Assembleia: mais da metade dos servidores que se consideram estáveis não são

assembleiaLevantamento do Blog do Jorge Vieira trás um sério alerta para servidores da Assembleia Legislativa em greve. Acontece que segundo o levantamento, dos 374 considerados estáveis, só 130 podem ser enquadrados como tal. Os 234 restantes entraram depois de 1983, não tendo portanto direito à estabilidade, o que implica em dizer que todos estão passivos de demissão, caso batam de frente com a gestão.

Na realidade, a Constituição de 1988 considerou estáveis os servidores que estavam no serviço público há pelo menos cinco anos. Ou seja, 1983. Os que entraram entre 5 de outubro de 1983 e o ano da promulgação da Carta magna, não foram amparados.

A direção da Casa já estuda a demissão dos servidores nessa categoria, que estão fazendo greve sem ter estabilidade.

2 pensou em “Assembleia: mais da metade dos servidores que se consideram estáveis não são

  1. Clodoaldo, os funcionários não estáveis só estão passíveis de demissão se baterem de frente com a direção da Assembleia? Isso para mim tem outro nome: CHANTAGEM.

  2. Querem de qualquer maneira prejudicar os trabalhadores. O que a presidência da Assembléia Legislativa está fazendo e uma tremenda injustiça.O que se nota nesse antro de improbidade é um bando de funcionário fantasmas, incluindo uma caralhada de ex-deputados até os cassados recebem sem trabalhar. Da mesma forma que está acontecendo no TCE, onde o filho do Dep. Waldir Piauí, recebia salários sem trabalha, O MPE tem que fazer da mesma forma fiscalizar essa ALMA, “de cabo a rabo”, não é de hoje que existe esta patifaria nesta Assembléia, tudo que é de político tem parentes e aderente neste Poder, milhares de dinheiro publico sai pelo ralo desta casa, até de gente que mora no exterior existem. O que falta mesmo é vergonha neste deputados, a maioria deles safados, preguiçosos. Além de receberem salários copioso, apoiam a vilania da mesa diretora, não dão um pio a favor dos trabalhadores concursado e com estabilidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *