Flávio Dino se destaca como articulador do PT do Maranhão

O governador Flávio Dino (PCdoB) tem realizado uma articulação exitosa com o Partido dos Trabalhadores no Maranhão. Além de ter uma relação próxima com o ex-presidente Lula, o chefe do executivo estadual tem um companheirismo com a ala petista no estado.

O próprio presidente estadual, Augusto Lobato, é assessor especial do governador Flávio Dino. O Governo do Estado conta com outros petistas, como o secretário de Direitos Humanos e Participação Popular, Francisco Gonçalves, a secretária adjunta de Governo, Criciele Muniz e o secretário adjunto de Articulação Política da Secap, Honorato Fernandes

Recentemente, Flávio articulou a ida do Secretário de Estado de Educação, Felipe Camarão para o partido. Um reforço para a legenda alcançar um maior número de deputados federais nas próximas eleições. Outra liderança que pode ir para o PT é o deputado estadual e líder do governo, Rafael Leitoa e reforçar o time na Assembleia Legislativa.

Dino também articulou a licença do deputado estadual Zé Inácio e o seu suplente Luiz Henrique Lula Da Silva assumiu o mandato.

E para agradar mais ainda os petistas, o governador pode filiar ou convidar um filiado para ser um dos possíveis suplentes de Senador como forma de garantir a presença de Lula no seu palanque.

Com tudo isso, Flávio se destaca com total controle do PT no Maranhão, com aval de de Lula.

Flávio só deixará PCdoB se não houver federação partidária

Especulado no Partido Socialista Brasileiro, o governador do Maranhão, Flávio Dino, afirma que só considerará deixar o PCdoB de fato quando não houver mais chances de aprovação de proposta no Congresso de criação de federações partidárias.

“A minha posição permanente a mesma: defesa da aprovação da Federação na Câmara. Aí PCdoB e PSB podem eventualmente fazer uma Federação”, afirma Dino.

“Qualquer movimentação está dependendo da minha posição principal: a defesa da federação, tese que defendo desde 2007”, completa.

Esse mecanismo permitiria que partidos atingidos pela cláusula de barreira formassem federações com outras legendas para atuarem conjuntamente no Congresso.

Flávio Dino anuncia ponto facultativo na sexta-feira

O Governador do Estado, Flávio Dino (PCdoB) anunciou que na próxima sexta-feira, 04, será ponto facultativo para o serviço público estadual.

Na quinta-feira, 03, é feriado de Corpus Christi, data celebrada anualmente 60 dias depois da Páscoa.

“Editei decreto agora suspendendo eventos do governo do Estado entre quinta e domingo. Sexta será ponto facultativo no serviço público estadual. Sobre eventos privados e municipais, cada prefeito vai tratar de acordo com a situação da sua cidade, observadas regras gerais estaduais”, disse Flávio Dino.

O prefeito de São Luís, Eduardo Braide, também decretou ponto facultativo para o serviço público municipal na sexta-feira.

Flávio Dino pode se filiar ao PSB em junho; PCdoB defende criação da “federação partidária”

Ainda sem bater o martelo sobre a eleição presidencial de 2022, o PSB prepara a filiação de lideranças do PCdoB, como o governador do Maranhão, Flávio Dino, o deputado federal Orlando Silva (SP) e a ex-deputada Manuela D’Ávila (RS). Todos têm se manifestado favoravelmente a uma chapa encabeçada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), assim como o deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), outro nome que costura seu embarque no PSB.

Previstas para começar em junho, as filiações aguardam o afunilamento de propostas de reforma eleitoral na Câmara. A direção do PCdoB defende a criação da “federação partidária”, modelo em que partidos podem se unir nas eleições sem que deixem de existir de forma autônoma. Embora agrade ao PCdoB, a ideia encontra resistência no PSB, que considera o modelo antagônico à “autorreforma” feita pela sigla em 2019. Nesta quarta-feira, ao debater aspectos gerais desta autorreforma numa live com Dino, o presidente do PSB, Carlos Siqueira, disse que o governador tem uma “coincidência de pontos de vista” e “poderia perfeitamente estar filiado ao partido, se quiser”.

— Vemos com simpatia as filiações de todos esses nomes (Dino, Freixo, Manuela e Orlando), serão muito bem-vindos. Mas respeitando os trâmites internos de seus partidos. O PCdoB colocou a necessidade de aguardar a reforma eleitoral. Há alternativas à federação, como a possibilidade de incorporação pelo PSB — afirmou o deputado Julio Delgado (PSB-MG), vice-presidente de relações interpartidárias da sigla.

O modelo de federação é o plano prioritário do PCdoB para tentar superar a cláusula de barreira, que exigirá dos partidos no mínimo 2% dos votos em âmbito nacional para que tenham acesso a verba pública e ao tempo de TV. O partido já não atingiu a barreira em 2018, com parâmetros mais brandos. Na federação, os partidos precisariam atuar conjuntamente no Legislativo, numa espécie de coligação mais rígida. Um projeto de lei sobre o tema foi aprovado no Senado em 2015, mas está parado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. A expectativa do PCdoB é que ele seja votado ainda em junho.

Outra aposta é que o tema entre no relatório da reforma eleitoral, da deputada Margarete Coelho (PP-PI), que será apresentado às comissões da Casa no próximo mês. Para valer em 2022, as alterações precisam ocorrer até outubro.

Em nota no dia 15, o comitê central do PCdoB disse que, sem a federação, o partido “irá procurar alternativas de frentes políticas”, sem detalhar quais. O partido estipulou o começo de junho como prazo máximo para avaliar se há viabilidade da federação para 2022. As alternativas, segundo apurou o GLOBO, são a fusão ou incorporação ao PSB.

Na fusão, os dois partidos se juntam para elaborar um novo estatuto, num processo mais demorado. Na incorporação, uma das legendas decide se adota trechos do programa da sigla incorporada. Reservadamente, lideranças do PCdoB admitem retomar conversas por uma fusão com o PSB, pausadas antes das eleições municipais, mas não falam por ora em negociar uma incorporação. Nesse cenário, a migração em bloco de nomes do PCdoB antes de 2022 passou a ser cogitada como sinalização de boa-fé entre as duas legendas, além de permitir a nomes como Dino e Manuela maior estrutura e recursos para disputar cargos majoritários nos seus estados no próximo ano. No PSB, mudanças de nome ou de programa não são cogitadas por ora.

— Há um diálogo entre PSB e PCdoB que pode trazer convergências, mas é preciso antes vencer a etapa de mudanças na lei eleitoral. Nossa posição é lutar pela federação. O que entendemos por fusão é que dois se juntam para formar uma terceira coisa — disse o deputado Orlando Silva.

Início de junho
Dino, que tem conversas mais avançadas, pode fazer a mudança de partido já no início de junho. O governador do Maranhão já alinhou com o PSB que concorrerá ao Senado. O PSB não descarta se coligar ao PT, seja na chapa presidencial ou em palanques locais, mas seguirá mantendo por ora o apoio à construção de uma terceira via nacional, tese mais forte em diretórios de estados como Minas e São Paulo, mas presente também em alas de estados mais “lulistas”, como Pernambuco.

A filiação de Orlando Silva, ex-ministro do governo Lula, é tida como importante para consolidar um apoio petista à candidatura de Márcio França (PSB) ao governo de São Paulo — Fernando Haddad (PT) também é cotado para concorrer ao cargo. No caso de outros nomes do PCdoB, a migração ao PSB serviria para reforçar as estruturas partidárias em estados importantes para ambos, como Pernambuco e Maranhão.

Assim como Dino, a filiação de Freixo é tida como bem encaminhada no PSB, mas, segundo Delgado, houve uma “trava” devido a uma tentativa recente da cúpula do PSOL de pactuar a permanência do deputado, pré-candidato ao governo do Rio. Embora dirigentes do PSOL defendam um “meio-termo” com Freixo, o partido não modificou seu veto a alianças fora da esquerda. Freixo se isolou no PSOL fluminense ao defender uma chapa com nomes do chamado “centro político”, classificado no partido como “direita liberal”, e abrir conversas com o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD), e o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM).

Procurados, os presidentes do PSB, Carlos Siqueira, e do PSOL, Juliano Medeiros, não quiseram comentar. O GLOBO não conseguiu contato com a presidente do PCdoB, Luciana Santos.

O Globo

Flávio Dino sobre Bolsonaro: “Como podemos fiscalizar comerciantes se o presidente descumpre?”

Em entrevista à GloboNews nesta segunda-feira (24), o governador do Maranhão Flávio Dino (PCdoB) explicou o motivo pelo qual multou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por promover aglomeração e não usar máscara.

“A lei federal é muito clara, então estamos aplicando a legislação que o próprio Bolsonaro aprovou, logo não é perseguição ideológica e sim um dever ético”, afirmou Dino.

“Como nós podemos fiscalizar outros destinatários da norma, se o presidente da República descumpre?”, questionou o governador.

Ele disse estar preocupado que as leis não sejam aplicadas ao presidente Bolsonaro porque isso estabeleceria uma “falta de fronteiras que pode resultar em graves danos ao regime democrático”.

Não há transmissão local da cepa da Índia, diz governador Flávio Dino

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), disse em entrevista à CNN neste sábado (22) que não há indicativo de transmissão local da chamada cepa originária da Índia e detalhou as ações do estado para impedir que a variante do coronavírus se espalhe.

Um navio vindo da Malásia foi proibido de atracar na costa do estado após a identificação dessa cepa em seis tripulantes. Um deles, indiano, foi transferido para um hospital na capital São Luís.

Flávio Dino prorroga medidas e anuncia novos auxílios

O Governador Flávio Dino (PCdoB) concedeu uma coletiva de imprensa, nesta sexta-feira, 21, sobre o panorama do coronavírus no Maranhão.

O chefe do executivo anunciou novas medidas vigentes até 31 de maio, entre elas, eventos com até 100 pessoas já permitido, música ao vivo a partir de 15 de maio, realização dos eventos até 23h, a administração pública estadual continua com 50% da capacidade e igrejas com 50% de capacidade.

Até dia 31 também vale as medidas para o grupo de risco vacinado, que poderá retornar ao trabalho após 30 dias (exceto gestantes), nos setores público e privado. O Comércio e indústria funciona entre 9h e 21h, bar e restaurante até 23h, supermercados das 6h à 0h e supermercados, academias, salões, bares e restaurantes com 50% de capacidade.

Sobre a vacinação, o governador explicou que durante a reunião com embaixador da China no Brasil, há uma promessa de envio de insumos para produção de 16 milhões de doses.

Ele também falou dos 100 mil profissionais vacinados no Maranhão, o melhor desempenho proporcional do Brasil.

Flávio também mostrou o apoio à população, com 119 mil cartões do Vale Gás sendo distribuídos R$ 25 milhões e o Programa Agente de Desenvolvimento Rural Quilombola, com bolsa mensal de R$ 300 para jovens.

Dino falou do apoio às empresas, com a Medida provisória 356, de 21/05/2021, que autoriza desconto nos juros e multas do ICMS devido até 31/12/20 e do Decreto 36.746, de 21/05/2021, que possibilita a atacadistas de produtos farmacêuticos critérios mais flexíveis para obter redução de ICMS de 18% para 6%.

Flávio Dino esclarece caso da nova variante indiana

O Governador Flávio Dino (PCdoB) concedeu uma coletiva de imprensa, nesta sexta-feira, 21, sobre o panorama do coronavírus no Maranhão.

Ele explicou a situação do caso do indiano, que foi diagnosticado com uma nova variante da Covid-19. Segundo ele, a cepa indiana B.1.617.2 foi identificada no navio destinado ao Porto da Vale.

Segundo o chefe do executivo, a internação dele foi em hospital privado, por empresa privada. Disse ainda que não há transmissão local e o navio está proibido de atracar no Porto do Itaqui.

Flávio também explicou que a variante foi descoberta na Índia, que é uma sub-linhagem da B.1.617, presente em mais de 40 países, em alta transmissão. Os dados da OMS indicam motivo de preocupação global e diz que as vacinas, até agora, são eficazes contra todas as variantes de coronavírus.

Dino explicou que a competência da fiscalização dos portos é da Anvisa, do Governo Federal e que não poderia fechar os três portos do estado, mesmo se fosse possível, pois teria um colapso de desemprego, falta de gasolina, entre outros motivos. “Mesmo que eu chegasse a esta conclusão errada, ainda assim a competência seria legalmente da ANVISA”, disse o governador.

Confirmado! Variante indiana entra no Brasil pelo Maranhão

O governador do Maranhão Flávio Dino anunciou nesta quinta-feira (20) que a variante indiana da COVID-19 entrou no Brasil pelo Maranhão.

O indiano de 54 anos entrou no Brasíl na última sexta-feira (13) e foi internado em um hospital da rede privada de São Luís com sintomas do novo coronavírus (Covid-19. Segundo a SES, o fato foi informado pela Agência Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa). O paciente é um dos tripulantes do navio “MV SHANDONG DA ZHI”, que saiu da Cidade do Cabo, na África do Sul, com destino a São Luís. O indiano começou a sentir os sintomas da doença em 4 de maio e teve febre.

Por conta do quadro, o indiano foi encaminhado em um helicóptero para um hospital da rede privada por determinação da equipe médica. O indiano segue internado e outros dois que também foram retirados do navio para tratamento já voltaram para a embarcação.

Na noite de segunda-feira (17), subiu para 15 o número de tripulantes que foram diagnosticados com Covid-19 dentro do navio “MV SHANDONG DA ZHI”, que foi fretado pela Vale para transportar minério de ferro e está ancorado na costa maranhense.

As amostras de cada paciente foram encaminhadas ao Laboratório Central de Saúde Pública do Maranhão (Lacen) e para o Instituto Evandro Chagas (IEC), em Belém, no Pará, onde foi realizado o sequenciamento genômico para determinar qual é a variante do coronavírus presente em cada um deles.

Diálogo por consenso entre os principais líderes do grupo dinista

O governador Flávio Dino (PCdoB) tenta, de todas as formas, construir um consenso no seu grupo em relação a escolha do candidato a governador para as eleições de 2022.

Um fato a destacar são as aparições dos pré-candidatos em eventos recentes. E agora as reuniões de membros do alto escalão de ambos os “lados” afim de costurar essa unidade, dialogando para chegar a um consenso.

Recentemente, o senador Weverton, pré-candidato ao governo, recebeu a visita do secretário-chefe da Casa Civil e aliado de Brandão, Marcelo Tavares. Não foi divulgado a pauta, mas todos especulam que trataram das eleições e da unidade do grupo.

Por outro lado, o vice-governador Carlos Brandão, também pré-candidato ao governo, recebeu a visita do presidente estadual do PCdoB, deputado federal licenciado e secretário de Cidades e Desenvolvimento Urbano Márcio Jerry.

Jerry é o home forte do governo, braço forte de Flávio Dino e tem uma maior aproximação com Weverton.

Segundo ele, todos os integrantes da base de sustentação política do governo que se sintam em condições de disputar o governo e 2022 tem legitimidade para pleitear a candidatura, porém adianta que este debate ainda não está posto.

O fato é que os dois estão declaradamente em campanha junto lideranças e prefeitos visando se cacifar para o momento em que o governador decidir bater o martelo.
Em entrevista que concedeu ao jornalista George Marques, Jerry deixou claro que o momento é de dialogar, buscar o consenso, assegurar a unidade e consequente evitar um racha no grupo que venha prejudicar o projeto que está sendo desenvolvido desde que 2014.

O secretário observou ainda que a realidade aconselha seguirem juntos para continuar vencendo e ajudando o Maranhão a ser um lugar melhor para todos. Diante que foi exposto pelo dirigente comunista, resta aos dois pré-candidatos baixarem as armas, procurar o entendimento, buscar o consenso e evitar fissuras que possam colocar em risco a unidade do grupo.