Com magnitude de 4.6, tremor de hoje foi o maior já registrado no Maranhão

Dados históricos da Rede Sismográfica Brasileira mostram que o abalo desta terça-feira (3) foi o maior da história do Maranhão deste que passaram a ser registrados, com dados desde o século XIX.

Os maiores tremores anteriores no Maranhão haviam ocorrido em Itapecuru-Mirim em 1871 (magnitude 4), em Alcântara em 1909 (magnitude 3), e perto de João Lisboa em 1981 (magnitude 3.4).

Os analistas da USP consideram a magnitude extremamente incomum para o Maranhão embora de seja normal para o Brasil onde tremores ainda maiores, acima de magnitude 5, ocorrem a cada 5 anos em média. Os estados do Ceará e Rio Grande do Norte, por exemplo, são palco de atividade sísmica muito frequente.

Como o Brasil está no meio de uma placa tectônica, longe de suas bordas, terremotos muito fortes e catastróficos são extremamente raros. Porém, as forças geológicas que movimentam a Placa da América do Sul causam grandes pressões no interior da placa. Essas pressões geológicas, agindo continuamente na crosta terrestre, são uma das principais causas dos sismos no Brasil em geral.

Serenata Histórica encanta público da Feira do Livro de São Luís

Passeio_Serenata_Feira_Livro_051114_Foto_FabricioCunha (5)A noite de quarta-feira (5) foi embalada pela boa música, história e poesia em um dos mais belos cartões postais de São Luís, o Centro Histórico, em edição especial do passeio Serenata Histórica, durante a 8ª Feira do Livro de São Luís (FeliS). O cortejo com músicos e o grupo de teatro “Tramando Teatro” saiu do Convento das Mercês e seguiu até a Igreja do Desterro entoando músicas e fazendo pequenas paradas em frente aos monumentos.

A proporção que o passeio se estendia, histórias, lendas e particularidades do Centro Histórico da capital maranhense eram desvendadas aos participantes no estilo Dell’arte, onde o público fica próximo às apresentações teatrais. O passeio, promovido pela Prefeitura de São Luís, através da Secretaria de Turismo (Setur), é uma estratégia de fortalecimento da atividade turística e também divulgação da história da cidade.

“O Serenata Histórica é um dos mais belos projetos da Setur. Ele utiliza o lúdico através da música, teatro e guia turístico para encantar a comunidade local e os visitantes, mostrando nossa cultura, história e valorizando o Centro Histórico de nossa cidade, meta do prefeito Edivaldo Holanda Júnior”, ressaltou o titular da Setur, Lula Fylho, ao comentar a consolidação do projeto.

Com a participação do público, lendas e personagens do passado de São Luís, como Ana Jansen, foram apresentadas. A professora Marilete Palhano sentiu o tempo voltar. “Fiquei com vontade e saudade dos bons tempos que passaram. Lembrei dos meus pais e dos meus irmãos. Gostei muito! Isso chama a atenção para o local”, comentou.

A edição especial do passeio encantou os visitantes da 8ª FeliS. O projeto poderá ser conferido novamente no fim deste mês no dia 27 , com saída da Praça Benedito Leite. O cronograma da Setur também inclui duas apresentações em dezembro, uma no dia 4 e outra no dia 18, com a Praça Benedito Leite como ponto de partida.

O PT que ganha força e o PT decadente

PT com cara PT: bandeiras e povo junto dos políticos

PT com cara PT: bandeiras e povo junto dos políticos

A vitória de Dilma e Flávio Dino nas eleições deste ano reforçam o lado do PT mais próximo ao comunista. na imagem acima, o grupo que há pouco tempo era chamado Resistência Petista ganhou corpo e hoje está reforçado. Aliados de Flávio Dino passam a ter peso dentro do PT maranhense e estarão na linha de frente do partido.

O grupo foi reforçado com o grupo do único deputado federal eleito pelo partido no Maranhão, Zé Carlos. Na última eleição petista, o candidato de Zé Carlos se uniu ao grupo da Resistência para tentar derrotar Raimundo Monteiro. Mas com a força do governo, Monteiro continuou com o controle do partido. Zé Carlos ficou cada vez mais próximo dos aliados de Dino e se afastando dos sarnopetistas. Inclusive na campanha do segundo turno, a intimidade entre o deputado federal e os comunistas era enorme.

Já o grupo da voto abaixo, representa o que está no comando do PT há décadas e tem afundado o partido e a história da legenda. O grupo de Washington Oliveira (hoje conselheiro do TCE) aminguou o partido à subserviência do governo Roseana. O partido foi perdendo secretarias, espaços e até a vice-governadoria.

Mesmo depois de várias humilhações, posou para esta foto, dentro de um Palácio, sem graça, “comemorando” a vitória de Dilma. Enquanto o PT que ganha corpo e se fortalece estava nas ruas, em consonância com sua história. Ao lado do povo.

PT com a cara do grupo Sarney: sorriso sem graça dentro de um Palácio

PT com a cara do grupo Sarney: sorriso sem graça dentro de um Palácio

Conselho aos governantes

Carlos Eduardo Lula

06/05/2011. Crédito: Neidson Moreira/OIMP/D.A Press. Brasil. São Luís - MA. Carlos Eduardo Lula, advogado.Sebastião José de Carvalho e Melo, Conde de Oeiras e mais conhecido como Marquês de Pombal nasceu em 1693 e morreu em 1782. Descendente de uma família de juízes, sua avó era brasileira. Foi Ministro do Rei D. José I de Portugal, de 1750 a 1777, tendo sua história interpretações controversas.

De todo modo, no momento por que passa nosso estado, aqui relembramos alguns conselhos em carta enviada por ele ao então governador do Maranhão, seu sobrinho, Joaquim de Melo e Póvoas, que dirigiu nosso povo entre 1761 e 1775.

A justiça e a paz com que V. Exª o governar o farão igualmente benquisto e respeitado porque, com uma outra causa, se sustenta a saúde pública. Engana-se quem entende que o temor com que se faz obedecer é mais conveniente do que a benignidade com que se faz amar, pois a razão natural ensina que a obediência forçada é violenta, e a voluntária segura.

Eis o primeiro conselho, já colocado no início da carta. A obediência deve advir antes do respeito que do temor. De nada adianta a um governante ter o respeito dos seus súditos caso ele lhe seja imposto. Não tenham dúvidas de que aqueles que respeitam por temor, na primeira oportunidade tudo farão para por fim ao jugo de quem governa tiranicamente.

Casos há em que se deve usar de rigor, apesar da própria vontade; assim como vemos pelo professor, ou cauterizar uma chaga, ou cortar um braço para restaurar a saúde de uma vida, da mesma forma quem governa, se não pode conservar a saúde do corpo do misto da República, por causa de um membro podre, justo é cortá-lo para não contaminar a saúde dos demais.

Eis outro conselho que os Governantes muito relutam em aceitar: não tenham receio de demitir os seus conselheiros mais próximos sob pena de a saúde dos demais ser contaminada com os mesmos vícios. Para tanto, os Governantes também deviam lembrar-se de que não se admite quem não se pode demitir. Tal medida, por maior trauma que possa trazer de início, permitirá que no futuro o organismo inteiro não padeça dos mesmos vícios do praticante de ilícitos.

Os aduladores não se conhecem pelas roupas que vestem, nem pelas palavras que falam; quase todos os que os ouvem são do gênio do rei Acab, que só estimava os profetas que lhes prediziam cousas que os lisonjeavam; e porque Miqueias em certa ocasião lhe disse o que não lhe convinha, logo o apartou de si com ódio. Quase todos os que governam querem que os lisonjeiem, e sempre ouvem com agrado os elogios que se lhes fazem. Desta espécie de homens ou de inimigos em toda a parte se encontram; e V.Exa. os achará ta,bem no seu governo, aparte-os, pois, de si, como veneno mortal.

Eis outro conselho que os governantes maranhenses relutam em cumprir: desfazer-se dos bajuladores e puxa-sacos. Tais indivíduos florescem a não mais poder em todos os governos sempre atrás de benefícios privados. Escondem-se sob o manto de protetores do rei e com seu discurso encantador enchem o coração do Governante de veneno mortal. Marquês de Pombal chega a compará-los com stelliões (de onde deriva a palavra estelionato), animais que não matam com veneno, mas entorpecem quem os vê. Assim são os aduladores, se não negarmos a eles atenção, paralisam o ânimo e os sentidos de um governo.

Nunca V. Exa. Trate mal de palavras nem ações a pessoa alguma dos seus súditos, e que lhe fazem requerimento; porque o superior deve mandar castigar, que para isso tem cadeias, ferro e oficiais que lhe obedeçam; mas nunca deve injuriar com palavras e afrontas, porque os homens se são honrados sentem ao menos o peso dos grilhões e a privação da liberdade que a descompostura de palavras ignominiosas; e se o não são, nenhum fruto se tira em proferir impropérios. Quem se preocupa de suas paixões, faz-se escravo delas, e descompõe a sua própria autoridade.

O Governantes deve mostrar em todos os momentos, de paixão e de perigo, superior e inalterável. A prudência e o valor são os atributos necessários nesse momento. Como já lembrado no primeiro conselho, a obediência deve advir antes do respeito que do temor. O poder conferido a um governante jamais deve servir para vingar suas paixões.

Por fim, relembremos ainda o maior de todos os Conselheiros, Nicolau Maquiavel: um príncipe que não seja por si mesmo sensato não pode ser bem aconselhado. É que não basta aos governantes os bons conselhos de quem está à sua volta, é necessário sensatez para chegar a um consenso das opiniões e saber separar as boas das más. Se insensato, o príncipe não saberá nem entendê-las, nem corrigi-las, de modo que não é a prudência do príncipe que surge dos bons conselhos, mas o inverso: os bons conselhos surgem, antes, da prudência do príncipe. Em momentos de crise, os clássicos sempre trazem respostas para nossas indagações.

 

Carlos Eduardo Lula é Consultor Geral Legislativo da Assembleia do Maranhão, Advogado, Presidente da Comissão de Direito Eleitoral da OAB/MA e Professor Universitário. e-mail: [email protected] Escreve ás terças para O Imparcial e Blog do Clodoaldo Corrêa.

Nunca é demais lembrar que não existe apenas um PT

Todo cidadão admirador sensato da bonita história do Partido dos Trabalhadores concorda que existe PT e PT. Um PT que é  ligado à história de lutas e aos movimentos sociais e outro que afeiçoado ao poder, teve que se aliar a personagens da política mais abominável da República Pós-Ditadura. O primeiro PT é que deve interessar a membros de uma ideia de política diferente. Já o segundo interessa a quem tem pensamento semelhante a eles: vale tudo pelo poder.

PT de Manoel da Conceição: venerável

PT de Manoel da Conceição: venerável

O primeiro PT representado por figuras históricas, que não abandonaram os ideias do partido da década de 80. Manoel da Conceição, um dos fundadores do PT mantém acessa a chama do PT contra oligarquias regionais e coronelismo. A mesma ala era representada há pouco tempo, mesmo o maranhense Domingos Dutra.

O outro PT representado principalmente por José Dirceu mancha a bonita história deste partido. O próprio Dirceu, que lutou contra a ditadura, mancha sua história. Este PT deve ser condenado por todos os brasileiros de bem. Dirceu operou a política de alianças do PT com Sarney, Collor, Renan Calheiros, entre outros. Operou o mensalão para manter a base aliada do partido no Congresso. Isso deve ser rechaçado e o Brasil deve pedir punição mesmo para que o PT reflita no que está se tornando.

O governo do PT inegavelmente trouxe avanços para o Brasil em um período curto. O programa Bolsa Família, muito criticado por nossa elite, sempre foi elogiado por este blogueiro, como uma forma de distribuição de renda em um país tradicionalmente concentra a renda nas mãos de pouquíssimos. Basta verificarmos que em países desenvolvidos da Europa, existem programas sociais com “esmolas” muito maiores. O Brasil ganhou prestígio internacional e teve um crescimento muito grande nos governos do PT.

PT de Zé Dirceu: condenável

PT de Zé Dirceu: condenável

Todos devem ter orgulho do PT pelo que o partido fez pela história do Brasil, mas condenar a fórmula do para se manter no poder. A condenação de mensaleiros é importante para o próprio PT repensar seu modus operanti para se manter no poder central.

Blogs alugados pelo governo do estado do Maranhão tentam passar a ideia de que a oposição teria dois lados pois critica o PT quando se fala em Mensalão e quer seu apoio quando se fala em tempo de televisão.

Acredito que eleitoralmente, o PT não é bom para a oposição, tanto porque é marcado pelos mensaleiros quanto porque o tempo de televisão de PSB e PSDB compensam. Mas ideologicamente, o PT na oposição seria bom para o próprio PT resgatar sua imagem diante da opinião pública. Principalmente pelo desgaste no Maranhão após as desfiliações de Dutra e Bira do Pindaré.

A oposição não me parece ter dois lados, mas o lado de um dos dois PTs. O PT tem história de lutas e uma administração boa. Mas uma relação política e de alianças condenável. Viva o PT e cadeia para os mensaleiros!