Ricardo Murad tenta fazer uso politiqueiro de tragédia

ricardo

Ricardo Murad usa tragédia para inventar “perseguição” e agredir adversários políticos

É realmente lamentável a forma como o ex-secretário de saúde do Maranhão e apontado pela Polícia Federal como chefe de organização criminosa, Ricardo Murad, tenta usar qualquer coisa de forma politiqueira contra seus adversários políticos. Desta vez, usou a tragédia da morte do delegado de São Raimundo das Mangabeiras, Alex Aragão.

Segundo Murad postou nas redes sociais e fez reverberar nos meios de comunicação sob seu controle, o delegado teria se matado por “perseguição política”. Não demorou muito pra ser repreendido por internautas em sua página. “Larga de ser hipócrita. Quando milhares de pessoas foram demitidas aqui em Coroatá em janeiro 2013 ninguém veio a suicídio. Graças a Deus que não! Mas se fosse por ti, e as maldades que tu faz com as pessoas, o pior teria acontecido. Mas graças a Deus que o povo de Coroatá é forte”, retrucou o internauta Domingos Alberto.

O fato sobre o caso de Alex é que ainda existe muita boataria que circulam em grupos de whatsapp e prints que ninguém sabe se são verdadeiros ainda.

O fato é que o delegado, que estava em estágio probatório, estava sob investigação da Polícia Civil e respondia a três processos administrativos por abuso de poder apenas em sete meses que estava à frente da delegacia de Coroatá.

E antes que os mais apressados digam que estou criticando quem não está mais vivo para se defender, estou apenas demonstrando que não tem nenhuma relação com política as sanções que sofreu o delegado, mas com denúncias de abuso de poder. Claro que o processo está em andamento e Alex poderia ser inocentado.

A imprensa de Murad fala ainda de um carta que teria sido deixada pelo delegado. Mas os policiais que investigam o caso ainda não confirmam a existência da mesma. Mais informações devem ser divulgadas ainda nesta segunda-feira (11).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *