Manifestação em defesa da democracia toma conta das ruas de São Luís

Ato pró-Dilma

Assim como outras 22 capitais, São Luís teve manifestação em defesa da democracia nesta sexta-feira (13). Cerca de duas mil pessoas participaram do protesto em favor do mandato constitucional da presidente Dilma Rousseff, pelo fim do financiamento empresarial das campanhas eleitorais e em defesa da Petrobrás contra a corrupção.

A manifestação foi convocada pelas Centrais Sindicais CTB, CUT, Nova Central Sindical e UGT, além de entidades como a UNE,  UBES e Movimento por Moradia Popular, e contou com a participação de militantes de partidos como o PCdoB, PT e PDT. A concentração teve início na Praça João Lisboa, no centro, e em seguida os participantes se deslocaram para a Rua Grande, onde fizeram caminhada, recebendo ampla adesão dos populares que ali se encontravam.
protestosaoluis
Portando bandeiras, faixas e cartazes, os militantes do PCdoB distribuíram nota do partido, em que defende o mandato constitucional da presidente Dilma Rousseff. “Saímos às ruas para reafirmar nossa confiança e nosso apoio àquela que foi eleita pela população brasileira para governar o país”, disse o vice-presidente do PCdoB, Egberto Magno, para quem “as elites conservadoras querem golpear a vontade do povo”. O Partido também denuncia a tentativa desses setores em depreciar a Petrobrás com a finalidade de privatizá-la, entregando-a ao capital estrangeiro. O PCdoB acredita que, somente com uma reforma política que acabe com o financiamento empresarial das campanhas, será possível pôr fim à corrupção no país.
Ao final da manifestação, representantes das diversas entidades fizeram discurso reafirmando as propostas defendidas durante o percurso do ato.

1 pensou em “Manifestação em defesa da democracia toma conta das ruas de São Luís

  1. Os petistas querem o fim do financiamento empresarial de campanha? Mas isso não existe. O dinheiro vem do erário, através de empresas que superfaturam nas licitações com a finalidade de conseguirem novos contratos junto a políticos eleitos. Por que uma empresa abriria mão (de forma beneficente) de parte de seus lucros para financiar campanhas? Que empresas boazinhas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *