Sem acordo, greve dos rodoviários chegará ao quarto dia

Em assembleia, rodoviários decidem manter greve

Em assembleia, rodoviários decidem manter greve. Foto: G1 Maranhão

Mais um dia onde as negociações não resultaram no final da greve dos rodoviários com a paralisação de 100% da frota chegará ao quarto dia nesta sexta-feira (30). O movimento dos rodoviários já dura sete dias. Os trabalhadores decidiram pela manutenção da paralisação de 100% da frota dos ônibus de São Luís. A reunião ocorreu na sede do Sttrema na tarde desta quinta-feira (29).

A Prefeitura propôs o combate às fraudes nas gratuidades e meias-passagens, o fim da chamada ‘Domingueira’ e a redução do ICMS para combustíveis entre outras medidas que garantiriam um ganho de aproximadamente R$ 2.125.000,00 por mês ao setor. Ainda assim, não houve acordo. A prefeitura garante que o aumento do preço da tarifa está descartado.

Os rodoviários querem reajuste salarial de 16%, reajuste do vale-alimentação para R$ 500 por mês, inclusão de um dependente no plano de saúde e implantação de plano odontológico.

Prefeitura apresenta propostas para evitar reajuste das tarifas

reuniaosmttDurante a extensa negociação entre prefeitura, rodoviários, empresários e demais entidades envolvidas, os representantes da prefeitura foram claros em afirmar que não aceitam o reajuste da tarifa do transporte coletivo em São Luís. Segundo o secretário de governo, Rodrigo Marques, o prefeito Edivaldo não admite que o usuário do transporte pague pela desestruturação do sistema que se acumulou durante anos.

Rodrigo Marques e o secretário de transportes, Canindé Barros, coordenam a frente de trabalho. “O transporte de qualidade é uma preocupação do prefeito Edivaldo desde o primeiro dia de governo. O problema é nacional. O prefeito entende que a solução passa por medidas estruturantes. Isso não é feito do dia para noite”, afirmou o secretário de Governo, Rodrigo Marques.

Canindé apresentou o plano que concentra ações em cinco metas, que incluem a definição do percentual mínimo de cumprimento das viagens programadas, revisão das ordens de serviços, vistoria semestral da frota, programa de renovação da frota e treinamento do pessoal de operação. São metas em curto e médio prazo para reestruturar o sistema e garantir a permanência da tarifa.

A prefeitura também garantiu que instalará a biometria facial em no máximo 90 dias e combater sistematicamente o transporte clandestino. A biometria é apontada como a maneira mais eficaz de combater a fraude no sistema. Já foram suspensas de imediato mais de 5 mil carteiras de estudante.

Canindé também foi duro ao afirmar que a prefeitura estava repassando o subsídio de R$ 2 milhões mensais e não foram feitas melhoras por parte dos empresários. Portanto não haveria mais repasse.

A previsão é que o processo licitatório do transporte aconteça até janeiro de 2015.

Reunião não põe fim à greve e São Luís fica sem ônibus por mais um dia

Não houve acordo na reunião de membros do sindicato dos rodoviários, das empresas e da prefeitura de São Luís e outras entidades. A capital maranhense permanecerá com 100% da frota parada nesta quarta-feira (28).

O Sindicato das Empresas de Transporte quer a contrapartida da prefeitura mensal de R$ 4 milhões para diminuir o prejuízo que alegam ter ou o aumento do preço da passagem. A prefeitura diz que não pode fazer o repasse. Outra proposta debatida é a diminuição no ICMS cobrado sobre o valor do óleo diesel cobrada pelo governo do estado.

Os empresários pressionam pelo aumento da passagem que hoje é de R$ 2,10 para R$2,70.

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT-MA) aplicou um total de R$ 384 mil em multas ao Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários por não cumprirem as exigências do mínimo de circulação de 70% da frota.

Ônibus ficarão novamente nas garagens

Ônibus ficarão novamente nas garagens e usuários a pé

 

Leia também: Othelino denuncia que empresários estimulam greve para aumentar preço das passagens

Othelino denuncia que empresários estimulam greve para aumentar preço das passagens

othelinoO deputado Othelino Neto (PCdoB) falou nesta terça-feira (27) sobre a paralisação do transporte coletivo em São Luís. Para o parlamentar, a greve está sendo estimulada pelos donos das empresas de ônibus que querem constranger e forçar o prefeito Edivaldo Holanda Jr a conceder aumento de passagens.

O comunista questionou o eterno choro dos empresários do ramo de transporte de São Luís que sempre reclamam que o sistema está falido, mas não abandonam o ramo. “Ora, qual é o empresário que continua no ramo que dá prejuízo? Se dá prejuízo, pede para sair e passa para outro. Eu quero saber quem é, nesta Casa, inclusive há alguns empresários, quem é que insiste num negócio que dá prejuízo? Quem é o dono de empresa de ônibus de São Luís que pediu concordata ou falência? Este voto de pobreza é muito estranho”, questionou.

O jornal O Imparcial revelou na edição de hoje que os empresários querem aumentar o preço das passagens para R$ 2,70.

Nesta terça, 100% da frota está parada na capital maranhense. Está sendo realizada nesta tarde na sede da SMTT uma reunião para por fim ao impasse. participam o Sindicato dos Rodoviários, SET, Tribunal Regional do Trabalho (TRT), OAB-MA, Procon-MA, Câmara Municipal, Governo do Estado, Ministério Público, Associação Comercial, Sindicato dos Comerciários, Fiema e Fecomercio. Também foram convidados para a discussão o Movimento Estudantil Independente (MEI), DCE’s da UFMA, da Uema e do Ifma, além do Movimento Nossa São Luís.

 

Prefeitura reforça frota de retaguarda durante greve dos rodoviários

Canindé Barros. Foto: Fabrício Cunha

Canindé Barros. Foto: Fabrício Cunha

Nesta sexta-feira (23), a greve dos rodoviários de São Luís chega ao segundo dia e ainda não tem data para acabar. A Prefeitura de São Luís está fazendo o acompanhamento do movimento grevista dos rodoviários desde a noite de quarta-feira (21). Segundo o secretário de Trânsito e Transportes (SMTT), Canindé Barros, o objetivo do monitoramento é garantir o direito dos usuários do sistema de transporte coletivo.

Por conta da greve, Canindé colocou a frota de reforço em circulação nos terminais, amenizando a falta de ônibus por causa da greve. “Colocamos ônibus para fazer reforço nos terminais. No primeiro dia de greve foram 20 ônibus a mais para recompor a frota. Tivemos que interferir para que a frota de retaguarda fosse colocada em circulação”, informou o secretário.

O acompanhamento de todo o movimento está sendo feito por agentes de trânsito deslocados para as portas das garagens das empresas e através da bilhetagem eletrônica.

Canindé lamentou que no primeiro dia da greve, tenham circulado em São Luís uma média de 450 ônibus. A frota de São Luís é composta por 1.150 coletivos, portanto, foram mantidos apenas um percentual de 30% da frota. A justiça determinou a circulação de 70% dos veículos.

Além de agentes de trânsito, a SMTT convocou o reforço da Guarda Municipal e da Polícia Militar para evitar confronto entre grevistas nas garagens das empresas. Nos terminais de integração a SMTT tem mantido os serviços regulares graças à contratação de uma empresa.

Pelo menos, até o momento, não foram registradas depredações ou tumultos. A população espera um acerto para que a locomoção seja garantida em sua integralidade.

Nova reunião nesta terça decide continuidade da paralisação dos ônibus

rodoviariosNesta terça-feira (1º) às 9h, será realizada uma nova reunião entre a policia militar e os rodoviárias, para decidirem sobre o possível fim da paralisação. Os rodoviários decidiram manter a paralisação nesta segunda-feira e interromperam as viagens entre às 18h e às 4h.
Os rodoviários reinvidicam que 15 viaturas que estão paradas no estacionamento da Secretária de Segurança Pública (SSP) estejam circulando nas ruas, para garantirem mais segurança a população.
Houve uma reunião entre os rodoviários e o comando da polícia, mas não houve acordo.
O protesto começou na última sexta-feira (28), com os ônibus sendo recolhidos e levados para as garagens das empresas, a partir das 18h e só voltando a circular pelas ruas de São Luís, na madrugada do dia seguinte, a partir das 4h. O que se repetiu durante o final de semana.