Carlos Lula diz que 80% dos internados de covid-19 são não vacinados

Nesta quarta-feira (12), o secretário de Estado de Saúde, Carlos Lula declarou que 80% dos internados por Covid-19 no Maranhão são pessoas que não se vacinaram.

Em vídeo divulgado nas redes, Lula enviou uma mensagem à população, apelando para que todos se vacinem.

“Eu faço um apelo a todo mundo que não se vacinou, ou se vacinou pela metade: se você tomou a primeira dose, não tomou a segunda, vá tomar a segunda; tomou a segunda e não tomou a terceira, vá tomar a dose de reforço. Não tomou ainda? A gente tem vacina para você”, declarou.

Em Miranda, Carlos Lula e Dr. Cardoso lideram Frente da Esperança

Ao que tudo indica, o nome do secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, faz parte de uma coalizão partidária e popular, em Miranda, com a Frente da Esperança. Nesta terça-feira (14), a iniciativa foi destaque durante o encontro do pré-candidato a deputado estadual com o Dr. Cardoso, liderança política na região.

“Miranda foi uma das cidades que mais receberam recursos ao longo dos últimos anos, recurso este que não vimos ser convertido em benéfico para a população. A política não serve para ninguém se enriquecer. O sentido da política é mudar a vida das pessoas”, disse o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula.

Para o Dr. Cardoso, o apoio a Carlos Lula se deve principalmente ao bom trabalho realizado na pandemia. “Hoje temos a possibilidade de apoiar uma pessoa que se posicionou com maestria na pandemia, salvando vidas e levando vacinas. Foram essas coisas que nos estimularam para que ele olhe com carinho para a nossa cidade. Como médico, eu tenho prazer de trabalhar ao lado de pessoas como Carlos Lula”.

A Frente da Esperança é uma mobilização que tem como ponto fundamental a garantia de uma política pública responsável e compromissada com melhorias para a cidade em todos os seus contextos.

Localizada na região de Itapecuru-Mirim, a cidade de Miranda é central é passagem para quem tem como destino os municípios da Baixada Maranhense e da Região Sul do estado.

Carlos Lula recebe mais um título em reconhecimento a atuação no combate à pandemia

A cidade de Presidente Dutra reconheceu a contribuição do secretário estadual de Saúde, Carlos Lula, no enfrentamento à pandemia no Maranhão e à sociedade local. Nesta sexta-feira (26), o gestor da saúde recebeu o Título de Honra ao Mérito concedido por unanimidade pela Câmara de Vereadores, de autoria do vereador Wallas Sousa (PTB).

Para Carlos Lula, os resultados alcançados são fruto dos investimentos e do esforço da Secretaria. “Fizemos o que era necessário ser feito. Expandimos a rede hospitalar, no nosso Hospital de Presidente Dutra abrimos ala de leitos Covid, ambulatório para pacientes com os sintomas iniciais e ainda implantamos a unidade da Rede Cuidar para garantir tratamento às pessoas com sequelas da Covid”, lembrou o secretário.

Durante a solenidade, o vereador Wallas Sousa ressaltou os esforços de Carlos Lula para alcançar a menor taxa de mortalidade por Covid-19 do país. Desde 2020, o Maranhão mantém o primeiro lugar no ranking dos estados com o menor número de mortes por 100 mil habitantes, mesmo após a segunda onda, com as variantes Gamma e Delta, em circulação.

Carlos Lula também destacou em sua fala o apoio logístico do Governo do Maranhão para garantir agilidade na distribuição de vacinas contra a Covid-19 às 217 cidades, bem como as ações desenvolvidas pela Secretaria no apoio aos municípios para vacinação da população, com o envolvimento dos profissionais da rede estadual e da Força Estadual de Saúde.

Participaram da solenidade o prefeito Raimundinho da Audiolar (Republicanos) e o presidente da Câmara Municipal, o vereador Aristeu Nunes (Republicanos).

Carlos Lula destaca diferencial do Maranhão no controle da transmissão do novo coronavírus

O ritmo de transmissão de coronavírus no Maranhão é 0,94. Segundo dados do projeto Covid-19 Analytics, executado em parceria pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o indicador se mantém abaixo de 1 há três meses.

“Recordo que o diferencial do Maranhão, frente ao restante do país logo em 2020, foi instalar os primeiros leitos para enfrentamento da Covid-19 quando ainda não tínhamos confirmação da doença no estado. Nestes dois anos ampliamos nossa rede hospitalar, com leitos de UTI, por todo o Maranhão. E, desde o início do ano, o Governo esteve envolvido com a força-tarefa da vacinação, barreiras sanitárias e testagem”, pontuou o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula.

Com a manutenção do indicador abaixo de 1, o secretário Carlos Lula reforçou que a rede estadual da Saúde também tem intensificado as cirurgias eletivas e a retomadas de procedimentos específicos da média e alta complexidade. “Estamos garantindo o acesso aos serviços do Sistema Único de Saúde de forma resolutiva e perto do domicílio dos maranhenses. A melhora do quadro epidemiológico possibilita o retorno integral do atendimento aos pacientes não-Covid, por isso, os programas Mais Cirurgias e Saúde na Praça vão acontecer em várias cidades”, disse.

Mais investimentos

Somente este ano, o Governo do Maranhão abriu as UTIs de Barreirinhas, Imperatriz e Grajaú, além dos leitos do Hospital Aquiles Lisboa e da Maternidade de Alta Complexidade do Maranhão, as Policlínicas de Açailândia, de Barra do Corda e do Idoso (São Luís), Sorrir de Presidente Dutra e da Ponta do São Francisco.

Nesta semana, o governador Flávio Dino e o secretário Carlos Lula inauguram o primeiro Hospital Regional de Pedreiras, que também contará com ala Covid e não-Covid.

Carlos Lula leva mais serviços e atendimentos em saúde para população de Coroatá

Nesta sexta-feira (22), o secretário de Estado da Saúde do Maranhão, Carlos Lula, acompanhou os atendimentos de triagens para mil cirurgias oftalmológicas e anunciou o início dos serviços de mastologia e mamografia no hospital Macrorregional Alexandre Mamede Trovão, em Coroatá.

Cerca de mil triagens para cirurgias de catarata, pterígio e retina serão realizadas durante a ação. E com a entrega dos novos serviços, a previsão é que sejam realizadas na unidade estadual 600 mamografias e 240 consultas no serviço de mastologia.

“Sempre que a gente vem a Coroatá, a rede de serviço aumenta. É mais direitos, mais conquistas e mais serviços. E isso com a parceria entre governo do estado e prefeitura que é fundamental”, destacou o secretário estadual da Saúde, Carlos Lula.

Carlos Lula destaca importância de adesão ao Selo Unicef

O secretário de Estado de Saúde, Carlos Lula, fala sobre a parceria do Governo do Maranhão para a promoção do Selo Unicef nas cidades maranhenses.

Em vídeo, Lula destacou a importância da adesão ao Selo Unicef. “Em tempo de pandemia, onde a maior parte desses jovens permanecem em casa sem atividade escolar presencial ou atividades culturais esportivas, o desafio é gigantesco, mas não podemos nos omitir, a responsabilidade com cada um. A adesão é muito importante”, disse o secretário.

Para ele, é preciso envolver várias esferas de governo para a melhoria dos indicadores de saúde das crianças no Maranhão. “O esforço da Secretaria de Saúde com as demais secretarias na articulação com os municípios é fundamental”, ressalta. A adesão do município pode ser feita até 8 de agosto.

O Selo UNICEF é uma iniciativa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) para estimular e reconhecer avanços reais e positivos na promoção, realização e garantia dos direitos de crianças e adolescentes em municípios do Semiárido e da Amazônia Legal brasileira.

Joel Nunes fala sobre início da vacinação de adolescentes

O secretário municipal de saúde, Joel Nunes, concedeu entrevista ao programa Ponto Continuando, da rádio Educadora AM, para explicar como está a vacinação contra covid-19 na capital.

Durante a entrevista, Joel disse que o público que está se vacinando não são retardatários. Ele destacou a vacinação de adolescentes nessa fase.

Depois de se tornar a primeira capital brasileira a vacinar toda a população adulta (a partir de 18 anos) contra a Covid-19, São Luís avança mais uma vez e já iniciou a vacinação de adolescentes a partir de 17 anos nesta terça-feira (13), sendo a primeira cidade brasileira imunizar por faixa etária o público entre 12 e 17 anos em geral.

Segundo o secretário, o prefeito Eduardo Braide acompanhou o início da imunização dos adolescentes e já anunciou a continuidade do calendário com a vez, nesta quarta-feira (14), dos jovens de 16 anos.

“O prefeito Eduardo Braide é um líder que tem todos os comandos em suas mãos. Ele realmente quer saber e participar de todo o processo. São Luís deve está feliz por ter esse prefeito”, disse o secretário Joel.

A imunização está ocorrendo nos nove postos da capital, das 8 às 18h.

A vacinação de adolescentes com idade entre 12 e 17 anos contra a Covid-19 se tornou viável pela rapidez com que a Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), conduziu a etapa de vacinação de adultos.

Em pouco mais de cinco meses, o Município conseguiu oferecer a primeira dose para todos com idade acima de 18 anos.

Carlos Lula articula Hospital Regional para Barra do Corda

O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, articula a realização de um sonho antigo da população de Barra do Corda e região: O Hospital Regional.

“Em breve, teremos a instalação de um Hospital Regional na cidade. Uma unidade de saúde moderna, equipada e que oferecerá serviços de qualidade aos usuários”, disse o secretário.

Lula se reuniu com o vice-governador Carlos Brandão, o prefeito de Barra do Corda, Rigo Teles e equipe.

O secretário tem buscado garantir investimentos em diversas cidades do Maranhão.

São Luís recebe 1 a cada 5 vacinas destinada ao Maranhão

“Que retenção é essa se São Luís está vacinando hoje 18 anos?”, questiona o secretário da Saúde do Estado, Carlos Lula, em entrevista ao Ponto Continuando, nesta terça-feira (22). A indagação diz respeito as polêmicas envolvendo Governo do Estado e Prefeitura no processo de vacinação da capital.

O secretário Carlos Lula explicou que a capacidade de acelerar a vacinação em São Luís se deu porque todas as doses da capital foram devidamente entregues. “Qual é razão para eu estar estocando doses?! Eu quero que todo mundo se vacine”.

De acordo com dados do LocalizaSUS, do Ministério da Saúde, a capital maranhense recebeu 1 em cada 5 vacinas enviadas ao Maranhão. Se o critério do órgão federal fosse o percentual da população total do estado, São Luís, que concentra 15% da população, receberia pouco mais de 560 mil doses. Bem menos que as mais de 815 mil já recebidas pela Prefeitura.

No Maranhão, apenas seis cidades estão com a campanha de vacinação acelerada e contemplam o público de 18 anos, são elas: São Luís, Paço do Lumiar, São José de Ribamar, Raposa, Alcântara e Cajari.

Embora tenha alcançado a faixa etária de 18 anos, o escalonamento acelerado por faixa etária da Prefeitura – com meta de chegar rapidamente ao público mais jovem – deixou sem acesso à primeira dose de vacinação quase 200 mil pessoas. Nesta terça (22), a prefeitura publicou nas redes sociais a interrupção da vacinação com a primeira dose.

Além de São Luís, as capitais Campo Grande, Florianópolis, João Pessoa, Aracaju, São Paulo, Porto Alegre e Salvador também haviam suspendido a aplicação da 1ª dose por falta do imunizante.

O Governo Federal já prometeu uma nova entrega nesta semana.

Defensoria Pública recomenda que São Luís vacine retardatários e abra novos pontos

A Defensoria Pública do Estado do Maranhão recomenda adoção de medidas para aumento da cobertura vacinal contra o covid-19 da população de São Luís, capital do Maranhão.

O documento é direcionado à Secretaria Municipal de Saúde de São Luís e recomenda que sejam adotadas medidas administrativas. Entre elas, a abertura de salas de vacinação nos bairros de São Luís onde a vacinação não chegou a 30% de pessoas vacinadas com a 1ª dose, para todas as idades vacináveis, 18 anos ou mais, visando à garantia de acesso à vacinação para a população vulnerável com menor cobertura vacinal da cidade.

A recomendação também determina a permissão de pessoas que perderam o dia de sua vacinação elegível pela idade, chamados “retardatários”, possam se dirigir a qualquer sala de vacinação da cidade e em qualquer dia para serem vacinados.

A Secretaria de Saúde tem o prazo de 10 dias para enviar informações acerca das providências iniciais adotadas.