Com novo corte na educação feito pelo Governo Bolsonaro, MA deixa de receber R$ 13 milhões

Em comunicado feito via portaria interministerial, o governo de Jair Bolsonaro anunciou: a educação terá, já nos últimos meses de 2020, corte no repasse de recurso. Pelas redes sociais, o secretário de Estado de Educação, Felipe Camarão, lamentou a decisão que impactará diretamente na educação de milhares de maranhenses.

“O Governo Federal reduziu o investimento per capita do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação). Um retrocesso assombroso e sem precedentes. Só o Maranhão deixará de receber este mês 13 milhões de reais. Ano que vem o caos tende a aumentar”, publicou Camarão.

Pela decisão, publicada na última quinta-feira (26) em edição extra do Diário Oficial da União (DOU), estão sendo alterados os parâmetros operacionais do Fundeb para o exercício de 2020, com a redução do valor mínimo nacional a ser investido por aluno anualmente.

De acordo com o texto, assinado pelos ministros da Educação, Milton Ribeiro, e da Economia, Paulo Guedes, por houve uma redução de 8%, caindo de R$ 3.643,16 para R$ 3.349,59 por aluno.

Nas redes, a nova canetada do governo Bolsonaro nos 45 minutos do 2º tempo de 2020 gerou grande repercussão, numa nova onda de críticas a falta de investimentos na educação. E a grande questão é: o que esperar de 2021?

Edivaldo vistoria obra da nova sede da Semfaz para entregar ainda no seu mandato

O prefeito Edivaldo Holanda Junior vistoriou, nesta segunda-feira (30), as obras de reforma do antigo prédio do Banco do Estado do Maranhão (BEM), na Rua do Egito, Centro. O local será a nova sede da Secretaria Municipal da Fazenda (Semfaz) e os serviços já estão em fase final. Com mais este investimento, a gestão do prefeito Edivaldo vai garantir a ampliação, modernização, descentralização e maior celeridade às atividades realizadas pelo fisco municipal, melhorando o serviço prestado ao contribuinte. A nova sede da Semfaz contará com 30 guichês de atendimento e um andar exclusivo para o desenvolvimento de inovações tecnológicas para o sistema tributário da capital.

Da etapa de obras de construção civil já estão na fase de acabamento, todo o sistema de ar-condicionado já está concluído e as instalações elétricas já começaram a passar por testes operacionais.

Por meio da reforma, o edifício inaugurado na década de 1960 está sendo recuperado e modernizado. Já foram finalizadas as intervenções estruturais em todos os andares do prédio, incluindo novo piso, revestimento, divisórias das salas, instalações hidráulicas dos banheiros entre outras. Faltam finalizar o forro, etapa que depende da conclusão dos testes da rede elétrica e de ar-condicionado, que já está totalmente instalada. Quanto à rede elétrica está sendo finalizada a instalação das luminárias e está em andamento a instalação de uma subestação para abastecimento elétrico do edifício. O prédio conta ainda com sistema anti-incêndio e elevadores.

Osmar Filho já encaminha sua recondução à presidência da Câmara Municipal

O atual presidente da Câmara Municipal de São Luís, Osmar Filho, não perdeu tempo e já começou as tratativas para ser reeleito no comando da Casa.

Osmar já é o favorito para vencer a disputa por estar no poder e ter apoiado o prefeito eleito Eduardo Braide. Garantindo os votos da base de Braide, Osmar já teria número suficiente para ser reeleito.

Um dia após o segundo turno, Osmar já reuniu com 10 vereadores que apoiaram sua candidatura. Numericamente, só precisa de mais cinco votos.

A base de Braide na Câmara Municipal de São Luís

Braide teve 9 vereadores eleitos pelo seu grupo e ampliou a base para 17 no segundo turno.

O prefeito eleito Eduardo Braide deve ter uma boa base de sustentação na Câmara Municipal de São Luís. Pelo perfil dos vereadores, ainda não dá para identificar dos que não estavam com Braide quem deverá fazer oposição. Certamente, uma grande parte, deve passar para a base.

Mas dentro dos que apoiaram Braide, ele já tem uma base boa para governar. Foram eleitos pela coligação de Braide: Octávio Soeiro (Podemos), Marcial Lima (Podemos), Domingos Paz (Podemos), Dr. Gutemberg (PSC), Chaguinhas (Podemos), Ribeiro Neto (PMN), Álvaro Pires (PMN), Marcos Castro (PMN) e Karla Sarney (PSD).

Além dos 9 eleitos, se juntaram a Braide no segundo turno: Osmar Filho (PDT), Marquinhos (DEM), Raimundo Penha (PDT), Nato Júnior (PDT), Edison Gaguinho (PDT), Thyago Freitas (DC), Umbelino Júnior (PRTB) e Silvana Noely (PTB).

Assim, Braide já tem o apoio de 17 vereadores contra 13 que apoiaram Duarte e um que não declarou voto no segundo turno.

Pelo perfil governista de alguns vereadores que estavam com Duarte, é possível imaginar que a base será ampliada para pelo menos 23 parlamentares.

Flávio Dino diz que se esforçou para manter grupo unido, mas agora aliança passa por “revisão”

O governador Flávio Dino deu alguns recados e demonstrou de certa forma como será seu posicionamento político após o processo eleitoral deste ano. Dino não conseguiu eleger seu aliado Duarte Júnior no segundo turno em São Luís e ainda teve que conviver com uma guerra dentro do seu grupo, como ele reconheceu, visando a eleição para governador de 2022.

“Nossa aliança estadual está tensionada por conta da disputa pela vaga de governador, já que não posso ser reeleito”, afirmou o governador.

O governador disse que se esforçou para manter o grupo unido, sem sucesso. E agora, a sua ampla aliança de 2018 para por um processo de revisão, visando as eleições de 2022. Ele qualifica tal processo como “normal e democrático”.

Dino também se afasta mais dessa disputa, e afirma ainda esperar que os grupos dialoguem e diz que ele se dedicará a administração do estado. “Espero que os partidos políticos se dediquem a isso. Minha dedicação às tarefas administrativas continua integral, com a seriedade que a difícil situação do país exige”, definiu.

Em entrevista ao UOL, Flávio disse que vai trabalhar por entendimento entre Carlos Brandão e Weverton Rocha.

Josivaldo JP assume vaga na Câmara dos Deputados e Sá Maques é agora o primeiro suplente

De olho na vaga, Josivaldo fez campanha intensa pró-Braide

Com a vitória de Eduardo Braide nas eleições de São Luís, quem assume o mandato na Câmara dos Deputados é o suplente Josivaldo JP. Ele faz política na região de imperatriz e ganha um mandato quase improvável pela sua votação de apenas 23.113 votos.

Para se ter uma ideia do quanto essa votação está longe da média; Simplício Araújo (SD), que estava no chapão onde a concorrência é maior, teve 74.058 votos. O deputado eleito com menos foi justamente o Pastor Gildenemyr, da coligação de Josivaldo, com 47.758 votos, já puxada pela grande votação de Braide para deputado.

Filiado ao PHS, Josivaldo é bolsonarista e aliado do senador Roberto Rocha. Assim, o governo Bolsonaro ganha representante no parlamento com o ascensão de Josivaldo. Vale lembrar que Braide nunca foi um bolsonarista de primeira ordem no parlamento e votou muitas vezes contra o governo.

Novo deputado recepcionou com empolgação Bolsonaro em Imperatriz

Sá Marques na primeira suplência

Também é interessante destacar que o vereador de São Luís Sá Marques, que não conseguiu a reeleição, pode se tornar deputado federal. Com Josivaldo se tornando titular, Sá Marques passa a ser o primeiro suplente da coligação. Se Braide tiver interesse que ele esteja no mandato, basta convencer Pastor Gildenemyr a assumir alguma pasta na gestão municipal para que o suplente assuma.

Flávio Dino não usou bóton de Duarte em nenhum momento da campanha

O governador Flávio Dino passou um recado ao ir votar neste domingo (29). O chefe do executivo maranhense não quis em nenhum momento desta campanha no segundo turno associar sua imagem a do partido Republicanos, legenda dos filhos de Bolsonaro e que pode ser a legenda do próprio Bolsonaro.

Flávio Dino escolheu ir votar com a camisa vermelha com a inscrição “Lula Livre” reafirmando seu posicionamento nacional alinhado à esquerda e já pensando no cenário nacional. Dino não falou em Duarte durante a votação e seu discurso foi pela democracia, contra a ditadura militar homenageando Lula. Na entrevista, falou da conjuntura nacional de aproximação de esquerda no segundo turno e não de São Luís.

O governador preferiu não usar o azul e nem o bóton com o número 10 e não se associar ao Republicanos.

O governador encerra este processo sem ter utilizado em nenhum momento o número 10. O governador, que fez tanto esforço para que todos os seus aliados fizessem campanha e votassem em Duarte Júnior, não quis se associar ao partido de Duarte. E fechou o segundo turno mostrando que segue com o olhar para o Brasil.

Eduardo Braide é eleito prefeito de São Luís

Confirmando o que apontavam todas as pesquisas, Eduardo Braide (Podemos) foi eleito prefeito de São Luís. O deputado federal teve uma ascensão meteórica, quando saiu de um ilustre desconhecido na capital até as vésperas Do primeiro turno da eleição de 2016, para se tornar fenômeno no segundo turno, deputado federal mais votado de São Luís em 2018 e prefeito em 2020.

Com mais 95,56% das urnas apuradas, Eduardo Braide está com 55,87%, Duarte 44,13%.

Braide teve no segundo turno apoio de muitos aliados do governador Flávio Dino e junto com a votação que já tinha do campo contrário não deu outra.