Raimundo Cutrim mencionado por Jhonatan como mandante

O nome do deputado estadual Raimundo Cutrim (DEM) aparece agora relacionado ao caso do assassinato do jornalista Décio Sá. Em seu depoimento, Jhonatan de Sousa Silva, que confessou ter assassinado Décio, cita o deputado como mandante do crime.

Cutrim falou na manhã desta quinta-feira (21) sobre o caso. Ele disse apenas conhecer Raimundo Sales Chaves Júnior, o “Júnior Bolinha”, 38 anos, acusado de ter contratado Jhonatan para executar o jornalista.

Mas o deputado afirmou que não tinha amizade com Júnior Bolinha. Apenas que tinha alugado algumas máquinas do empresário para fazer um serviço em um sítio de propriedade do parlamentar. Disse que todas as suas conversas com Júnior Bolinha eram relacionadas a barro e areia. “Eu tinha um relacionamento com ele puramente profissional. Eu o contratei para fazer um serviço em um sítio no final do ano passado. Se verificarem meu celular, tem ligações dele sim. Eu recebo ligação de todo o Estado e atendo”, afirmou.

Cutrim disse que não tinha nenhum motivo para matar o jornalista Décio Sá, por quem nutria bom relacionamento. “Não tinha nada contra o Décio. Quase não leio blog por não ter tempo. Não tenho Facebook. O que tem é a Assessoria que trabalha”, declarou.

O deputado disponibilizou os seus sigilos telefônico e bancário. “Estou a disposição do Ministério Público e da Justiça. Se precisar do meu telefone, estou à disposição. Se precisar da minha conta bancária, estou à disposição. Quem não deve não teme”, sentenciou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.