Carteiras de habilitação C, D e E voltam a ser emitidas sem necessidade do exame toxicológico

Justiça garante aos motoristas de ônibus e caminhão a renovação da habilitação

Justiça garante aos motoristas de ônibus e caminhão a renovação da habilitação

Uma vitória provisória do Detran maranhense. Mas justamente por ser provisória, os motoristas devem aproveitar para renovar logo suas carteiras vencidas. O impasse dos exames toxicológicos vinha tirando o sono dos mil motoristas de ônibus e caminhões, que agora já conseguiram obter ou renovar a Carteira Nacional de Habilitação, em todo o estado, após a suspensão da exigência do exame no Maranhão, determinada em caráter liminar pela Justiça Federal.

O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) foi intimado, no dia 17 de março, a cumprir a decisão da Justiça que suspendeu a exigência do exame toxicológico no Maranhão, porém somente na quinta-feira (31), o Denatran cumpriu efetivamente a decisão, desbloqueando o sistema Renach e liberando os processos para a emissão de CNHs nas categorias C, D e E, provisoriamente, sem a obrigatoriedade do exame.

Para a diretora Geral do Detran-MA, Larissa Abdalla, a regularização dos processos no Maranhão, após a suspensão da obrigatoriedade do exame toxicológico, foi uma importante vitória e atenua os muitos problemas causados aos motoristas profissionais desde a adoção da exigência. “Apesar da suspensão da exigência do exame toxicológico ser ainda em caráter provisório, com o desbloqueio do Renach, os motoristas maranhenses agora podem procurar o Detran-MA para renovar ou tirar a CNH, sem se preocupar com o alto custo cobrado pelo exame e com a demora no resultado ”, destaca Larissa Abdalla.

No Maranhão quase 1.000 condutores estavam com os processos de obtenção e renovação de CNHs suspensos, por conta da exigência do exame toxicológico de larga janela de detecção. Desde o início deste ano, o exame passou a ser obrigatório em todo o país nos processos para obtenção ou renovação da CNH para motoristas de ônibus e caminhões.

2 pensou em “Carteiras de habilitação C, D e E voltam a ser emitidas sem necessidade do exame toxicológico

  1. Estou a um ano e dois meses desempregado quando consegui um emprego em uma das melhores transportadora de Macaé, passei no psicotécnico e a empresa me encaminhou para fazer o toxicológico mas meu cabelo é pequeno, tenho pouco pelo nos braços e pernas, O funcionário do laboratório me informou que tenho menos de 4 centímetros de cabelo e por isso não coletou o material, “simplesmente o laboratório se recusou a realizar o exame, alegando que meu cabelo era pequeno”. Obviamente a empresa contratou outro motorista e preencheu a vaga. Perdi a oportunidade de emprego que lutava a um ano para consegui!!!
    Agora vou ter que esperar meses para meu cabelo crescer.
    Resultado estou barrado pela lei não vou consegui emprego em lugar nenhum ate meu cabelo crescer, não posso cortar o cabelo para ter uma boa aparência para próxima entrevista de emprego. vai ser difícil uma pessoa cabeluda obter oportunidade de emprego, tenho filho estou com pensão atrasada correndo risco de ser preso, essa lei me tirou o direito de trabalhar e conseqüentemente posso ir preso!
    Tenho colegas que renovaram a CNH,e relataram que o exame toxicológico retira grande quantidade de cabelo e fica um grande buraco no couro cabeludo obrigando o cidadão a raspar o resto do cabelo e consequentemente quando conseguem emprego não podem ser contratados por terem o cabelo pequeno, estamos fardados a ficar desempregado. Assim, está a se imputar restrições ao direito de trabalhar e dirigir dos cidadãos profissionais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *