Deputados divergem sobre decisão de fechamento total em São Luís

Dois deputados estaduais já se manifestaram sobre o lockdown, ou seja o fechamento de todas as atividades, exceto as extremamente necessárias para alimentação e saúde. E os que se manifestaram foram em posições totalmente divergentes.

O deputado Yglésio Moyses (PROS), que é médico, foi contra a decisão judicial que determinou o fechamento. Para ele, a metodologia só gerou mais pânico, corrida aos supermercados e maior contaminação.  “Lockdown por decisão judicial de primeiro instância:princípio da separação dos poderes mandou lembranças. Decisão de Executivo Estadual e Municipal usurpadas. Constituicionalidade completamente questionável, Agora, vem o pânico nos supermercados,falta de alimentos nas prateleiras, etc. Sem falar no aumento da contaminação quando há uma notícia repentina. O grande problema no Maranhão não é a ação, é a metodologia. Poderia ter sido tomada uma decisão muito mais maturada, discutida com as Secretarias de Saúde, Polícias e Bombeiros, enfim”.

O parlamentar também alega também que o fechamento por 10 dias dando 5 dias de intervalo foi cientificamente equivocada. “Não entendi a base científica p/ um lockdown marcado pra daqui a 5 dias, por 10 dias. Não existiu dessa forma em nenhum local do planeta Terra. Ou decreta lockdown de uma vez ou não, no mínimo por 15 dias. Se for pra apenas colocar pânico na população, pra depois ter a decisão derrubada no TJ, poderiam tem sido feito apenas mudança na propaganda institucional e melhora da fiscalização estatal no distanciamento”, afirmou.

Já o deputado Zé Inácio, foi peremptoriamente favorável á determinação judicial de lockdown. “Durante a pandemia, países como a China, Itália, Índia, Malásia, etc. já adotaram o lockdown como forma de diminuir o crescimento do contágio entre a população. Tendo em vista a curva de crescimento da doença em todo o País, sobretudo porque o mês de maio será o mês mais crítico para os Estados do Nordeste, segundo os especialistas, é fundamental que o Governo do Maranhão adote medidas mais rigorosas de isolamento, através do lockdown”, afirmou em artigo.

Para Inácio, “se o Governo do Estado não adotar a política do fechamento total da capital, apesar dos esforços da Secretaria de Saúde para aumentar o número de leitos no Maranhão, teremos um colapso no SUS e a população pode sofrer com a falta de atendimento adequado em decorrência do constante crescimento de pessoas infectadas no Estado”. E disse que a medida terá seu total apoio em votação na Assembleia Legislativa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *