Ferry: governo rescinde com Internacional e Celte; única apta agora é a empresa do José Humberto

Encalhado, em reforma, e sem autorização da Marinha, ferry José Humberto é hoje o único com autorização legal para fazer a travessia na Baía de São Marcos

Foram publicadas no Diário Oficial de ontem (23) as rescisões dos contratos da Agência de Mobilidade Urbana (MOB) com as empresas Internacional Marítima e Celte Navegações. Agora, as empresas não possuem mais a concessão para o transporte de passageiros e cargas entre o terminal da Ponta da Espera e do Cujupe.

Com a oficialização do distrato, que havia sido anunciado pelo governo há pouco mais de um mês, quando estourou o caos no sistema de ferry boat do Maranhão.

Agora, a única empresa “habilitada” é a Nazaré Confiança, do empresário Carlos Bannach. A empresa responsável pelo famigerado ferry José Humberto, que sempre navegou em rio no Pará e foi trazido para o Maranhão, virando motivo de piada devido a falta de estrutura da embarcação para fazer a travessia na Baía de São Marcos.

A empresa de Bannach foi autorizada a operar em caráter emergencial e precário por Portaria assinada dia 30 de março de 2022 pelo ex-governador Flávio Dino.

Assim, se a Internacional Marítima, que basicamente era a única que estava operando, não tem mais concessão para fazê-lo, o José Humberto segue parado em reforça e sem autorização da Marinha para operar, quem vai fazer  travessia a partir de agora?

2 pensou em “Ferry: governo rescinde com Internacional e Celte; única apta agora é a empresa do José Humberto

  1. Pingback: Governo Brandão rescinde contratos e ferry velho proibido pela Marinha é o único autorizado a operar – Verdade 98 – A verdade realmente maranhense

  2. Pingback: MOB afirma que Internacional Marítima vai continuar operando serviço de ferry boat por "autorização precária" - Blog do ClodoaldoBlog do Clodoaldo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.