Lula cita Flávio Dino como presidenciável

O ex-presidente Lula concedeu entrevista ao jornalista Bob Fernandes, pela TVE Bahia. Ele falou sobre vários temas como sua prisão, Sérgio Moro, Dallagnol e Bolsonaro, mas também respondeu sobre as próximas eleições presidenciais.

Na entrevista, Lula afirmou que PT, PSB e PCdoB estão costurando aliança para disputar as eleições municipais, no ano que vem.

“O PT tá aí, está se reunindo com o PCdoB, está se reunindo com o PSB. Se isso vai dar uma candidatura sólida em 2022, eu não sei. Se vai dar nas prefeituras, eu não sei. O que é preciso é que cada partido avalie as suas chances e faça o jogo que tem que fazer, sem ficar um com raiva do outro”, disse.

E Lula citou o governador do Maranhão como nome com potencial para candidatura à presidência quando questionado sobre os nomes fora do PT: “Temos o nosso companheiro Flávio Dino”.

Ele também citou Ciro Gomes como liderança, fazendo várias ressalvas ao fato de Ciro não saber conviver com contrários, e citou o Guilherme Boulos como liderança “em gestação”.

 

 

 

Ele voltou a dizer que não aceita progressão de pena no caso de sua condenação. “Eu quero sair daqui com 100% de inocência, porque eu estou aqui porque eu quero. Eu poderia ter saído do Brasil. Porque o jeito de eu ajudar a colocar bandido na cadeia é ficar aqui. Quanto tempo eu não sei, mas é daqui de dentro que quero provar que eles são bandidos e eu não.”

“Carla Perez” do reggae é morta a tiros na Vila Progresso

Na madrugada desta sexta-feira (16) foi morta uma pessoa importante para o movimento reggae de São Luís. Maria José Pinheiro Sá, de 50 anos, mais conhecida como Carla Perez do Reggae, foi assassinada com seis tiros na porta de sua casa, na Vila Progresso, quando estava colocando o lixo para fora.

A hipótese, segundo os vizinhos, é que traficantes da região tenham assassinado a mulher por ela ter repassado informações à polícia.

De acordo com o delegado Gustavo Marques, da Superintendência de Homicídio e Proteção às Pessoas (SHPP), ainda não há uma linha de investigação definida, mas que todas as hipóteses serão apuradas. E confirmou que populares teriam repassado à polícia que “Carla Perez” teria sido morta por tracantes da área, devido ao fato de ela ter ajudado para a apreensão de 34 tabletes de maconha, ocorrida no dia 8 deste mês, quando também prenderam três mulheres, no Cohafuma – bairro localizado próximo à Vila Progresso.

Com informações do Jornal Pequeno. 

Carlos Lula recebe Allan Garcês para discutir ações conjuntas na área da saúde

O governo do estado mostrou que está aberto ao diálogo e parcerias mesmo com as diferenças políticas. O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, recebeu, nesta quinta-feira (15), a visita do diretor executivo do Ministério da Saúde, Allan Garcês. Os gestores dialogaram sobre o trabalho em conjunto dos dois órgãos em prol de melhorias na assistência em saúde para a população maranhense.

“Agradeço muito a presença do doutor Allan Garcês, representando o Ministério e o ministro Mandetta. Independentemente das nossas posições ideológicas, agora importa cuidar das pessoas e da saúde das pessoas, trazer o que se puder trazer para o Maranhão, melhorar os indicadores de saúde, tratar os problemas que podem ser resolvidos em Brasília e, sobretudo, ter uma pessoa que representa nosso estado no Ministério da Saúde e que pode fazer muito por nós”, comentou Carlos Lula.

Na reunião, o secretário Carlos Lula informou o diretor sobre os nove hospitais regionais inaugurados pelo governador Flávio Dino e da necessidade da habilitação junto ao Ministério da Saúde desses serviços, uma vez que isso acarretaria em recursos federais para a manutenção das unidades. Também ventilou a possibilidade do órgão federal apoiar tecnicamente a construção do Planejamento Regional Integrado (PRI), dentre outros assuntos.

“Vim para a visita imbuído do sentimento de ajudar o nosso estado. Como diretor executivo do Ministério, estou me colocando à disposição do Estado do Maranhão para que a gente possa encontrar meios para ajudar a saúde do estado. Para que a gente não tenha nenhuma interrupção dos serviços de saúde prestados ao povo maranhense”, destacou Allan Garcês.

Bolsonaro volta a atacar Flávio Dino e agora mira gestão na Embratur

O presidente Jair Bolsonaro voltou a confrontar o governador do Maranhão, Flávio Dino. Desta vez em clara ameaça afirmando que está investigando a gestão de Flávio Dino na Embratur durante o governo Dilma Rousseff.

Bolsonaro desdenhou de um mascote que foi utilizado para divulgar o Brasil em Nova York. Bolsonaro disse que foram gastos R$ 6 milhões com a campanha “Brasil Quest”, um jogo eletrônico desenvolvido para promover no exterior as cidades-sedes da Copa do Mundo de Futebol de 2014, realizada no Brasil.

O jogo, iniciativa do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), tem como inspiração os atrativos turísticos das 12 cidades-sede da Copa do Mundo Fifa Brasil 2014, que aparecem no formato de ilustração enquanto o usuário joga.  Quem passava pela rua pôde ver nos telões as etapas do jogo, que estava sendo utilizado simultaneamente pelo público no estande do Brasil.

Jogo Brasil Quest que divulgou o Brasil na Copa do Mundo e até hoje promove os pontos turísticos do Brasil entre gamers no mundo. Lançamento bombou na rua mais movimentada do mundo em 2012

Desde outubro de 2013, o game Brasil Quest está disponível na página promocional da Embratur no Facebook, o Visit Brasil, em inglês. Até então, só era possível acessar a plataforma por meio dos aplicativos para os aparelhos com os sistemas da Apple (iOS) e do Android.

Desde que foi lançado, em março de 2012, mais de 15 mil usuários fizeram download do jogo. Na versão para a rede social, os britânicos e os norte-americanos são os que estão mais plugados no alienígena Yep (o boneco cabeçudo que Bolsonaro criticou), representando 65% dos usuários.

Flávio Dino esteve à frente da Embratur entre junho de 2011 e março de 2014.

A movimentação dos prefeituráveis na semana

Os pré-candidatos a prefeito de São Luís tiveram uma semana agitada. Uns visitaram as bases, outros mostraram apoio político e outros para o confronto direto com seus adversários. Vamos ver como foi a semana.

Briga Neto x Duarte

O deputado estadual Duarte Júnior, percebendo que estava com perdendo terreno nas últimas semanas, criou um fato através do confronto direto. Duarte disse que estava sendo boicotado pelo presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Muitos colegas reclamaram e pediram até o acionamento da Comissão de Ética para que Duarte explique e prove as acusações. A turma do deixa disso tentou abafar o caso. Neto não respondeu as acusações.

Osmar e a política

O presidente da Câmara Municipal, Osmar Filho, demonstrou a força política ao lado do seu principal cabo eleitoral: o senador Weverton Rocha. Weverton e Osmar visitaram o Hospital Aldenora Belo para estreitar parcerias. Osmar também confirmou apoio do vereador Beto Castro com todo seu grupo no Bairro de Fátima e ampliou a base de aliados na Câmara Municipal.

Jeisael nas comunidades

O pré-candidato Jeisael Marx segue ampliando sua força popular. Ele é o pré-candidato que mais tem levado sua mensagem e ideias para as bases. Ontem, Jeisael tratou sobre lixo e sustentabilidade com moradores no Centro de Formação Professor O Grande Operário, na Associação de Moradores do Conjunto Cidade Operária. O jornalista já se reuniu com várias comunidades conversando sobre suas ideias para São Luís.

Braide e a reforma tributária

Depois de se omitir ao máximo das discussões sobre reforma da previdência e medidas polêmicas do Congresso Nacional, Eduardo Braide quer aproveitar a reforma tributária para colocar uma medida mais tranquila na pauta. Ele anunciou que vai realizar audiências em São Luís sobre o sistema tributário. Logicamente que, como todo mundo quer pagar menos impostos, é um tema mais tranquilo e não tem como ele se queimar.

Rubens e ações da Secid

O secretário estadual de Cidades, Rubens Júnior, teve uma semana de pouca movimentação. Tratou de regularização fundiária, Cheque Minha Casa e de reunião na Embaixada da França no Brasil. Mas o programa Nosso Centro, principal mote para alavancar a pré-candidatura de Rubens, continua a passos lentos. Rubens precisa acelerar ainda mais o programa para melhorar logo seus números.

Wellington e exposição do caso Cajueiro

O deputado estadual Wellington do Curso teve uma semana positiva politicamente. Explorou de forma exaustiva o caso Cajueiro, com “lives” na reintegração de posse que circularam bastante em grupos de Whatsapp e teve boa articulação para colocar seu pessoal em meio aos manifestantes e engrossar o coro contra o governo. Construiu uma narrativa com seu grupo para jogar a culpa de uma decisão judicial no governo do Estado e conseguiu o que tentava desde o primeiro mandato: uma ação contundente com repercussão contra o governo. Saiu maior.

Marco Aurélio a caminho da candidatura a prefeito de Imperatriz

A cada dia a possibilidade do deputado estadual professor Marco Aurélio ser lançado candidato a prefeito de Imperatriz é mais forte.

Seu partido, o PCdoB discutia o seu nome e o do secretário de infraestrutura do estado, Clayton Noleto, no entanto, Noleto já anunciou que não disputará as eleições do próximo ano, ficando clara a opção do partido em lançar o deputado à frente do projeto. Nos bastidores ouve-se que ainda neste mês de agosto o partido lançará a pré-candidatura.

Político articulado, Marco Aurélio tornou-se um dos deputados mais influentes da Assembleia Legislativa. Já foi presidente da Comissão de Constituição e Justiça duas vezes e atualmente lidera o maior bloco parlamentar da casa, com 26 deputados. Em sintonia com Imperatriz, Marco Aurélio tem sido campeão de votos na cidade. Foi o vereador mais votado em 2012 e também o deputado mais votado na cidade em 2014 e 2018.

Outra importante força política da segunda maior cidade do estado é o deputado Rildo Amaral, do Solidariedade, que também tem dito abertamente que a tendência é apoiar Marco Aurélio, se este for para a disputa.

Há a possibilidade de ser formada uma aliança ampla que envolve lideranças e partidos, sobretudo da base de apoio do governador Flávio Dino, o que reforça a convicção de ser esta a principal pré-candidatura a enfrentar o delegado Assis Ramos, atual prefeito da cidade.

Na Câmara Federal, Márcio Jerry diz que Timbira é exemplo de comunicação pública

O deputado federal Márcio Jerry (PCdoB) registrou na tribuna da Câmara Federal os 78 anos da primeira rádio do Maranhão, a Timbira AM.

“Uma rádio pública, uma rádio que tem um funcionamento democrático, amplo, plural e longeva. 78 anos que esta rádio funciona e é um exemplo de comunicação pública no nosso país”, discursou.

Fundada em 1941, a Timbira passou por completa reestruturação física, de equipamentos e programação no governo Flávio Dino. Atualmente, está entre as emissoras mais ouvidas do Estado.

Jerry cumprimentou a todos os colaboradores da Timbira da emissora e o diretor-geral, Robson Paz. “Dirijo um abraço muito caloroso a todos que fazem a emissora, ao diretor companheiro jornalista e radialista Robson Paz, ao governo do Maranhão, ao governador Flávio Dino por ter oportunizado a ressurreição da Rádio Timbira, que estava enterrada, esquecida”, disse.

O ex-secretário de Comunicação e Assuntos Políticos do Maranhão afirmou que a Timbira oferece serviços importantes de comunicação pública, democrática e ampla para a população do Maranhão.

Maranhão é o 5º estado que mais reduziu o desemprego

Em um momento de grave crise, na qual não se vê o número de desempregados diminuir no país, mas ao contrário, seguir aumentando, o Maranhão deu mostra de que uma gestão eficiente dá resultado também no mercado de trabalho.

Pesquisa divulgada nesta quinta-feira (15) pelo IBGE mostra que o Maranhão é o quinto Estado que mais reduziu o número de desocupados em todo o Brasil. A comparação é entre o primeiro e o segundo semestres deste ano. Os números incluem empregos formais e informais.

De acordo com a PNAD Contínua Trimestral, a taxa de desocupação caiu 1,7% no Maranhão no período. Apenas quatro Estados (Amazonas, Rondônia, Amapá e Acre) tiveram desempenho melhor. Além disso, 17 Estados não conseguiram reduzir a desocupação e ficaram estáveis.

Inscrição para vestibular da Uema e da UemaSul é prorrogada até o dia 19

As inscrições para o Processo Seletivo de Acesso à Educação Superior (PAES) 2020 foram prorrogadas até a próxima segunda-feira (19). O pagamento do boleto pode ser feito até o dia 20, terça-feira.

São 4.440 vagas neste vestibular, sendo 4.030 para os campi da UEMA e 910 para os da UemaSul.

Nesta edição, também serão ofertadas 40 vagas para o Curso de Medicina da UemaSul, além de vagas para os cursos de Engenharia Agronômica Bacharelado, Ciências Naturais e Letras do Campus Estreito (novo campus da UemaSul).

Para a reitora da UemaSul, Elizabeth Nunes Fernandes, “o curso de Medicina em Imperatriz irá atender a demanda da região, formar médicos para atuar na saúde do Estado, na prevenção, na atenção básica e melhorar os índices do Maranhão”.

A UemaSul também vai ofertar, a partir de 2020, o novo curso de Pedagogia Licenciatura, no Campus Açailândia. Serão 40 vagas anuais para a graduação, atendendo uma demanda antiga da população.

As provas da primeira etapa serão aplicadas no dia 20 de outubro. Para mais informações, acesse o site https://www.paes.uema.br/

Pegadinha: livro que defenderia Bolsonaro com 188 páginas em branco e 2 escritas viraliza

Pouco mais de 22 gramas, 190 páginas e, destas, 188 em branco. Este é o conteúdo do livro “Por Que Bolsonaro Merece Respeito, Confiança & Dignidade?”. Lançada em março, a obra começou a ganhar visibilidade nas redes sociais brasileiras nesta quarta-feira, conforme noticiou o colunista Ancelmo Gois . As seis avaliações no site de vendas tornaram-se 38 em menos de duas horas, e a ideia inusitada gerou milhares de compartilhamentos e comentários nas redes. Seria um protesto? Um golpe?

O gaúcho Willyam Thums, de 30 anos, levou um susto ao atender a reportagem. Ele está terminando o doutorado em literatura comparada na Universidade de Georgetown, nos Estados Unidos, e ficou surpreso ao saber que seu livro estava, cinco meses após o lançamento, ganhando toda essa repercussão por aqui. Ele garante que a obra está indisponível para venda desde então.

— Este está sendo o dia mais louco da minha vida. Publiquei em março, de forma independente, e disponibilizei em duas plataformas de venda online. Ninguém nunca comprou este livro! Não é verdade o que estão dizendo. Ele já não está disponível para venda desde março. Eu teria acesso aos dados de onde foi comprado, mas conferi os recibos da Amazon e não há nenhuma venda. Os comentários lá podem ser problemáticos porque não é necessário efetuar a compra para avaliar — disse.

A repercussão se divide entre os que consideram genial a crítica ao presidente e os que se dizem lesados pela venda de um livro com páginas em branco. Quando o GLOBO acessou o anúncio, de fato, não havia nenhum aviso sobre a brincadeira e o livro estava sendo vendido a R$ 39,64, com prazo para entrega para a próxima semana. A descrição prometia “responder à pergunta que não quer calar o Brasil. Em meio ao turbulento momento em que vive nosso país, somente este livro pode te dar a resposta mais sincera sobre o Presidente Jair Bolsonaro”.

Procurada, a Amazon respondeu que não vai comentar o caso, mas ressaltou que a política do site permite ao usuário devolver o produto e solicitar o reembolso em até 30 dias após a compra, desde que este não tenha sido danificado.

Objetivo não era protesto e sim provocar reflexão, explica autor

Apesar de se declarar contrário aos ideais do presidente Jair Bolsonaro, Willyam explica que o objetivo de seu livro não era protestar, mas deixar que o leitor pensasse em suas próprias respostas para a pergunta do título.

— Eu não posso responder porque não acredito que ele mereça essas coisas (risos). Mas o que eu queria não era simplesmente dizer isso. Eu queria deixar essa questão em aberto e provocar uma reflexão. Cada um pode ter suas próprias respostas a partir dessa página em branco ou não, ver como um protesto ou uma sátira mesmo — explicou.

A ideia, conta o autor, surgiu em conversa com amigos americanos, ao descobrir que existe um livro semelhante sobre Donald Trump. Willyam está terminando o doutorado em Literatura Comparada e mora nos Estados Unidos. Atualmente, ele leciona na Universidade de Georgetown e trabalha como escritor. Nas últimas eleições, votou em Ciro Gomes (PDT).

— Meu posicionamento é obviamente contrário ao presidente, mas acho que isso aparece de forma sutil nas páginas em branco. Por isso acho o livro divertido, por conta dessa ambiguidade que ele provoca — conta.

O jovem pretende se especializar em literatura latinoamericana, e defenderá tese de mestrado a respeito da fome e da produção de sentimentos. Ele publicou, também neste ano, o primeiro livro de uma trilogia sobre as relações entre Estados Unidos e China.

Mesmo distante, Willyam afirma que acompanha todas as notícias sobre o Brasil e que pretende voltar ao país. Ele não esconde, porém, que o resultado das eleições o desanimou a tomar esta decisão.

— Acho que retorno na metade do ano que vem. É claro que essa conjuntura desmotiva, porque Bolsonaro cancelou concursos públicos, o que fecha muitas oportunidades. Mas ainda tenho um ano para decidir.

O que há, afinal, nas duas páginas?

O texto escrito em “Por Que Bolsonaro Merece Respeito, Confiança & Dignidade?” trata-se de uma nota de Willyam aos leitores, explicando a proposta do livro. Em um trecho, ele garante que a obra é “resultado de incansáveis horas de trabalho” e “oferece um viés exclusivamente imparcial sobre os inegáveis méritos do Presidente Jair Bolsonaro como figura mais importante, respeitável e digna do Brasil contemporâneo”.

— Ali faço uma introdução sobre o contexto político do Brasil, falo um pouco de fake news e convido o leitor a formular suas próprias respostas — explicou o autor.

Confira o texto na íntegra abaixo:

“Marcada por importantes disputas judiciais, a eleição presidencial de 2018 no Brasil também testemunhou o crescimento e importância das redes sociais no cenário político nacional. Cidadãos e cidadãs de norte a sul do país estimularam debates não só de cunho político e socioeconômico, mas também de emoções pessoais e regionais em terras brasileiras. O que veio a ser a eleição mais acirrada dos últimos tempos refletiu, portanto, a polarização de grandes sentimentos e valores ético-morais do ser-humano enquanto participante da vida em sociedade. As propensões à extremismos dos mais diversos questionaram não somente pautas e projetos políticos de governo, mas, ainda, espelharam as discórdias incontestáveis de um país enormemente desigual econômica, social, política e moralmente. O que viu-se tomar forma nas ruas, nos computadores, tablets e telefones celulares do Brasil foi um fenômeno inerente não só ao brasileiro – muito embora refletissem sintomas das enfermidades nacionais. Irrigaram-se discursos de ódio e amor, de medo e segurança, de guerra e paz, de atraso econômico e prosperidade, do sagrado e do profano, da ordem e do caos, de gênero, dentre inúmeros outros.