Governo do Estado anuncia novas medidas contra Covid-19

Nesta manhã, o governador Flávio Dino (PSB) anunciou a flexibilização das medidas restritivas de combate ao novo coronavírus no Maranhão.

Academias de ginástica e supermercados, por exemplo, estão autorizados a funcionar das 6h da manhã até a meia noite.

Os Shoppings podem operar das 10h às 22h. Já estabelecimentos comerciais, como bares e restaurantes, tiveram o horário de funcionamento prolongado mais uma vez e podem ficar abertos até a meia noite.

Igrejas e academias podem funcionar com 70% de suas capacidades. As repartições estaduais seguem funcionando com até 80% das atividades presenciais

O governador afirmou que a Secretaria de Estado da Saúde monitora o processo de disseminação no país de uma variante indiana, denominada de Delta. Porém, disse que no Maranhão não há motivos para preocupação.

Flávio lamentou o fato de, neste momento, 67 municípios não terem atingido o percentual de 85% de aplicação da vacina contra Covid, o que impede que estas cidades, conforme decreto estadual, recebam novas doses.

O Maranhão possui 324.015 casos de pacientes que testaram positivo para a doença, de acordo com boletim epidemiológico divulgado pela SES. Cerca de 33.463 pacientes estão ativos. 281.296 conseguiram se recuperar e 9.256 faleceram.

Nas últimas 24 horas, 145 novos casos foram registrados na Grande Ilha de São Luís; 52 em Imperatriz; e 775 no interior do Estado.

A taxa de ocupação de leitos públicos de UTI para tratamento da doença na região metropolitana é de 81,72%; 51,39% em Imperatriz; e 61,32% no interior.

PSB deve ter disputa acirrada para deputado estadual

O Governador do Maranhão, Flávio Dino, quando assumiu a presidência do Partido Socialista Brasileiro (PSB), cuidou logo de convidar grande parte dos seus secretários e auxiliares para filiarem-se ao partido, visando as eleições de 2022.

Como uma espécie de “revoada”, os secretários e pré-candidatos a deputado estadual e federal estão indo para a legenda socialista. Acontece que já são 6 secretários. É pouco provável um único partido fazer uma bancada tão grande na Assembleia Legislativa, pela regra de hoje, sem coligação.

O secretário de Saúde do Maranhão, Carlos Lula se filia, nesta quinta-feira (8), ao PSB. Além dele, também passarão a integrar as fileiras do partido os secretários Jefferson Portela (Segurança), Rogério Cafeteira (Esporte), Catulé Jr. (Turismo) e Marcos Pacheco (Políticas Públicas), além da presidente do Procon, Karen Barros. O esposo, deputado Duarte Jr., se filiou na legenda socialista na semana passada.

Entre eles, Jefferson deve disputar uma vaga de federal, ao lado de Duarte e Bira do Pindaré. Os demais, disputarão vagas de deputado estadual, ou seja, muita gente para poucas vagas.

Carlos Lula é o nome mais forte nome entre os novos socialistas com plenas condições de se eleger, em função do excelente desempenho que tem à frente da SES, sobretudo no período da pandemia.

Os demais brigarão muito. A legenda já possui o deputado de mandato Edson Araújo.

Flávio Dino e líderes partidários decidem que critérios objetivos definirão o candidato a governador

Nesta segunda-feira, 5, o governador Flávio Dino (PSB) reuniu, no Palácio dos Leões, com presidentes de partidos da base governista.

Durante o encontro, Flávio Dino pregou a unidade e deixou claro para os partidos e os secretários que estavam lá que não tem candidato a governador.

Segundo ele, a discussão vai começar agora e ser tomada em conjunto com os partidos até novembro. Diferente do que muitos já queriam impor que Brandão seria o candidato de Flávio. O próprio deixou claro que isso é uma inverdade.

“Nesta segunda, fiz reunião com líderes dos partidos que integram o nosso governo. Todos compareceram e fizemos ótimo debate sobre metas administrativas cumpridas e novos compromissos. A união faz a força, para seguir com políticas inovadoras e concretizando mudanças no Maranhão”, disse o governador Flávio Dino.

“Tivemos uma boa reunião hoje entre os líderes de partidos e o governador Flávio Dino, em que tratamos dos avanços conquistados no Maranhão e reafirmamos um pacto pela união”, disse o senador Weverton.

“Juntos continuaremos trabalhando pelo estado e construiremos um caminho para 2022, tendo Flávio Dino como candidato a senador. Voltaremos a nos reunir em novembro quando, uma vez definidas as regras eleitorais para 2022, decidiremos sobre a candidatura ao governo do estado”, afirmou o senador.

Na reunião, Flávio Dino confirmou sua pré-candidatura ao Senado e pediu apoio dos líderes partidários ao seu projeto.

Ficou definido que tudo começa agora e serão usados os mesmos critérios vitoriosos do grupo de 2012 a 2018, como agregação de forças políticas, pesquisas eleitorais e compromisso com uma agenda de governo que priorize os maranhenses.

Os líderes assinaram uma Carta de Compromisso. O único que não assinou foi o deputado federal Josimar de Maranhãozinho, presidente estadual do PL, que deixou o encontro antes do seu término.

Presentes no encontro, o senador Weverton Rocha (PDT); o vice-governador Carlos Brandão (PSDB), o secretário da Indústria e Comércio, Simplício Araújo (SDD); e o próprio Josimar de Maranhãozinho concordaram no que se refere a apoiar o candidato a governador que atender aos requisitos estabelecidos.

“Seguimos firmes no projeto, apostando na unidade”, diz Weverton sobre reunião com Dino e Brandão

O senador Weverton (PDT) participou de uma reunião com o Governador Flávio Dino e o vice-governador Carlos Brandão.

Pela foto, fica claro a pauta da reunião: eleições 2022. Weverton e Brandão são pré-candidatos a sucessão do atual governador.

“Seguimos firmes no projeto, apostando na unidade e trabalhando pelo Maranhão”, disse o parlamentar.

A reunião foi uma espécie de prévia para a reunião de partidos marcada para está segunda-feira (5), quando os partidos do grupo dinista começam a discutir as eleições do ano que vem. A maioria, nesse momento, defende a candidatura de Weverton para o governo.

Sem Roseana, Escutec aponta liderança de Weverton em 2022

Uma nova pesquisa Escutec foi divulgada neste sábado (03), pelo jornal O Estado do Maranhão, e apontou as lideranças de Roseana Sarney, Weverton, Flávio Dino e Lula, para a disputa eleitoral em 2022.

Como a ex-governadora tem dito que, neste momento, deve disputar uma vaga para a Câmara Federal, a pesquisa apresentou um cenário sem o nome de Roseana.

Neste cenário, o senador Weverton lideraria com 22%, seguido de Edivaldo com 18% e Brandão que teria 14%. Os demais não alcançariam dois dígitos. Nenhum dos candidatos foi respondido por 23%, enquanto que 16% não sabem em quem votar.

Senado – Para o Senado a liderança é do governador Flávio Dino (PSB). O socialista aparece com 50%, seguido de longe pelo senador Roberto Rocha com 21% e Josimar de Maranhãozinho (PL) surge com 5%. Já 15% afirmam não votar em nenhum candidato, enquanto que 9% não sabem em quem votar.

Presidente da República – Para a disputa da Presidência da República, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) segue sendo o preferido dos maranhenses. O petista teria 57%, contra 20% do atual presidente Jair Bolsonaro. Os demais não alcançaram dois dígitos. Cerca de 5% disseram que não votaria em nenhum, enquanto que 4% não decidiu o voto.

A pesquisa Escutec ouviu 2.400 eleitores, entre os dias 24 de junho e 01 de julho e margem de erro de 2 pontos percentuais.

A nova cara do PSB no Maranhão

Com a ida do governador do Maranhão, Flávio Dino para o PSB e, consequentemente, para a presidência da sigla, os históricos do partido foram simplesmente excluídos.

Figuras foram deixadas de lado, como o do ex-presidente e ex-prefeito Luciano Leitoa, que já tem 17 anos de partido.

Primeiro foi destituído do cargo de presidente, nem ficou no corpo da executiva e, segundo, não é mais referendado por ninguém da nova composição.

Durante a filiação do deputado Duarte Júnior, o governador Flávio Dino falou do time com Cappeli, Duarte, menos, com Luciano Leitoa.

Parece que o PSB está com nova cara, literalmente.

Governador Flávio Dino é o novo presidente do PSB do Maranhão

O governador do Maranhão, Flávio Dino é o novo presidente do PSB no estado. A direção nacional destituiu o ex-prefeito de Timon e então presidente Luciano Leitoa e nomeou uma comissão provisória a qual é comandada pelo chefe do Palácio dos Leões.

Luciano Leitoa estava na liderança do PSB desde o ano de 2014, quando venceu uma queda de braço com o hoje senador Roberto Rocha e garantiu na Justiça o direito de permanecer no comando do partido.

A comissão provisória é composta por Flávio Dino na presidência, o deputado federal Bira do Pindaré que agora é o vice-presidente; o secretário de Comunicação Ricardo Capelli assume função de tesoureiro; o chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares, agora é secretário de Relações Institucionais, assim como Antônio Carlos Serrão Mendes, Marileide Santos Costa e Hamilton Nogueira Aragão.

Flávio Dino se filia ao PSB em ato em Brasília

O governador do Maranhão, Flávio Dino, e o deputado federal pelo Rio de Janeiro Marcelo Freixo oficializaram, nesta terça-feira (22), suas filiações ao Partido Socialista Brasileiro (PSB). A cerimônia ocorreu em Brasília (DF).

Em discurso de filiação, ambos destacaram a união. O governador falou em convergência de todos os partidos a favor da democracia e de um projeto de governo contra o projeto de reeleição do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Minha vinda para o PSB é um encontro com este momento atual em que autenticamente se exige tanto da militância patriótica e socialista do Brasil (…) a nossa tarefa não é pequena, por mais absurdo que seja, o Bolsonaro será candidato a reeleição. Por sobre uma pilha de tragédias, nada de positivo a apresentar e obras não há. Derrota-lo não é tarefa de poucos, não é tarefa de muitos, é de todos”, afirmou.

Participaram do ato o vice-governador do Maranhão, Carlos Brandão; o senador do Maranhão, Weverton Rocha (PDT-MA); deputado federal, Bira do Pindaré (PSB-MA); deputado federal Alessandro Molon (PSB-RJ); o governador do Espirito Santo, Renato Casagrande; o governador de Pernambuco, Paulo Câmara; o prefeito de Recife, João Campos.

Flávio Dino marca reunião com presidente nacional do PDT

O Governador do Maranhão, Flávio Dino deixou o PCdoB e decidiu se filiar ao PSB. Em entrevista ao GLOBO, disse que tomou a decisão por dois motivos. O primeiro, eleitoral, já que mudanças na legislação dificultaram a vida dos partidos pequenos, que terão menos recursos e exposição na mídia. Entusiasta da candidatura de Lula, Dino diz que a outra motivação é que, estando numa legenda maior, poderá trabalhar mais pela união da esquerda na eleição de 2022. Outro político que recentemente anunciou sua filiação ao PSB foi Marcelo Freixo; ele deixou o PSOL após 16 anos.

O GLOBO: Por que o senhor decidiu se filiar ao PSB?

Flávio Dino: Em primeiro lugar, fatores atinentes à legislação eleitoral. Tivemos regime novo de organização dos partidos que conduz a enxugamento de legendas, sobretudo com a cláusula de barreira e fim das coligações. Considero esse enxugamento irreversível. E pode se dar de vários modos, inclusive com a chamada federação, que ainda depende de votação no Congresso. O outro fator é que, já há algum tempo, defendo que haja união de partidos da esquerda. E acho que minha migração vai nessa direção. Considero que o PSB, neste momento, tem condição de ser polo aglutinador de outros partidos para ser frente política capaz de ajudar a derrotar Bolsonaro. Então, em primeiro lugar, tem o vetor legal; em segundo, o vetor político.

O senhor é próximo de Lula, assim como Freixo, que também vai se filiar ao PSB. Isso indica que o partido, que se distanciou do petista nos últimos anos, está se reaproximando de Lula e estará com ele em 2022?

O PSB integrou o campo liderado pelo ex-presidente Lula desde 1989. Quando Lula foi candidato a primeira vez, o vice foi indicado pelo PSB, o então senador Bisol. Essa relação vem de longa data. Houve um distanciamento recente, mas acredito que isso já está superado. A minha presença e a do Freixo ajudam na intensificação desse diálogo, porque o ex-presidente Lula é figura imprescindível para o campo da esquerda no Brasil.

Como avalia a frente de alguns partidos de centro que pregam ‘nem Lula nem Bolsonaro’ em 2022?

Por enquanto, não há esse espaço. Pode ser que surja com a eventual perda de força do Bolsonaro. Só acredito numa alternativa do centro se houver enfraquecimento do Bolsonaro. Se não ocorrer, é difícil romper a chamada polarização. Se a eleição fosse hoje, essa terceira via não teria espaço. Mas, como brasileiro, torço para que essa alternativa se viabilize com partidos mais ao centro.

Acredita que parte do centro caminhará com Lula?

Minha ida ao PSB tem esse objetivo, de sinalizar abertura bem ampla de diálogo a partir da esquerda. Uma esquerda que defende sua identidade, suas posições, mas não é fechada para alianças mais ao centro. Pretendo ajudar nessa interlocução. Nosso companheiro Marcelo Freixo tem objetivo de liderar frente forte e ampla para derrotar o bolsonarismo no seu berço, o Rio. Esse fortalecimento do PSB tem incidência no debate nacional e em vários estados.

Seu foco continua sendo o Senado em 2022?

Esse é o plano principal. Outras possibilidades são especuladas.

Ser vice de Lula é uma delas?

Sempre se fala nisso, mas considero que vice é uma escolha do titular. Não cabe a mim.

O senhor tem ótima relação com Ciro Gomes (PDT). Como avalia as contundentes críticas dele a Lula e ao PT?

Insisto que o lulismo e o trabalhismo são vertentes imprescindíveis. Então defendo que, mesmo mantidas as diferentes candidaturas, não haja beligerância. Se ficar muito aceso esse tipo de contenda, dificulta união em palanques estaduais. Dificulta também uma aliança no segundo turno, como vimos em 2018. Acho que a postura belicosa atrapalha e espero revisão desse tipo de atitude, sem prejuízo da manutenção de diferentes candidaturas.

O senhor vai pedir que Ciro Gomes modere o discurso?

Hoje conversei com o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi. Combinamos um encontro para o mês que vem. Em razão dessa ótima relação que tenho com o PDT, espero ajudar na melhor organização do nosso campo para que não percamos foco naquilo que é central. Vou tentar quebrar essa beligerância.

Ciro vai participar dessa reunião no mês que vem?

Marquei foi com Lupi, mas espero que Ciro participe, sim. (O Globo)

Flávio Dino prorroga medidas vigentes até 28 de junho

O Governador do Maranhão, Flávio Dino, concedeu uma coletiva de imprensa sobre o panorama do novo coronavírus no estado.

Dino prorrogou as medidas vigentes até 28 de junho. Os eventos com até 100 pessoas, música ao vivo, realização dos eventos até 23h, a administração pública estadual continua com 50% da capacidade e igrejas com 50% de capacidade continuam.

Ele também fez um balanço da atual situação e das ações realizadas pelo Governo do Estado, entre elas, o Arraial da Vacinação em diversas cidades maranhenses.

Flávio anunciou novas entregas da saúde, com a Policlínica do idoso no dia 30 de junho e o Sorrir de Presidente Dutra no dia 28 de junho.