Lahesio Bonfim recua e admite declaração infeliz sobre Aluisio Mendes

O ex-prefeito de São Pedro dos Crentes e pré-candidato ao Governo do Maranhão pelo PSC, Lahesio Bonfim, recuou sobre a declaração dada e que atingiu diretamente o deputado federal e presidente do PSC no estado, Aluisio Mendes.

Lahesio havia dito que Aluisio, ao comentar sobre uma unidade e ampla frente da Oposição nas eleições 2022, teria falado apenas pelo “partido dele”, já que “não tinha autorização para falar por ele”.

Aluisio, sem pestanejar, rebateu Lahesio e afirmou que tudo que estava sendo feito havia sido combinado com o ex-prefeito de São Pedro dos Crentes.

Nesta quarta-feira (11), em entrevista ao programa Panorama, na Rádio Mirante AM, Lahesio recuou e admitiu o erro. “Fui infeliz naquela declaração”.

Lahesio admitiu o erro e reconheceu o apoio que tem recebido do Aluísio e do PSC para a disputa pelo Governo do Maranhão.

“Aluísio acredita muito no nosso projeto e ele é uma das pessoas que mais incentivam, tanto é que ele me colocou no partido na qual ele é presidente. Errar é humano e reconheço que errei na declaração em razão do calor da campanha, as pessoas aproveitaram a deixa para criar uma narrativa e fazer repercutir. Acho que fui infeliz na declaração porque o Aluísio é o presidente do meu partido, ele não precisa de procuração nenhuma para falar sobre mim pois ele é o presidente, faço parte do partido e tenho que respeitar ordens superiores”, afirmou Lahesio.

Câmara de São Luís aprova PL que autoriza concurso para Guarda Municipal

Nesta quarta-feira, a Câmara Municipal de São Luís aprovou o projeto de lei, de autoria do Executivo, autorizando a realização de concurso público para ingresso na Guarda Municipal da capital maranhense.

De acordo com o prefeito Eduardo Braide, o edital do certame será divulgado ainda neste primeiro semestre. Serão oferecidas cerca de 100 vagas.

Com a realização do concurso, a Prefeitura vai fortalecer ainda mais a segurança municipal, de modo a reforçar os trabalhos na prevenção e repressão de crimes contra seus bens, serviços e instalações, além de resguardar a segurança dos cidadãos em espaços onde o efetivo municipal tem se feito presente desde o ano passado, como nos terminais de integração de ônibus da capital maranhense.

Acidente grave em Dom Pedro

 

Na tarde desta quarta-feira (11), três homens morreram durante capotamento de caminhonete quando se deslocavam na estrada MA-026, que liga as cidades de Dom Pedro e Governador Archer, próximo ao povoado Triângulo.

As vítimas eram moradores de Dom Pedro e foram identificadas como: o vereador Ferreirinha; assessor de comunicação da Prefeitura de Dom Pedro, Guto Sousa; e o secretário municipal de Esportes, conhecido como, “Plinplin”.

O vice-prefeito de Dom Pedro, Lucian Rezende e sua esposa, estavam no veículo, foram socorridos para o Hospital de Presidente Dutra e, segundo informações, estão fora de perigo de morte.

As vítimas estavam se deslocando para participar de um evento de inaugurações promovido pelo governador Carlos Brandão, quando a camionete Amarok perdeu o controle e capotou fora do asfalto.

 

Após pedido da OAB, TJ restabelece horário de funcionamento das 8h às 18h

Cumprindo, mais uma vez, o seu papel constitucional em defesa da advocacia e da sociedade, a OAB Maranhão construiu diálogo com o TJMA a respeito do retorno das atividades em horário integral e, na tarde da última terça-feira (10), obteve uma importante conquista com a Resolução nº 56/2022, que restabeleceu o horário de funcionamento ordinário do Judiciário no Maranhão, e também o atendimento ao público, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, a partir do dia 16 de maio de 2022.

A vitória veio após o presidente da OAB Maranhão, Kaio Saraiva, protocolar no TJ Maranhão o ofício OF. OAB-MA Nº 30/2022 – GP renovando requerimento de retomada do horário de funcionamento das 8h às 18h das atividades presenciais no Poder Judiciário do Estado do Maranhão.

Em sua justificativa, a Ordem Maranhense observou que a retomada do atendimento a advocacia e à sociedade, além de não limitar o ambiente de trabalho aos servidores e magistrados, também evitará aglomerações e otimizará as atividades jurisdicionais, contribuindo para a celeridade processual e melhor prestação jurisdicional.

“Uma medida acertada que só tem a contribuir para boa prestação jurisdicional. Apesar dos avanços do Online, o presencial deve ser a regra e a retomada do horário de funcionamento das 08:00 às 18:00 atende a um anseio de toda a advocacia maranhense, só tem a contribuir com o combate à morosidade processual e o pleno atendimento da advocacia e das partes”, colocou o presidente Kaio Saraiva.

Em suas ponderações para o pedido de retorno das atividades do judiciário ao tempo integral, a OAB Maranhão destacou ainda que os empecilhos criados pela pandemia geraram o acúmulo de atos processuais que só podem ser realizados na modalidade presencial, da taxa de congestionamento processual e um represamento de processos em algumas unidades.

A resolução do Tribunal de Justiça considerou, além do pedido da OAB Maranhão, o Decreto Estadual nº 37.492/2022, que flexibilizou medidas de contenção à Covid-19 em razão da redução do número de casos e também do elevado percentual de vacinação da população, além da Portaria-GP nº 215/2012 que determinou o retorno 100% presencial dos servidores e servidoras do Poder Judiciário a partir de 1º de abril de 2022.

BREVE HISTÓRICO

Durante a pandemia do COVID-19 o Tribunal de Justiça do Maranhão reduziu o horário de funcionamento presencial das 08:00 às 15:00, e o horário de atendimento as partes e Advogados das 08:00 às 13:00.

Com a redução da taxa de contágio e a melhora nos índices de ocupação hospitalar a OAB Maranhão requereu, ainda em 2021, o retorno ao horário de funcionamento e atendimento de partes e advogados no horário das 08:00 às 18:00, pleito esse reiterado pela nova diretoria da OAB e atendido na tarde de hoje pela diretoria do TJMA.

Petistas brandonistas divulgam nota reclamando da interferência de Dino no partido

Membros do Partido dos Trabalhadores (PT) do Maranhão, ligados ao Governador Carlos Brandão (PSB), estão insatisfeitos com o fato do ex-governador Flávio Dino (PSB) tentar monopolizar a imagem de Lula no Maranhão e tomar conta da pré-campanha do petista, como se fosse “dono” do ex-presidente.

Vale lembrar que Lula tem o apoio de diversos partidos a nível nacional, inclusive, o Solidariedade, que tem como pré-candidato a governador Simplício Araújo. Eles estiveram juntos em evento organizado pelo partido no último dia 03. Também estiveram com eles, o presidente do partido, Paulinho da Força, o ex-presidente Lula, o ex-governador Geraldo Alckmin e a presidente do PT, Gleisi Hoffmann.

O ex-presidente também já demonstrou inúmeras vezes que é amigo e apoiador do senador Weverton (PDT). Já fez diversos discursos e mantém ligação com o parlamentar, que é favorito para o Governo do Estado.

Os petistas também reclamam da imposição do nome do ex-secretário de Estado de Educação, Felipe Camarão, como pré-candidato a vice-governador na chapa de Brandão. Para eles, Felipe não é orgânico do partido e não houve dialogo para lançar o nome dele para a chapa majoritária.

Veja a nota na integra:

NOTA POLÍTICA DO MOVIMENTO PETISTAS DE BASE PETISTAS DE BASE RESISTEM E NÃO ACEITAM IMPOSIÇÃO

Mais uma vez a imposição domina o cenário do debate político no campo democrático de esquerda no Maranhão, acompanhamos com perplexidade a condução política do Ex-Governador Flavio Dino (PSB), referente a aliança com o PT do Maranhão, não respeitando o devido rito estatutário do nosso Partido e nem os anseios da militância petista, além de queimar a largada quando nomeou de forma sumaria com a conivência por parte de algumas tendências do PT, o seu ungido para o cargo de Vice-governador, agora quer ditar como será conduzido a campanha do Presidente Lula no Maranhão.

Compreendemos que os aliados devem ser tratados com respeito e de que a condução sobre a campanha do Presidente Lula, deve ser definida dentro da instância partidária, além do mais é importante frisar que o nobre e ex-governador é do PSB, portanto não faz parte da Federação PT, PCdoB e PV.

Além disso, a campanha do presidente Lula não pode ser encarada como exclusividade de ninguém, afinal existem outras pré-candidaturas postas como do PSOL com Enilton Rodrigues e do SOLIDARIEDADE com Simplício Araújo, que também estão inseridos no arco de aliança do PT Nacional, além do Senador Weverton Rocha do PDT, que já declarou apoio ao Presidente Lula publicamente.

Nesse sentido, é preciso entender que o centro da tática eleitoral do PT nacional é a eleição do Presidente Lula, e aqui no Maranhão as forças políticas que disputam o Governo do Estado e que apoiam Lula, não devem usar a prerrogativa de exclusividade para si, nesse sentido colocará o nosso candidato a presidente numa situação constrangedora, portanto, cabe ao PT conduzir de forma harmônica a condução da campanha de Lula no Estado do Maranhão, vale ressaltar que GTE Nacional ainda irá definir quem coordenará a campanha do Presidente Lula no Maranhão, que historicamente, sempre foi um Petista.

Queremos que haja aliança entre o PT e o PSB aqui no Estado, estamos dispostos a colaborar com a reeleição do Governador Carlos Brandão e com a eleição para o Senado do ex-governador Flavio Dino, mas, também, queremos participar desta aliança com respeito na qual merecemos, indicar um vice que tenha a cara do PT e que represente o projeto do PT. Nesse sentido o ex-governador Flávio Dino, o Governador Carlos Brandão e o PSB, devem definir o que é prioridade para eles, se é ganhar o Governo do Estado com apoio da Militância do PT ou perder a eleição.

Reconhecemos a liderança do Ex-Governador Flávio Dino, entretanto isso não lhe dá o direito de tomar para si, as decisões de caráter deliberativo da instância partidária do PT, isso significa dizer que nossa aliança não está condicionada a subserviência de seus desejos, entendemos que sua preocupação e foco devem estar concentrado na sua candidatura para o senado, bem como a candidatura de reeleição do Governador Carlos Brandão, não cabe ao Ex-governador escolher quem será o nome do PT na chapa majoritária na aliança com o PT e PSB, esse debate pertence ao PT Maranhão e sua militância.

Outro ponto que precisa ficar claro é que a decisão sobre a política de aliança e consequentemente nomes para o senado e para vice-governador na qual o PT vai apoiar, será definido no Encontro Estadual de Tática Eleitoral, a ser realizado nos dias 28 e 29 do decorrente mês. Portanto, a propaganda feita pelo ex-governador colocando Felipe Camarão como Vice no Card do Lançamento da Campanha de Lula no Maranhão se constitui uma afronta aos princípios democráticos do PT.

Braide muda Controlador Geral do Município

Nesta terça-feira (10), o prefeito Eduardo Braide promoveu  duas mudanças no comando da Controladoria-Geral do Município (CGM) de São Luís.

Caíram a controladora-geral, Liliane Guterres, e seu adjunto, Eduardo Henrique da Costa Mendes.

Quem assume o posto é Sérgio Motta, que ocupava o cargo de presidente da Comissão de Prestação de Contas do prefeito, vinculado à CG, já era uma espécie de adjunto.

“Desafio que apontem uma votação minha a favor do governo Bolsonaro e contra os trabalhadores”, diz Weverton

O senador Weverton respondeu com dureza às críticas do governador Carlos Brandão e do deputado Márcio Jerry, que o chamaram de bolsonarista. “Vejo nessas falas de Brandão e Márcio Jerry muito medo do que nossa pré-candidatura representa. Há uma tentativa insistente em me dissociar de Lula porque eles sabem que minha história fala mais alto que qualquer coligação formal que eles possam fazer, principalmente considerando que a história de Brandão sempre foi à direita e está trazendo de volta para o seu governo o que há de mais antigo na política do Maranhão”, afirmou Weverton.

O senador avalia que estão tentando nacionalizar a disputa do governo do Maranhão para desviar a atenção dos problemas sérios que precisam ser enfrentados no estado. “Tivemos avanços, mas tem muita coisa a ser feita e Brandão prefere embarcar numa pauta que deixa ele claramente desconfortável a debater o que realmente interessa para as pessoas, que é como vamos gerar emprego, vamos melhorar os indicadores sociais ou vamos resolver questões práticas como as dificuldades para a travessia entre São Luís e a Baixada”, instigou o parlamentar.

Weverton ainda desafiou os governistas a demonstrarem com fatos essa aproximação com o bolsonarismo.

“Desafio que apontem uma votação minha que tenha sido a favor do governo Bolsonaro e contra os trabalhadores. Desafio que mostrem uma atitude minha contra o ex-presidente Lula. Assim como desafio o governador Brandão a demonstrar que esteve ao lado do Lula nos momentos mais difíceis e antes dessa eleição”, concluiu.

Carlos Lula denuncia Ministério da Saúde por incentivo à violência obstétrica

“Sem dúvidas, o Brasil retrocedeu um século com o recente incentivo do @minsaude à violência obstétrica, com mutilação genital (episiotomia) e manobra de Kristeller, sendo recomendadas na nova Caderneta da Gestante”, escreveu Carlos Lula no Twitter.

O ex-presidente do Conass e ex-gestor da Saúde do Maranhão relembrou que as medidas incentivadas pelo órgão federal não tem respaldo científico e são inadequadas desde os anos 1990.

“Em 2018, a OMS reconheceu não haver evidência científica para apoiar a realização da episiotomia, que começou a ser considerada inadequada no final do século XX”, ressaltou.

Para Carlos Lula, o Ministério da Saúde age na contramão dos avanços das políticas públicas de saúde. “Por muito anos, o SUS tem gradualmente humanizado a atenção ao parto, reduzido os índices de mortalidade materna e de violência obstétrica. O @minsaude por sua vez autorizou o movimento inverso”, escreveu.

Carlos Lula ainda classificou a conduta do Governo Federal como “hediondo, desumano e grave!” e recomendou que a distribuição da Caderneta seja impedida.

O ex-presidente do Conass está fazendo falta para o Brasil. Impedir retrocessos e manter os direitos conquistados no SUS são características que deram notabilidade a Carlos Lula.

Governo não deixa clara “parceria” com shopping que trará shows de fora para o São João

O governador Carlos Brandão e seus secretários Paulo Victor (Cultura) e Paulo Matos (Turismo) fizeram coletiva nesta terça-feira (10), para falar sobre o São João deste ano. A principal polêmica girou em torno da contratação de artistas de fora, principalmente após o Ministério Público ter atuado pelo cancelamento de shows deste porte em municípios maranhenses.

O subterfúgio para a contratação de shows de fora foi a “parceria” com o Shopping da Ilha, no São João do estabelecimento comercial. Ao ser questionado, o secretário Paulo Victor disse que não vai contratar atrações nacionais e que as de fora seriam no máximo Alcione e Zeca Baleiro. A resposta alfinetou ainda o governo anterior: “não contrataremos Alceu Valencia, que custa R$ 300 mil e dá para pagar várias atrações locais”. Ele disse que shows de forró que acontecerão nos shoppings serão bancados pelos próprios shoppings.

Mas essa “parceria” com o Shopping da Ilha para estas atrações não ficou bem explicada. Seria a forma de grandes atrações estarem aqui no Maranhão e o governo se isentar da ideia de que está “bancando” as atrações nacionais. Não ficou claro como se dará esta parceria. Se o governo vai colocar algum recurso público na estrutura do São João do shopping, está de algum modo bancando. Se o shopping vai pagar os artistas e deve cobrar a bilheteria, então o poder público não pode colocar nenhum recurso na estrutura deste evento e deixar o shopping fazer completamente sozinho sua festa. Caso contrário, está bancando as atrações de fora e, pior, deixando o shopping cobrar do maranhense e dar acesso só a quem pode pagar. O cidadão que não puder pagar a entrada vai bancar com recurso público e ficar de fora.

Flávio Dino mostra que sente a rejeição da classe política e tenta se retratar

O ex-governador Flávio Dino (PSB) sentiu a pressão e pediu arrego à classe política, que tanto maltratou durante 7 anos.

Nesta segunda-feira (09), o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PC do B), coordenador político da sua pré-campanha ao Senado, ofereceu um jantar em sua residência, em São Luís.

Flávio Dino teve que gastar muito tempo de seu discurso dando explicações à classe política e gastando sua retórica para dizer que esteve ao lado dos políticos, mesmo tratando prefeitos como inimigos ao não realizar convênios, preferindo a execução direta de obras municipais, como se desconfiasse dos gestores. E aproveitou agora para pedir ajuda aos deputados e prefeitos presentes.

O pré-candidato mostra preocupação após a formação de uma ampla frente de oposição, composta por 11 partidos, que estará unida no segundo turno do pleito para governador e apoiando a reeleição do senador Roberto Rocha (PTB) no primeiro turno.