Sem quadros competitivos, PMDB quer Castelo candidato sarneysta ao Senado

Foto: Paulo Caruá

Foto: Paulo Caruá

O assédio do grupo Sarney ao PSDB é grande desde que o prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira (PSDB), se assumiu sarneysta e foi destacado para tentar convencer o tucanato a montar o ninho no Palácio. Mas com o PT praticamente acertado na chapa e a aproximação grande dos tucanos com Flávio Dino (PCdoB), as negociações haviam esfriado. O assédio voltou nos últimos dias, com a desistência de Roseana Sarney da candidatura ao Senado, que já já tinha tomado a decisão há algum tempo.

O principal gancho do novo assédio é a proposta de candidatura de João Castelo (PSDB) ao Senado pelo grupo da governadora. E a proposta tem fundamento, afinal, o tucano é de longe, mais competitivo do que os dois principais pré-candidatos do grupo Sarney, Edinho Lobão (PMDB) e Gastão Vieira (PMDB). Além de fisgar o partido com o terceiro maior tempo de televisão, Roseana teria um candidato com reais chances de disputar o Senado com Roberto Rocha (PSB), líder nas pesquisas divulgadas até o momento.

 

A jogada do governo é eleitoralmente interessante, embora, possa causar problemas com a família Lobão, desprestigiada em virtude de um candidato ao Senado que estaria chegando agora no ônibus e já sentaria na janela.

 

Mas e para Castelo? O ex-prefeito de São Luís é dos poucos políticos do Maranhão com um eleitorado fiel e uma margem segura de votação cristalizada assim como são também Epitácio Cafeteira e Edison Lobão. O posicionamento de Castelo em mais de 30 anos como adversário do grupo Sarney pesam. O fiel eleitor de Castelo ficaria meio tonto vendo o tucano no mesmo palanque do grupo que hoje desmorona politicamente e eleitoralmente.

Castelo é competitivo, mas se entrar em uma disputa ao lado do grupo que ele combateu e que o combateu com fervor por mais três décadas, poderá encerrar de maneira melancólica sua trajetória política, com uma derrota caindo de vez junto com o grupo que está encerrando seu ciclo. Nem a péssima administração de São Luís seria um final tão deprimente para sua história política, já que deve ser reconhecido que mesmo apanhando da mídia sarneysta todos os dias na prefeitura, Castelo não cedeu aos encantos do Palácio dos Leões para uma parceira institucional-política (a única que o grupo Sarney aceita fazer), o que lhe garantiria convênios melhoraria sua imagem junto á população.

É esperar para ver…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *