Oposição na OAB-MA reclama do luxo na campanha de Thiago Diaz enquanto reforma da sede não sai do papel

Thiago Diaz lançou pré-candidatura para continuar no comando da OAB com pompa. Mas a reforma da sede…

Paralelamente às eleições gerais, um outro pleito tem causado movimentação nos bastidores: o da nova direção da seccional maranhense da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB-MA. A oposição ao atual presidente, Thiago Diaz, reclama muto da forma como o candidato à reeleição tem conduzido a campanha e a administração da Ordem.

Diaz lançou sua pré-candidatura à reeleição usando o Palácio Luís XIII, um dos buffet’s mais caros e luxuosos de São Luís. Após o lançamento, Diaz promoveu requintado jantar no Coco Bambu.

A oposição reclama que enquanto gasta muito na sua pré-campanha, a obra de reforma da sede da OAB-MA já foi por diversas vezes denunciada pelo descaso com que vem sendo tocada. Segundo o vice-presidente e pré-candidato à Presidência, Pedro Alencar, Diaz corre contra o tempo para entregar o prédio reformado, antes que expire o prazo permitido pela própria OAB-MA, que “é de no máximo 90 dias antes das eleições”, explicou.

O Conselho Federal destinou aproximadamente R$ 1,2 milhão desde o início de 2017 para a obra, mas esta só foi iniciada um ano depois, no início de 2018.

A pequena empresa R.Costa Uchoa Júnior, com sede no município de Presidente Vargas, ganhou um contrato de mais de R$ 992 mil para execução da obra. Apesar do alto investimento, a reforma deve ser entregue sem ter sido finalizada.

2 pensou em “Oposição na OAB-MA reclama do luxo na campanha de Thiago Diaz enquanto reforma da sede não sai do papel

  1. BOMBA!!! Roberto Rocha manda intermediário ao Rio de Janeiro negociar com dono do instituto Ibope para alterar seu percentual e da ex-governadora Roseana na pesquisa relativa ao resultado no Maranhão.

  2. Equipe de Roberto Rocha acaba de sair da Fiema, depois de um audiência com assessoria dos pré-candidatos Flávio Dino, Roseana e Maura Jorge, onde solicitaram à organização do evento, se poderiam abrir uma exceção e permitirem o senador a participar do debate. A Fiema deixou a cargo dos candidatos permitirem ou não se Roberto participaria, tanto assessoria de Flávio, Roseana e de Maura não se opuseram. Quem diria, em? Um senador da república ficar para trás de uma ex-prefeita e ainda ter que implorar para participar de debate.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.