui consultor do Sebrae, fui professor de gestão na faculdade e tinha uma empresa de consultoria. Justamente uma das empresas da consultoria.

O senhor hoje tem um nome conhecido em todo estado e já é uma liderança consolidada em Imperatriz. Como pretende participar das eleições de 2016 na cidade?

OlhoNoleto1Eu vou participar de acordo com o que meu partido decidir. Sou muito disciplinado, até porque sempre cobrei isso dos companheiros. Todos podem expressar suas opiniões pessoais, quando o coletivo decide, todos têm que acatar. Sobre a eleição em Imperatriz, temos que ter muita maturidade para fazer o mesmo que fizemos na eleição do Flávio Dino: unir todas as forças em torno do projeto. Em Imperatriz, o campo político do grupo do Flávio não pode ter dois ou três candidatos. É fundamental que tenha apenas um para conseguirmos uma vitória que coloque a cidade em consonância com o governo.

Mas, no atual momento político, o senhor acredita que ainda existe possibilidade de uma força de oposição ao grupo, como o ex-prefeito Ildon Marques, ter uma candidatura forte?

Nós não podemos subestimar a chance destas forças vencerem em Imperatriz. Tradicionalmente, ele consegue alcançar pelo menos 20% dos votos. Se ele tem pelo menos este percentual, em um fracionamento de disputa, em uma cidade que só tem um turno, pode se eleger. Em 2004, ele se elegeu com pouco mais de 30% em uma disputa dividida.

Então, pelo que o senhor está dizendo, se a Rosângela Curado for candidata, o senhor não será, ou vice-versa?

Tem uma conexão maior com o entendimento dos partidos. Eu não consigo vislumbrar um candidato do Madeira, um candidato do PCdoB, um candidato do PDT, fracionando o campo e a oposição ao governo Flávio se unir em torno de um candidato e nos derrotar. Temos que ser maduros o suficiente para evitar isso. Mas, sinceramente, nem que eu quisesse pensar em candidatura eu teria aceitado a secretaria. Eu tenho a característica de ser focado. Por isto estou 100% focado na secretaria. Aqui é um desafio muito grande. Você planeja fazer o novo, mas sempre tem que dispor de um tempo para refazer o que foi mal feito no governo passado.

Fale um pouco sobre o cronograma de obras da Sinfra.

Clayton Noleto e  adjunto, Ednaldo Neves, mostram as ações da pasta

Clayton Noleto e adjunto, Ednaldo Neves, mostram as ações da pasta

Definimos três conjuntos de metas primeiro dar continuidade e celeridade a todas as obras que estavam em andamento com um cronograma. Sugerimos um cronograma ao governador e ele apertou mais os prazos. E também demos prioridades a novas obras como Buriti-Bravo a São Félix. Estamos elaborando o projeto da ponte sobre o Rio Pericumã. Estamos fazendo o termo de referência para a Paulo Ramos-Arame, que agora vai até Marajá do Sena. Vamos fazer o projeto de Barreirinhas a Paulino Neves e temos projeto pronto e vamos licitar a execução para São Raimundo-Doca Bezerra. Temos licitação feita para Matinhas-Itans e temos o planejamento de fazer o máximo de projetos mesmo sem recursos. Com o projeto feito, é mais fácil captar recursos.

O governo passado disse que ligaria todas as cidades do Maranhão por asfalto. Chegou a ser feito algo neste sentido ou existia projetos para tal?

Houve alguma intenção de ligação em alguns casos. Por exemplo, de Barão de Grajaú a São Francisco do Maranhão, por ser na região do litoral, o traçado teria o objetivo de ligar por terra. Mas este é mais uma exceção do que a regra. Primeiro, não tivemos transição, como em todo governo. Então, tivemos que assumir a secretaria e, a partir daí, fazer um diagnóstico. Formamos uma boa equipe e fizemos com relativa rapidez. E verificamos que houve interesse meramente eleitoral nas obras que seriam executadas. As obras que foram feitas, foram exatamente ligando prefeituras aliadas do governo anterior.

Um dos ex-secretários assinou vários convênios com prefeituras na época da pré-campanha eleitoral. Estes convênios foram executados ou iniciados?

Aqui na Sinfra não existem convênios desde 2012. A informação que tivemos é que foram transferidos pra Secid. Até porque eu acredito que o ex-secretário Luís Fernando, quando era pré-candidato a governador, não queria assinar convênios para não se complicar com a Justiça Eleitoral. O que houve foi ordens de serviço para ser executado direto pela Sinfra. Mas houve uma certa confusão na interpretação. Não sei se ele anunciava assim nas cidades, mas as pessoas entendiam que era ordem para começar o serviço. E criava a expectativa. Mas era ordem de serviço para elaboração do projeto. Aí se contrata a elaboração, passa cerca de oito meses, aí vai para a licitação para empresa que vai executar.  Enfim, passa por um trâmite que não é rápido.

O governo anterior entregou obras que estavam cercadas de expectativa ainda inacabadas, como a IV Centenário e a Via Expressa. O que a Sinfra está fazendo para resolver este problema?

A IV Centenário é de responsabilidade da Secid. A Via Expressa é da Sinfra. Mas as duas apresentam os mesmos problemas. A Via Expressa é um grande exemplo de problema de pressa, falta de planejamento e fiscalização. As irregularidades foram tantas que chamaram atenção desde o primeiro dia. Quando cedeu o pavimento, já tínhamos notificado a empresa três vezes. A empresa alegou uma série de dificuldades que não estavam previstas, pressão para entregar ainda em dezembro. Eu chamei a representação da empresa e disse que não queríamos perseguir, mas resolver o problema. Se tiver alguma coisa que não estava no projeto, iriamos acertar. Chamamos o CREA para participar do processo. Pedimos agora, recentemente um cronograma e será terminado o mais rápido possível. Este caso serve de exemplo para a consequência desta gestão sem planejamento.

A chamada Via Metropolitana tinha um projeto inicial apresentado com uma grande avenida com oito pistas e o que se viu foi uma entrega inacabada, com um viaduto que ficou apenas um grande buraco e apenas uma via de cada lado com um canteiro central enorme. O que houve e como será a continuidade daquela obra?

OlhoNoleto2Ali faz parte de um Anel Metropolitano que deve iniciar na BR-135, passa pela Uema, passa pelo Araçagy e Holandeses. O que tem projeto é desta parte da BR até a orla marítima. Ela começou com recursos do Ministério do Turismo. Depois foi complementado com recurso do Ministério das Cidades. Mas precisava incluir transporte público. Aquele traçado é para BRT (ônibus articulado). No projeto original são duas faixas de rolamento de cada lado e o BRT. Mas depois ficou uma via de cada lado e o canteiro central para dois BRT’s. Quando assumimos, avaliamos que não tinha condições de ali ter um BRT. Além de que quando chegasse na Holandeses teria que duplicar e desapropriar. Não teria condições. Apresentamos um redesenho ao Ministério das Cidades e entregaremos até 30 de junho. No novo projeto, teremos faixa exclusiva de ônibus e três pistas de rolamento. A partir daí, corrigimos aquele “monstrengo” que ficou ali. Agora, será muito interessante para a mobilidade na entrada e saída da cidade sem ter que desapropriar.

Como está a execução do programa “Mais Asfalto”?

Existiam recursos do BNDES para asfalto nas cidades. Mas é preciso envolver mobilidade urbana por exigência do BNDES. Agora como fazer mobilidade em pequenas cidades. Ainda assim, foi feito um escopo com o recurso de R$ 300 milhões para 215 cidades e deixaram de fora apenas São Luís e Porto Franco. Agora, imaginem, em ano eleitoral, cada um recebia um pouquinho de asfalto para benefício eleitoral. Executaram cerca de R$ 212 milhões e ficamos com saldo de R$ 88 milhões para executar. E desde que assumimos, só estamos pagando estes em andamento com auditoria. E nós assumimos o desafio de mostrar que era possível colocar asfalto de qualidade mesmo no período de chuva. E iniciamos o programa Mais Asfalto. Começamos por Imperatriz, Caxias e Timon. Eu disse para a empresa que não aceitaríamos um trabalho que não fosse de qualidade e o asfalto está suportando muito bem o período chuvoso.

Com relação ao convênio com a prefeitura de São Luís de R$ 20 milhões, qual vai ser a participação da Sinfra e qual a perspectiva de novos convênios?

O recurso vai ser liberado por medição. A prefeitura apresentou o projeto à Sinfra, discutimos e vamos liberando o valor conforme a execução. Vai sendo medido, a Sinfra fiscaliza e libera. Será liberado logo 30%. Com relação a novos convênios, daqui a cerca de 40 dias, um novo pacote de investimento deve ser anunciado para São Luís.

Respostas rápidas

10300443_400454543448658_6551910119484504892_n

Recuperação do Viva Raposa

O governo do estado, principalmente na secretaria de Infraestrutura tem mostrado velocidade para dar respostas aos problemas que vão aparecendo. Anteriormente, os problemas apareciam e esperavam protestos da população para serem solucionados. E a maioria deles estão ocorrendo pelos péssimos serviços da gestão anterior.

Dois exemplos recentes na Grande São Luís demonstraram duas coisas: os graves problemas estruturais das obras que o governo Roseana fez e a vontade política de soluções rápidas do governo Flávio.

No mês passado, a maré invadiu casas na Raposa na região do Viva Raposa, obra entregue ás pressas por Roseana Sarney em dezembro do ano passado.  Rapidamente, o governo do estado iniciou a recuperação do local. Com a contenção mais elevada, provavelmente uma maré da mesma proporção não atingiria as casas hoje. As máquinas pesadas continuam o trabalho no local, embora esteja sendo feito o estudo da maré para uma solução definitiva. Segundo a Sinfra, outras irregularidades nas obras do Viva terão que ser sanadas.

Com graves rachaduras após as chuvas, Via Expressa foi recuperada em três dias

Com graves rachaduras após as chuvas, Via Expressa foi recuperada em três dias

Na Via Expressa, em São Luís, mais uma obra entregue com muita pressa sem estar concluída. Resultado, o asfalto cedeu e abriu uma imensa fenda com a primeira chuva forte. No mesmo dia a área foi isolada e em três dias, estava recuperada e liberada para o tráfego.

A Sinfra está notificando as empresas responsáveis para solucionarem definitivamente os problemas da Via. Uma auditoria ainda está sendo realizada para verificar os problemas existentes na execução da obra da avenida.

É um avanço significativo. Resoluções a médio prazo, mas repostas imediatas quando os problemas aparecem.

Sinfra promoveu farra de concessões de linhas de ônibus sem licitação

Concessões sem licitação promovidas no apagar das luzes do governo Roseana

Concessões sem licitação promovidas no apagar das luzes do governo Roseana

Dono de empresa Expresso Continental, que tem concessões de mais de 20 anos no transporte rodoviário estadual, Vieira, entrou com requerimento na secretaria estadual de Infraestrutura solicitando informações sobre uma farra de concessões de linhas de ônibus no final de novembro e início de dezembro do ano passado.

O então secretário de Infraestrutura, José Raimundo Frazão, concedeu linhas que já existiam de outras empresas para a empresa Viação Açailândia, sem licitação, trazendo concorrência desleal para outros empresários, como as linhas Estreito-Timon, Imperatriz-Esperantinópolis e Boa Vista do Gurupi-São Luís.

As concessões form publicadas no Diário Oficial do dia 12 de dezembro de 2014. As concessões foram a título precário e sem justificativa, já que já existia empresa realizando o serviço. “Só é justificada uma concessão nova quando não existe uma empresa que faz a linha, por exemplo, quando se abre uma nova estrada onde não existia. Mas ainda assim, é preciso ser precedida da licitação. Como se já não bastasse a concorrência das vans, ainda temos mais esta nova concorrência e não se sabe o que levou este ex-secretário a dar estas concessões no apagar das luzes da administração”, lamentou o empresário.

Para asfaltar MA-318 até o fim do ano, governo precisa construir uma ponte a cada 11 dias

Com a promessa de entregar até o final do ano a rodovia MA-318, que liga as cidades de São João do Carú e Bom Jardim, o secretário de Infraestrutura e também pré-candidato, Luís Fernando Silva, enfrentará um grande desafio. A rodovia possui 31 pontes de madeira em estado precário ao longo de 86 km que necessitam de pavimentação.

A promessa do secretário de Infraestrutura, que assinou a ordem de serviço para a pavimentação desse trecho no último dia 2 de fevereiro, para ser concretizada, deverá contar com a construção de uma ponte a cada onze dias, conforme apurou o blog Hilton Franco.

A pavimentação da estrada que liga São João do Carú a Bom Jardim é parte de um programa mais amplo, onde o secretário promete entregar asfaltadas todas as rodovias estaduais até o final do ano. “Individualmente, obra por obra, esse é o maior investimento do programa que liga as sedes municipais a uma estrada já pavimentada, seja MA ou BR”, garantiu Luís Fernando na assinatura da ordem de serviço.

DSC 0705 1024x678 Para asfaltar MA 318 até o fim do ano, Luís Fernando precisa construir uma ponte a cada onze dias

O projeto do candidato do grupo Sarney encontra obstáculo similar a outros programas não cumpridos na gestão da governadora Roseana Sarney (PMDB). A exemplo da proposta do secretário Ricardo Murad, que prometeu a entrega de 72 hospitais até o final de 2013 no “Saúde é Vida” e ao programa Escola Viva, da Secretaria de Educação, que previa a construção de 110 escolas de ensino médio, essa pode ser mais uma promessa engavetada.

Segundo afirma o secretário de Infraestrutura, a estrada que hoje é mais uma das rodovias que trazem transtornos aos maranhenses, terá os 86 quilômetros asfaltados com investimentos na ordem de R$ 118.081.148,91.