Jatinhos do Governo usados em viagens suspeitas por chefe da segurança de Roseana

Do Blog do Jeisael

O coronel José de Ribamar Vieira, chefe da segurança pessoal da então governadora do Maranhão, Roseana Sarney, utilizou jatinhos do Governo para fazer pelo menos duas viagens muito estranhas. A movimentação está registrada em documentos da PMR Taxi Aéreo e Manutenção Aeronáutica, empresa locatária dos jatinhos usados por Roseana Sarney tanto no seu governo quanto em campanhas eleitorais por ela disputadas.

O coronel Vieira viajou até a cidade de Jundiai, em São Paulo, no dia 8 de outubro, 3 dias após o fim da eleição de 2014. Em seguida, no dia 10 de outubro, 2 dias após a viajem à São Paulo, o chefe da segurança de Roseana Sarney saiu de São Luís rumo à capital do Rio de Janeiro.

Vieira viajou sozinho em jatinhos alugados pelo Governo do Estado nas duas oportunidades. O estranho é que apenas a segunda viagem consta nos relatórios emitidos, ainda no governo Roseana, pela Casa Civil. Mais entranho ainda é que não há registros de que a então governadora tenha visitado os dois estados naquele período. E também não foi registrado nenhum assunto de interesse do Maranhão nessas duas viagens.

Que assuntos teria ido resolver o chefe da segurança pessoal de Roseana Sarney? Por que viajou sozinho? Qual a justificativa para utilizar as aeronaves do governo?

De acordo com os documentos obtidos pelo blog jeisael.com, no mês em que as duas viagens foram registradas, o Governo do Maranhão pagou R$ 680 mil pelo contrato com empresa de Táxi Aéreo. Mesmo sem a efetiva prestação do serviço, a PMR recebia um valor fixo mensalmente. O valor anual desembolsado pelo governo de Roseana Sarney com a locação de jatinhos e helicópteros era de cerca de R$ 16,3 milhões.

Nota Fiscal com o valor pago pelo Governo no período das viagens de cel. Vieira

O contrato com a PMR Taxi Aéreo não foi renovado pelo governo Flávio Dino. Além disso, a Secretaria de Transparência e Controle do atual governo vai auditar os contratos anteriores, considerados pela Casa Civil, em análise preliminar, como lesivos ao erário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *