Luís Fernando é único pré-candidato que ignora caos no Maranhão

Em festival de inaugurações no ano da eleição, Luís Fernando ignora crise no Maranhão.

Em festival de inaugurações no ano da eleição, Luís Fernando ignora crise no Maranhão.

Enquanto todos os outros pré-candidatos ao governo do estado têm se manifestado e/ou atuado com relação ao problema carcerário e de segurança no Maranhão, o único totalmente alheio à problemática é o secretário de Infraestrutura Luís Fernando Silva (PMDB). Ele sequer emitiu uma nota de um parágrafo pela situação, se solidarizando à família da menina Ana Clara, em apoio ao povo do Maranhão ou pelo menos demonstrando confiança na sua governadora.

Flávio Dino (PCdoB), Eliziane Gama (PPS), Hilton Gonçalo (PDT), Luís Pedroza (PSOL) e até o PSTU já lançaram notas sobre a situação do Maranhão, que se está chegando ao final da segunda semana. Mas o pré-candidato ao governo da situação é o único que não se manifesta. Por participarem de comissões de Direitos Humanos, Eliziane e Pedroza têm participado diretamente das ações.

Luís Fernando passou a primeira semana da crise totalmente sumido. Não havia nenhuma agenda sequer e ninguém sabia por onde andava o secretário. Esta semana, resolveu reaparecer em duas agendas de pouca expressividade.

Nesta segunda-feira (13), apareceu em entrega de estrada em Lago dos Rodrigues. Não aproveitou seu retorno às agendas públicas para se manifestar sobre o caos no estado que pretende governar. Também participou da inauguração de um tal distrito industrial em Grajaú. Ainda assim, não falou sobre a crise.

Escondido no interior, Luís Fernando se afasta do olho do furacão. Vale lembrar que Luís Fernando era há pouco tempo secretário-chefe da Casa Civil estadual. Ou seja, era o homem que coordenava as ações do governo Roseana, e portanto, também tem sua parcela de contribuição na falta de organização do sistema de segurança e carcerário do Maranhão.

 

Por ausência de Lobão, PMDB adia lançamento da pré-candidatura de Luís Fernando

PMDB teme desgaste de evento pró-Luís Fernando sem Lobão.

PMDB teme desgaste de evento pró-Luís Fernando sem Lobão.

Com medo da repercussão negativa, o lançamento da pré-candidatura ao governo do Estado do secretário de Infraestrutura, Luís Fernando Silva (PMDB), que seria realizado neste sábado em Coroatá, foi adiado plea Executiva estadual do PMDB. O problema foi a ausência do ministro de Minas e Energia Edison Lobão.

Com as especulações cada vez mais quentes nos bastidores políticos de que Luís Fernando pode não ser o candidato do grupo Sarney, a presença de Lobão era imprescindível para para forçar a imagem de união do grupo. Mas a agenda de Lobão no ministério não permitiu sua presença.

Quem confirmou ao titular do blog o adiamento pela ausência foi o próprio presidente estadual do PMDB, Remi Ribeiro. . “Muitas autoridades tiveram incompatibilidade de agenda e não poderíamos fazer um evento desse porte para o candidato do nosso sem que as nossas principais lideranças estejam presentes. Principalmente nossos dois ministros, até para não gerar especulações. Então, vamos pensar em uma nova data”, afirmou;

Remi disse que o ato pró-Luís Fernando tem que ser grandioso, por isso só será realizado com a presença de todos os caciques da legenda.

Oposição anexa mais provas em ação contra abuso de poder de Luís Fernando

Luís Fernando entregando sementes no governo itinerante.

Luís Fernando entregando sementes no governo itinerante.

A bancada de oposição aditou a representação contra o secretário de Infraestrutura do Maranhão, Luís Fernando Silva. A ação na procuradoria eleitoral foi feita no início de novembro por abusos e ilegalidade voltadas ao pleito de 2014. Mesmo com a ação, LF teria continuada cometendo as mesmas irregularidades e novas provas foram impetradas.

Na ação inicial, foram listrados na representação todos os fatos que, segundo os denunciantes, se não for tomada nenhuma providência, agora, poderá macular o resultado do pleito do ano que vem. Eles informaram ao procurador que a representação visa coibir a utilização da estrutura do Estado do Maranhão de modo a favorecer uma das pré-candidaturas em disputa.

Citaram como exemplo o “Governo Itinerante”. Segundo os denunciantes, “as visitas de trabalho aos municípios do estado se transformaram em mero palanque para atividades eleitoral, onde se promovem atos de campanha, pede-se voto ou apoio político e se condiciona a concessão de qualquer auxílio ou benesse ao município a apoio na eleição do candidato escolhido pela atual ocupante do Palácio dos Leões”.

No aditamento impetrado, está o pedido expresso de voto sem eventos oficiais do governo do estado. Também é citada a utilização da estrutura da Secretaria Estadual de Comunicação para campanha do pré-candidato.
Segundo a representação, “As visitas de trabalho aos municípios se transformaram em mero palanque para atividades de campanha eleitoral, onde se promovem atos de campanha, pede-se voto ou apoio político e se condiciona a concessão de qualquer auxílio ou benesse ao município a apoio na eleição do candidato escolhido pela atual ocupante do Palácio dos Leões”.

Luís Fernando cada vez mais tenta descolar imagem do grupo Sarney

O secretário de Infraestrutura do Estado e pré-candidato a governador pelo grupo da governadora Roseana Sarney (PMDB) tenta agora dissociar sua imagem do grupo ao qual pertence. Ao ser questionado sobre os indicadores do Maranhão, saiu pela tangente:  “não posso responder pelo que eu não fiz, ou pelo que alguém fez”.

Luís Fernando ficou irritado com algumas perguntas feitos pelo repórter da RedeTV de Imperatriz. Quando apertado sobre os indicadores sociais do Maranhão, tentou se fazer de desentendido “quais indicadores?”. Mas acabou afirmando que não responderia pelo que não fez, ou seja, a responsabilidade é de quem governou antes, o que inclui Roseana Sarney e outros membros do grupo que comandaram o estado. “Sou secretário de Infraestrutura do governo do Maranhão e respondo pela minha secretaria. Eu tenho que contar minha história de gestor e não a história dos outros”.

O secretário ainda tentou jogar a culpa de todos os indicadores sociais do Maranhão nos governos Jackson Lago e Zé Reinaldo, mas ao ser lembrado da idolatria do povo de Imperatriz a Jackson se retratou: “O Jackson éídolo e merece porque ajudou muito a cidade. Eu estou falando do Zé Reinaldo”. Então, Luís Fernando diminuiu o período para quatro anos.

Como este blog já vem indicando, Luís Fernando vive um dilema de como deverá ser seu posicionamento em 2014: vestir a camisa do governo ou abraçar o discurso de mudança, que é utilizado pela oposição.

Leia também: O dilema de Luís Fernando: mudança ou continuidade?