Prefeituras em emergência no Maranhão

Somente dos que o blog apurou, já foram 11 decretos de Estado de Emergência em municípios que alegam terem encontrado situação de caos. Em Coroatá, São Mateus e Alto Parnaíba o decreto abrangeu toda a administração.

Durante o período de transição, prefeitos reclamaram muito da falta de informações do antecessor. Após assumirem, encontraram uma situação de difícil administração. Por outro lado, rapidamente decretaram Estado de emergência se livrando da burocracia das licitações para colocar a máquina em funcionamento.

A prefeita de Coroatá, Teresa Murad (PMDB), decretou situação de Emergência em todo o município por 60 dias. Ela alega que achou uma situação de total abandono da cidade, que exigiu a medida extrema, com computadores sem HD, prefeitura sem documentos em nenhuma secretaria, postos de saúde e escolas sem material entre outros problemas. “Até aqui a sede prefeitura está com banheiros quebrados. Não nos foi repassada nenhuma informação da gestão anterior. Os documentos apreendidos na casa de um ex-funcionário estão sendo aditados. Das 13 ambulâncias do município, cinco estavam rodando, e as outras totalmente quebradas”, afirmou. A Justiça encontrou documentos da Secretaria Municipal de Educação na casa de um ex-funcionário da prefeitura.

No município de Chapadinha, a Dulcilene Belezinha (PRB), decretou estado de emergência no município considerando “caos administrativo” nos últimos dias de gestão da antecessora Danúbia Carneiro. O decreto em Chapadinha foi para as áreas de saúde, educação, infraestrutura e assistência Social. Belezinha alega que houve uma “completa paralisação da administração pública municipal, obrigando o governo a adotar medidas urgentes e especiais para garantir atendimento emergencial nas áreas atingidas”.

Em Sambaíba, o prefeito Dr. Santana (PRTB) diz ter encontrado a prefeitura no pior estado possível, com hospital fechado com ratos e morcegos, sujeira pela cidade, prefeitura depredada e mercado em condições insalubres. “Não tinha a menor condição. A cidade estava realmente em uma situação caótica. Tivemos que decretar Estado de Emergência de 90 dias para tentar reverter esta situação”. O decreto em Sambaíba foi para as áreas de Saúde, Educação e Limpeza pública. Ele alega que das contas da prefeitura, a que encontrou com mais dinheiro quando assumiu tinha R$ 2,10.

No município de Rosário, a prefeita Irlahi Linhares (PMDB), decretou situação de emergência nos serviços de Infraestrutura e Saúde por 90 dias. A gestora também alegou não terem sido repassadas as informações pela gestão anterior e considerou que hospitais, postos de saúde, entre outros prédios públicos, configurando sem condições de uso.

Em Araioses, a prefeita Valéria Leal (PR) decretou situação de emergência para a área de saúde. A prefeita alegou que não foram repassados informações no período de transição e ela encontrou desaparelhados a sede da prefeitura, a secretaria de Saúde, o Hospital municipal e os postos de saúde. A prefeita alega que o hospital regional de Araioses está fechado desde o dia 1º por não ter materiais de limpeza, ambulatoriais, cirúrgicos e odontológicos. O decreto data do dia 14 de janeiro.

São Mateus também decretou estado de emergência para toda a administração desde o dia 08 de janeiro alegando situação deixada pela cidade anterior. O mesmo ocorreu em Alto Parnaíba, com decreto datado do dia 14 de janeiro, alegando precariedade em todos os setores da administração. portas sem fechaduras, sujeira, fezes na entrada do prédio, iluminação elétrica cedida de uma residência particular vizinha à Prefeitura, além de uma série de problemas elencados. Em Santa Luzia, o decreto de 90 dias foi para a área de limpeza. Em Vila Nova dos Martírios, a prefeita Karla Cabral decretou emergência nas áreas de limpeza pública e obras.

Estado de Emergência
São Luís – Saúde – 90 dias
Rosário – Infraestrutura e Saúde – 90 dias
Coroatá – Geral – 60 dias
São Mateus – Geral – 90 dias
Alto Parnaíba – Geral – 180 dias
Chapadinha – Saúde, educação, infraestrutura e assistência Social – 60 dias
Sambaíba – Saúde, Educação e Limpeza Pública – 90 dias
Araioses – Saúde – 90 dias
Vila Nova dos Martírios – limpeza pública e obras – 90 dias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.