‘Eleitor vota às cegas’, diz maranhense que ajudou a criar Ficha Limpa

Juiz Marlon Reis.

FERNANDO RODRIGUES
DA FOLHA, DE BRASÍLIA

Sem saber quem patrocina as campanhas de milhares de políticos, os brasileiros votam “às cegas” e a democracia do país fica em risco por causa da falta de transparência nas contas dos candidatos a cargos públicos.

O autor dessa afirmação, em entrevista à Folha e ao UOL, é o juiz Márlon Reis, um dos idealizadores da Lei da Ficha Limpa. Para tentar mitigar essa situação, ele próprio iniciou um movimento em sua jurisdição no interior do Maranhão exigindo dos candidatos locais informações detalhadas nas prestações de contas parciais, oferecidas antes da eleição.

Para evoluir mais, diz, as entidades que integram o MCCE (Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral) podem apresentar uma ação declaratória de inconstitucionalidade contra a lei que permite aos políticos divulgar suas contas só depois de eleitos.

“Nós já temos uma Constituição da República que estabelece o princípio da publicidade (…) Uma democracia não combina com obscuridade”, declara.

A ação de Márlon Reis nas cidades maranhenses de João Lisboa, Buritirama e Senador La Rocque inspirou o Tribunal Superior Eleitoral a exigir de todos os mais de 400 mil candidatos a cargos públicos neste ano a divulgação de nomes de doadores e de prestadores de serviço antes da eleição de 7 de outubro.

O problema é que a lei ainda permite aos políticos deixar a maior parte das prestações de contas para depois do pleito.

Contra essa frouxidão da lei é que Márlon Reis deseja ampliar a campanha do MCCE. Aos 42 anos, o filho de funcionário público que nasceu em Tocantins e fez carreira no Maranhão acha que pode fazer para a transparência das contas de campanha o que já foi realizado para a aprovação da Lei da Ficha Limpa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.