Eliziane afirma que Congresso vai trabalhar para derrubar veto ao projeto sobre pobreza menstrual

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) afirmou que o Congresso Nacional vai trabalhar para derrubar o vetor ao projeto de pobreza menstrual.

Em alusão ao Dia Internacional da Mulher, comemorado neste 8 de março, as bancadas de parlamentares mulheres da Câmara e do Senado apresentaram ao presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) uma lista de pautas que, defendem, sejam considerados prioritárias para análise em março. Entre eles está o veto do presidente Jair Bolsonaro ao projeto de combate à pobreza menstrual (PL nº 4.968/19) que pretendia a distribuição gratuita de absorventes a mulheres em situação de vulnerabilidade, detentas e estudantes de baixa renda de escolas públicas.

A pobreza menstrual é uma classificação usada para descrever a situação de quem sofre com a falta de acesso a recursos e conhecimento para cuidar de si durante a menstruação. Números trazidos pela Organização das Nações Unidas (ONU) dão conta de que no Brasil, 25% das meninas entre 12 e 19 anos já deixaram de ir à escola por não terem absorvente para usar. Outro número apresentado pela Unicef mostra que, em todo o mundo, mais de 60% das jovens não são informadas sobre o ciclo menstrual, o que pode acarretar traumas e problemas de saúde ou mesmo gravidez precoce.

Nas pautas, constam como matérias que merecem atenção, como o PL 36/2021 da senadora Eliziane assegurando a participação de pelo menos dois membros da Bancada Feminina nas Comissões Permanentes e Temporárias.

A senadora atuou, com destaque, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, em 2021. Entretanto, o direito de fala dela e das outras senadoras só foi autorizado por após intensa articulação da bancada feminina no Senado. Isso porque, entre os escolhidos para ocupar cadeiras no colegiado, não havia uma mulher sequer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.