Em nota, secretários de Estado de Cultura do país reafirmam apoio à suspensão de eventos culturais

Secretário de cultura do Maranhão, Anderson Lindoso, reforça necessidade de apoio a atrações culturais pela internet

Em nota lançada à imprensa, nesta quinta-feira (26), o Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Cultura reafirma o apoio ao prosseguimento da quarentena, e de eventos artísticos e culturais, como estratégia de combate à proliferação do Coronavírus. O secretário de Cultura do Maranhão, Anderson Lindosos, defende que esse é um compromisso e respeito com a vida das pessoas.

“Nós decidimos continuar apoiando a suspensão, vamos trabalhar nisso, para evitar que esse vírus tome proporção maiores como aconteceu em outros países no mundo, experiencias que estão comprovadas e que servem de base para que a gente mantenha nosso foco em preservar a vida humana e trabalhar para que a gente possa, de maneira alternativa, ajudar nossos artistas e ajudar a economia se recuperar”, assegurou Anderson Lindoso, diante da nota publicada.

Na nota, os Secretários e Dirigentes de Cultura do Brasil lembram que os governadores já estão adotando estratégias para minimizar os impactos econômicos também na economia criativa, onde existe uma imensa rede de fazedoras e fazedores de cultura.

No Maranhão, foi lançado o projeto Conexão Cultura, com a abertura de Edital para apresentações culturais pela internet. “Os Governos Estaduais estão fazendo, na medida do possível, várias ações para evitar danos maiores à economia, a exemplo do Maranhão e do Pará que, pioneiramente, lançaram editais para apresentações via internet, para que artistas de todo o estado possam participar. Então, existem meios e nesse momento nós entendemos que a prioridade é preservar a vida e a saúde das pessoas, de qualquer cidadão”, explicou Anderson Lindoso.

Em nota, também foi informado que o colegiado já apresentou ao Governo Federal, por meio da Secretaria Especial de Cultura, uma série de proposições para destravar e agilizar a liberação de recursos fundamentais para evitar o colapso da economia da cultura, entre eles o descontingenciamento de 300 milhões de reais do Fundo Nacional de Cultura – FNC, e a liberação das ações previstas no Plano que ativa os recursos do Fundo Setorial do Audiovisual – FSA.

“A economia não está a cima da vida e existem outros modos de tralhar a economia também para evitar o colapso total. Aí depende muito do Governo Federal liberar verba para os Estados, para que a gente possa trabalhar isso”, concluiu Lindoso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *